Beyond Martim Moniz. Portuguese Hindu Gujarati merchants in Lisbon

Cachado, Rita, “Beyond Martim Moniz. Portuguese Hindu Gujarati merchants in Lisbon” (2017), Special Issue India’s other sites: cultural representations at home and abroad, Etnográfica, 21 (1): 203-220

Os hindus portugueses que vivem na Grande Lisboa são geralmente vistos como comerciantes esmerados e raramente escapam a este estereótipo, que também recai sobre outras populações sul-asiáticas residentes em Lisboa. Além disso, o senso comum sobre estas populações diz que o seu comércio está centrado no Martim Moniz. No entanto, as lojas de comerciantes hindus portugueses, assim como as de outros comerciantes sul-asiáticos em Lisboa, estão por toda a cidade. Neste artigo retrato os comerciantes hindus em Lisboa de três maneiras: uma que dá conta das suas diferentes localizações; outra que aborda a diversidade da oferta; e, finalmente, uma que dá conta da sua visão sobre a crise económica em Portugal e as implicações desta na sua vida e negócios. Até recentemente, as trajetórias profissionais dos hindus portugueses estavam associadas a uma mobilidade social ascendente. Atualmente, quais são as suas perspetivas? Como a crise económica afeta os seus negócios? Preferem emigrar de novo como as suas famílias fizeram já duas ou três vezes?

The Humanity of Cities

GULICK, Jonh, 1989, The Humanity of Cities. An introduction to urban societies, Massachussets, Bergin & Garvey Publishers, Inc.

Neste livro, Gulick escreve a favor da ideia de uma cidade humanizada, de forma construtiva, e procurando afastar-se do, como lhe chama, preconceito anti-urbano (1989:5). O autor sublinha que mesmo as análises que privilegiam uma ideia de cidade heterogénea não nos ajudam muito a compreender determinados fenómenos urbanos. Não deixando de contextualizar os autores na sua época, em The Humanity of Cities  Gulick começa por fazer uma breve antologia dos autores e obras que analisaram as cidades de vários pontos de vista. Segundo o autor, muitas das análises acabam por sublinhar os problemas das cidades, em vez de dar relevo aos aspectos mais positivos da vida nas cidades. Não basta dar conta das dinâmicas urbanas que sobressaem dos contextos sociais, políticos, económicos e culturais. Gulick refere a importância das pequenas escalas e das redes de relações pessoais para melhor estudar as diversas temáticas urbanas. Nessa acepção, as estratégias de apoio e de sobrevivência têm um papel central na análise de Gulick, uma vez que, ao prestar atenção a estes fenómenos estaremos mais próximos daquilo que chama a cidade humanizada.

The Informal City

LAGUERRE, Michel S., 1994, The Informal City, Houdmills, Basinstoke, Hampshire and London: MacMillan Press Ltd.

 

Muitas vezes ignorado entre as prateleiras das bibliotecas, The Informal City procura conceptualizar as práticas informais, mais do que dar conta delas, uma vez que essa tarefa já estaria, segundo o autor, bastante desenvolvida (1994:xi). Laguerre sustenta que o próprio sistema formal será melhor entendido se percebermos o funcionamento das regras das práticas informais. O autor vê estas práticas como todo um sistema de acção, desenvolvido para atingir objectivos específicos. Laguerre sublinha que as normas do sistema formal nem sempre coincidem com as normas sociais e essa não coincidência, bem como a rigidez dos processos burocráticos, favorecem as práticas informais. Estas práticas adaptam-se ou resistem ao sistema formal, dependendo da situação. Por vezes, a formalização parcial da estrutura informal acontece para que esta seja mais eficaz ou para ser levada mais a sério (1994:86). Esta forma de análise surge como um importante contributo de desconstrução das práticas culturais, alternativo ou complementar à análise dos modos de vida.