Time and the production of space in sociology

A próxima leitura ETNOURB será dinamizada por Fraya Frehse, e terá lugar no dia 24 de Maio às 10h de São Paulo, 14h de Lisboa, no Zoom (https://bit.ly/39v1xvf | ID: 827 4980 4746). O texto em discussão, “Time and the production of space in sociology“,  foi publicado na Revista Sociologia e Antropologia em 2021.

Partilhamos aqui o resumo do texto em inglês e português:

What does the category “time” disclose in conceptual terms about the spatialization of social phenomena, the so-called production of space? By considering that since the 1950s sociology has embraced various theoretical frameworks for tackling the sociospatial process at hand, the paper answers this question in four analytic steps. Based on the ascertainment that (Section 1) these approaches address the temporalities of the respective research objects by means of definite spatialities, one peculiar history of sociology comes to the forefront. This history comprises (Section 2) four original ways of addressing the spatialization of social phenomena methodologically which were developed by Erving Goffman, Henri Lefebvre, Pierre Bourdieu, and Martina Löw. The seven temporal-spatial scales implicit in these accounts suggest (Section 3) that the production of space is a simultaneously poly-temporal and poly-spatial social phenomenon. Its temporalities and spatialities contain (Section 4) two methodological contributions to the recent sociological debate on the issue.

O que a categoria “tempo” desvela conceitualmente sobre a espacialização de fenômenos sociais, a assim chamada produção do espaço? Este artigo responde tal questão em quatro passos analíticos, reconhecendo que a sociologia desde os anos 1950 abriga perspectivas teóricas diversas acerca do processo socioespacial em foco. Partindo da constatação de que (seção 1) essas abordagens enfrentam as temporalidades dos respectivos objetos de pesquisa recorrendo, em termos metodológicos, a espacialidades definidas, vem para o primeiro plano uma história peculiar da sociologia. Tal história compreende (seção 2) quatro abordagens metodológicas originais acerca da espacialização de fenômenos sociais cujos autores são, respectivamente, Erving Goffman, Henri Lefebvre, Pierre Bourdieu e Martina Löw. As sete escalas temporal-espaciais implícitas nessas abordagens sugerem (seção 3) que a produção do espaço é um fenômeno social simultaneamente politemporal e poliespacial. Suas temporalidades e espacialidades contêm (seção 4) duas contribuições metodológicas para o debate sociológico recente sobre o tema.

Zoom: https://bit.ly/39v1xvf | ID: 827 4980 4746

Espaço urbano, formas cotidianas de cidadania, subjetividades. Histórias do Sul Global

A Rachel de Castro Almeida e a Luciana Teixeira de Andrade, membros ETNO.URB, vão participar neste evento da Urban Studies Foundation: “Espaço urbano, formas cotidianas de cidadania, subjetividades. Histórias do Sul Global” no dia 18 Maio às 16 h (Horário de Brasília).

Inscrição aqui.

Vamos passear por Belo Horizonte, no Brasil, por Delhi e Mumbai, na Índia, por Lagos na Nigéria? Vamos voltar aos anos 1930 e imaginar 2030?

Vamos descolonizar nossa produção científica?

Este é um convite para conhecermos a história de vida de Adunni, uma jovem mulher que viveu em Lagos entre as décadas de 1930 e 1960 e, ao mesmo tempo, as poesias de jovens mulheres brasileiras contemporâneas.

Nesse entrecruzar de tempos e espaços, refletirmos sobre os processos transição para a vida adulta, considerando as condições estruturais como o papel do Estado, desigualdade de gênero e elitismo. Os conteúdos dessas poesias produzidas por jovens que moram nas periferias urbanas da região metropolitana de Belo Horizonte se interligam às experiências de cidadania limitada, à voz política restrita e às condições de vida inaceitáveis vivenciadas por famílias de baixa renda em Delhi e Mumbai.

Os processos de gentrificação e as dificuldade imposta a uma maioria para o acesso à habitação no sul global atingem tanto essas famílias de baixa renda na Índia, quanto as de classe média em Belo Horizonte. E assim vamos juntos pensar no papel das políticas urbanas e do Estado no direito à cidade, na produção do espaço urbano formal e informal, legal e ilegal.

Pannel: Ordinary affects and the everydayness of cities in transition: material and social dimensions of change

Call for abstracts of the V Midterm Conference of ESA RN37 (Urban Sociology)

Chairs
Sonja Lakić (CY Cergy Paris University, France, sonja.lakic@gssi.it)
Graça Cordeiro (ISCTE – University Institute of Lisbon, Portugal, graca.cordeiro@iscte-iul.pt)
Patricia Pereira (NOVA University Lisbon, Portugal, ppereira@fcsh.unl.pt)

Panel format
Traditional with a variety of contribution formats (see the summary)

Summary
This panel calls for an understanding of human lives in urban environments that are undergoing different forms of transition – i.e. post-disaster, post-industrial, post-colonial, post-socialist cities, and/or “instant cities” (Agier, 2020) – and invites authors to examine the dynamic/interchangeable relationship between material and social dimensions of change through the perspective of “ordinary affects” (Stewart, 2007). The latter, hereby understood as “a shifting assemblage of practices and practical knowledges, a scene of both liveness and exhaustion, a dream of escape or of the simple life” (Stewart, 2007)
encourages studies that come into contact with real people and their socio-spatial practices, operating from and within “the scale of the everyday” (Tonkiss, 2013). We call for contributions that blend human experience with the alterations of the built fabric and/or shed a light on “people as infrastructure” (Simone, 2004), as well as those related to the politics of reciprocity and solidarity within research (and research/activism).
We look forward to different portrayals of tactics and strategies of doing the urban and exercising the right to the city, and are interested in both traditional formats of presentations, as well as other than conventional contributions. We encourage authors to take different urban scales into account and bring to light diverse (methodological) approaches, while being particularly open for contributions based on a wide variety of creative approaches and visual methods. We, therefore, welcome research papers, as well as research-based videos and short films (up to 15mins), research-based commented photo essays and/or performances, as well as activists’ diaries, biographical narratives, storytelling, comic books etc. The topics may include but are not limited to: practices of homemaking and experiences of home life, different forms of informal and extra-legal spatial appropriation, urban imaginaries, urban assemblage, buildings as living archives, cultural production of space, grassroots / DIY / self-organisation and bottom-up initiatives, urban memory, identity and citizenship, urban classifications, naming processes and urban lexiques (Topalov, 2017).

References
Agier Michel (2020). “Utopie, dystopie, non-fiction. Faires ville, faire communauté”.
Availableat:https://formes.ca/territoire/articles/les-instant-cities-villes-reimaginees-sans-histoire-sans-avenir; accessed on 01/02/2022.
Simone AbdouMaliq (2004). People as Infrastructure: Intersecting Fragments in
Johannesburg. Public Culture, 16(3), pp. 407-429.
Stewart Kathleen (2007). Ordinary Affects. Duke University Press.
Tonkiss Fran (2013). Cities by Design: The Social Life of Urban Form. Cambridge: Polity Press.
Topalov, Christian (2017) “Comment se produisent les classifications urbaines? Le cas des
espaces stigmatisés” Mots. Les langages du politique [En ligne], 114:
http://journals.openedition.org/mots/22860 ; DOI : https://doi.org/ 10.4000/mots.22860,
accessed on 01/02/2022.

Call for abstracts: Seeing Like a City / Seeing the City Through: ESA RN37 V Midterm Conference

The call for abstracts for the ESA RN37 V Midterm Conference is now open with 27 thematic pannels. Check them all here.

Pannel 11. “Ordinary affects and the everydayness of cities in transition: material and
social dimensions of change” is chaired by Sonja Lakić (CY Cergy Paris University, France), Graça Cordeiro (ISCTE – University Institute of Lisbon, Portugal) and Patricia Pereira (NOVA University Lisbon, Portugal).

Abstract proposals must be submitted by May 6, 2022 through the following link:
https://forms.gle/kiymngod1MBzfRKi7

The conference will take place in Berlin at the Georg Simmel Center for Metropolitan Research, Humboldt University, in October 5-7 2022.

GENTES, RITUAIS, QUOTIDIANOS: fotografias sociais do Grande Porto


Lançamento da chamada para a exposição coletiva de fotografia do IS-UP

Com intervenções de Paulo Pimenta, fotojornalista e Lígia Ferro, socióloga (IS-UP)
29 de Março | 17h00
Sala de Reuniões 1 e zoom

Como olhar para o Grande Porto a partir de uma lente simultaneamente ética e estética? Que retrato podemos fazer dos seus vários territórios e lugares de fronteira? Que vestígios da história encontramos nos lugares que ocupamos? Como podemos representar os contrastes entre as periferias esquecidas e os centros urbanos sobrevalorizados? Explorar contradições entre visitante e residente, proprietário e inquilino ou entre diferentes classes sociais? De que forma podemos dar conta das ideologias, hierarquias, ritmos da cidade? Estas e outras questões são um convite a fotografar a realidade com um olhar sociológico. Nesta sessão, que contará com a presença da socióloga Lígia Ferro e de Paulo Pimenta, fotojornalista, daremos a conhecer a chamada aberta para a exposição coletiva de fotografia do IS-UP, a realizar no Porto, em setembro de 2022.

https://videoconf-colibri.zoom.us/j/87102156418
ID da reunião: 871 0215 6418
Senha de acesso: 423560
Comissão Organizadora

Eduardo Silva, Inês Barbosa, Lígia Ferro, Paulo Pimenta e Vanessa Rodrigues.

Aula Aberta: Etnografia urbana em Portugal. Interações e interseções disciplinares em perspetiva

Etnografia urbana em Portugal. Interações e interseções disciplinares em perspetiva
A conferência com a professora e investigadora Graça Cordeiro do ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa, irá realizar-se no âmbito da UC de Etnografia Urbana e Desenvolvimento Comunitário do Mestrado em Sociologia da FLUP no dia 16 de março, pelas 10h, na sala 311 da FLUP e online. A conferência é organizada pela investigadora Lígia Ferro. 

https://videoconf-colibri.zoom.us/j/81007055373
ID da reunião: 810 0705 5373
Senha de acesso: 328157 

VIII Congresso da APA

O VIII Congreso da Associação Portuguesa de Antropologia terá lugar de 6 a 9 de setembro de 2022 na Universidade de Évora.

São muitos os paneis organizados por membros da rede que foram aprovados, e atualmente encontram-se a aceitar trabalhos até o dia 18 de março de 2022. Para submeter deverão enviar directamente a proposta aos coordinadores do panel.

Para mais informação consultem a página oficial do congreso.

Podem consultar todos os paneis aprovados aqui. A seguir encontrarão os quatro coordenados pro membros da ETNOURB:

P036

Lifestyle Migration: Mobilidades privilegiadas e mudança urbana nas cidades Portuguesas.

Coordenador / Coordinator: Daniel MALET CALVO

P043

Juventudes, Estéticas e Políticas ante os Desafios do Século XXI.

Coordenador / Coordinator: Frank MARCON
Co-coordenador / Co-coordinator Otavio RAPOSO

P045

O desafio do urbano: interseções, resistências, utopias.

Coordenador / Coordinator: Graça ÍNDIAS CORDEIRO

Co-coordenador / Co-coordinatorJoan Josep PUJADAS

P046

A Antropologia nas Escolas.

Coordenador / Coordinator: Lurdes PEQUITO

Co-coordenador / Co-coordinatorRita CACHADO

P014

No rastro da pandemia: pensar e repensar a alimentação, suas práticas, consumos e transições para os novos anos vinte

Coordenador / Coordinator: Joana LUCAS

Co-coordenador / Co-coordinatorJoana CATELA

A Geração da cidade: trajetórias musicais de jovens em várias escalas (Lisboa, 2010/2020)

Ricardo Bento defende a sua tese de doutoramento no dia 10 de dezembro pelas 14h (horas de Lisboa) com o título A Geração da cidade: trajetórias musicais de jovens em várias escalas (Lisboa, 2010/2020), orientado por Graça Cordeiro, no âmbito do programa doutoral em Estudos Urbanos Iscte/FCSH-NOVA. O evento será online, com a participação dos arguentes Renata de Sá Gonçalves, Patrícia Pereira, Lígia Ferro e Otávio Raposo

Licia do Prado Valladares | nota de pesar

A Rede ETNO.URB lamenta o falecimento de Licia do Prado Valladares. Podem encontrar aqui uma boa síntese feita por Bianca Freire-Medeiros (USP) da sua vida plural, rica e com influência em tantas e tantos de nós.

Entre tantos contributos, o livro A Invenção da Favela é uma das suas escritas incontornáveis para pensar e repensar a pobreza urbana e o agenciamento, a produção das narrativas académicas, e muito mais.

Mesa Redonda 14 – Cidades, políticas de reconhecimento e gestão de populações

45º Encontro Anual da ANPOCS

20 de outubro, quarta-feira, das 9h15 às 11h https://www.anpocs2021.sinteseeventos.com.br/conteudo/view?ID_CONTEUDO=977

Coordenadora: Vanessa Marx (UFRGS)
Debatedora: Iracema Guimarães (UFBA)
Expositores: Roberto Marques (UECE/URCA), Ana Elisa Freitas (UFPR) e Roberta Guimarães
(IFCS/UFRJ).

Imagem incorporada

Resumo: Esta mesa redonda é fruto do diálogo estabelecido desde 2019 pelo Grupo de Pesquisa em Sociologia Urbana e Internacionalização das Cidades (GPSUIC/UFRGS) e pelo Núcleo de Estudos e Pesquisas em Espaço, Simbolismo e Poder (NESP/UFRJ). O foco de análise são os conflitos, dissensos e consensos produzidos no intercruzamento da ocupação dos espaços urbanos, dos pleitos de reconhecimento social e das políticas de identificação e gestão de segmentos subalternizados e minoritários. A partir de investigações realizadas em cidades brasileiras discutiremos as formas de identificar, produzir e gerir populações, territórios e identidades operadas por meio de (ou em contraste a) categorizações estatais e elaborações de políticas públicas voltadas para “mulheres”, “indígenas”, “negros” etc. Estarão em debate as negociações entre coletividades e agentes de diferentes escopos de poder político e econômico, os embates em torno das corporalidades consideradas legítimas para ocupar o espaço público e as disputas pelo controle das narrativas, dizibilidades e memórias sobre diferentes formas de violência.

Mini-ciclo de documentários 12, 13 e 14 Outubro 18h Iscte | Aulas abertas Pesquisa de Terreno

feito por Sofia Rocha

A Unidade Curricular Pesquisa de Terreno, coordenada por Graça Cordeiro e lecionada por Graça Cordeiro e por Rita Cachado, tem o prazer de apresentar, em conjunto com a Etno.Urb, o mini-ciclo de documentários no âmbito da sessão 3. O ciclo é aberto à comunidade. Depois do visionamento, haverá um espaço de debate com alunos e outras pessoas presentes.

Cenas do Gueto, Mocho Tá na Casa

À boleia da street art, a Quinta do Mocho soube dar a volta aos estereótipos, ressignificando a vida no gueto para exaltar as qualidades do território e de seus habitantes. “Cenas do Gueto, Mocho Tá na Casa” desmonta os discursos de que o bairro não tem cultura, talento, humanidade, ao mesmo tempo que aponta o dedo à exclusão, ao racismo, à violência policial, à pobreza. Gueto é cidade. Cultura se faz no gueto.

Este seriado de 27 episódios dá a conhecer os habitantes, os artistas e a história da Quinta do Mocho. São micro-documentários etnográficos realizados pelo antropólogo e sociólogo Otávio Raposo, editados pelo antropólogo Filipe Ferraz, e com conceção gráfica e comunicação da antropóloga Gabriela Leal.

Esta série está integrada no projeto de investigação ArtCitizenship, que pesquisa “territórios não-institucionais de construção da cidadania e de participação na esfera pública”, procurando compreender os elos entre arte, criatividade e agência política.

“Cenas do Gueto, Mocho Tá na Casa” é um projeto financiado pela FCT, uma parceria CICS.NOVA, NOVA FCSH, CIES-Iscte e CRIA. A produção é da Associação Wamãe I Antropologia Pública.

Follow!