Research workshop with Sonja Lakić

Buildings as Living Archives:
B(ordering), othering and self-appropriation. The case of mass housing in Banja Luka, Bosnia and Herzegovina 

“If walls could talk, what could we hear? This workshop is a retrospective journey through the residential landscapes of Banja Luka, Bosnia and Herzegovina, and an exploration of different stages of a lifecycle of local mass housing. Here, we discuss the walls that surround us as an embodiment of practices of (b)ordering, othering, and, finally, appropriation of space, shedding a light on how dwelling experience and life itself unfolded under the flag of the Yugoslav ideology of Brotherhood and Unity and mostly uniform built environment, as well as what nowadays, in the contemporary cultural era that preaches individualism, remains.

Through intimate portrayals of individual dwelling and residing histories, the workshop depicts then and now and, for the first time ever, brings to light one of the darkest periods of the local history – e.g. the 1993 amendments to the Law on Housing Relations and the newly introduced policy of rationalization – that malformed the mass housing through violent evictions and marked quite a perplexing ethno nationalist regime-initiated era of the rewriting of the local urban and cultural identity, by eliminating the different and the other by replacing them with those of a better fit and as ethnically clean as possible. Walls talk and we are here to listen.”

Date: Oct. 28th, 2020 at 13h30 – 14h30, Lisbon Time

It will be available on-line thru Zoom (ID: 873 2061 6101)

And in copresence: Iscte, Ala Autónoma, Sala AA3.24

In case you need further information please check here.

“Life comes before buildings: How to do Urban Studies PhD Research from the Scale of the Everyday”, Sonja Lakic na Sessão Inaugural do Doutoramento em Estudos Urbanos 2020/2021

A sessão inaugural do Doutoramento em Estudos Urbanos 2020/2021, um programa doutoral realizado em associação entre a NOVA FCSH e o ISCTE-IUL, terá lugar no dia 23 de Outubro às 18h, no Auditório Mário Murteira no ISCTE.

Sonja Lakic, membro da rede ETNOURB, será uma das oradoras, com uma apresentação intitulada “Life comes before buildings: How to do Urban Studies PhD Research from the Scale of the Everyday”.

Filipa Ramalhete, investigadora do CICS.NOVA, fará a outra apresentação, com o título “Investigação: processo e resultados no Atlas Almirante Reis“.

O evento será também transmitido em streaming por zoom com acesso através do ID: 858 5282 1256

Os Mercados e os Dilemas da Autenticidade. Uma análise do Mercado Central de Belo Horizonte

Artigo de Luciana Teixeira de Andrade, membro da nossa rede ETNOURB, na revista Interseções. Revista de Estudos Interdisciplinares (2017).

Resumo:

Nas últimas décadas, os mercados de abastecimento, presentes em muitas grandes cidades brasileiras, passaram por uma crise e uma nova significação, em função da concorrência com as recentes formas de comércio a varejo. Vários foram fechados, e outros conseguiram sobreviver a partir da narrativa de lugar autêntico e do seu reconhecimento como patrimônio e atração turística. Este artigo propõe discutir essas novas representações dos mercados, assim como os seus dilemas a partir de um caso ocorrido no Mercado Central de Belo Horizonte. Criado em 1929 e situado na área central da cidade, em 2007, o Mercado ocupou as esferas públicas de discussão quando veio a público o fato de que uma antiga loja de alimentos a granel, fechada por decisão de seus proprietários, seria substituída por outra de uma grande rede de eletro- eletrônicos.Com base nesse episódio discutem-se as dimensões patrimoniais e turísticas dos atuais mercados ancoradas no discurso da autenticidade. Para tanto, ele se estrutura em três partes. Uma primeira analisa a construção de uma narrativa de autenticidade em torno de bens urbanos, a segunda situa historicamente o Mercado Central, e a última analisa a polêmica desencadeada a partir do fechamento e substituição de uma das suas lojas.

Criminalização dos graffiti em Portugal: dois passos atrás do tempo, Lígia Ferro no Público

Baseando-se na sua investigação sobre o graffiti em Lisboa, Barcelona e Nova Iorque (Da Rua para o Mundo, ICS, 2016), Lígia Ferro, membro da nossa rede, escreve um artigo de opinião acerca da proposta de criminalização da prática:

“Vemos agora o Governo de António Costa anunciar a pretensão de criminalizar a prática do graffiti, fazendo tábua rasa das experiências internacionais e mesmo do bom exemplo recente da Câmara Municipal de Lisboa. A senhora ministra da Justiça pretende dar dois passos atrás com esta proposta de criminalização. A justificação passa pelo aumento das inscrições nos comboios durante o período de confinamento, assim como pelo valor que se tem despendido na limpeza dos mesmos. Propõe-se assim uma solução legal de criminalização que apenas nos vai custar mais impostos, não oferecendo qualquer garantia de sucesso na eliminação das inscrições.” (Lígia Ferro, Público, 1/10/202)

Handle with Care: Tales of the Invisible / Cuidar: Contos do Invisível

Sonja Lakic é curadora de Handle with Care: Tales of the Invisible / Cuidar: Contos do Invisível, em exposição na Trienal de Arquitectura de Lisboa, de 15 de Outubro a 15 de Novembro de 2020.

“A exposição de arquitectura tem como ponto de partida os acervos de três instituições culturais europeias que são membros da Future Architecture Platform: o Museu de Arquitectura e Design de Liubliana (Eslovénia), o MAXXI Museu Nacional de Artes do Século XXI de Roma (Itália), e o Museu de Arquitectura da Estónia sediado em Talin. Comissariada pela Trienal, esta proposta expositiva propõe, pela primeira vez, uma interligação entre autorias emergentes seleccionadas a partir das candidaturas ao call da Future Architecture Platform de 2020 e os membros desta extensa rede que junta 22 países. “

Leiam aqui a entrevista à arquitecta e investigadora pelo blog Architectuul a propósito da exposição e de outros trabalhos .

Chamada de artigos para publicação na revista (Syn)thesis – Cadernos do Centro de Ciências Sociais da UERJ. Dossiê “A Escola de Chicago Revisitada”.

ATENÇÃO AO PRAZO – 20 DE OUTUBRO

Este dossiê – coordenado pelo Profa. Vânia Morales Sierra da UERJ e pela profa. Wania Amélia Belchior Mesquita da UENF – objetiva apresentar uma  revisão do interacionismo simbólico criado pela Escola de Chicado, trazendo contribuições de autores como  Robert Park, Nell Anderson, Ernest Burgess, Goffman, William Foote Whyte, Clifford Shaw, entre outros.

A revista encontra-se disponível em:  http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/synthesis

Os trabalhos, que além de artigos, podem ser notas de pesquisa, notas de campo, entre outros, deverão ser submetidos para avaliação por e-mail para vaniasierra@yahoo.com.br

Novo site da Panoramas Urbanos – Extensão

Urpi Uriarte faz parte deste projeto de extensão e enviou-nos a seguinte mensagem, relativa a 15 de setembro de 2020, que reproduzimos:

Nós, PANORAMAS URBANOS-EXTENSÃO, temos a imensa satisfação de lançar, hoje, o NOSSO SITE. Trata-se de um trabalho que nasce a partir da disciplina ACCS FCHL68 “Habitar Casarões Ocupados no Centro”, ofertada desde 2018.1 na Universidade Federal da Bahia, que nos permitiu trabalhar com os movimentos MSTB, AMACH e Centro Cultural “Que Ladeira É Essa?”, do centro de Salvador, buscando ser uma ponte entre universidade e sociedade. Com o intuito de divulgar suas lutas e pontos de vista dos habitantes, produzimos nossa plataforma digital panoramasurbanos.com.br, na qual disponibilizamos os trabalhos coletivos produzidos nos últimos 2 anos. Ela está disponível a partir de hoje, 15 de setembro e, por enquanto, a visualização dos mapas funcionará apenas para computador. Deixamos nossas portas virtuais abertas para a interatividade com os trabalhos, assim como, para qualquer contribuição, comentários ou sugestões. Aproveitem!

https://www.panoramasurbanos.com.br/

Legado olímpico, quatro anos depois: entre promessas e ruínas. Seminário d’O Urbano – Laboratório de Estudos da Cidade da UFRJ de 1 a 22 de setembro, online

O Urbano – Laboratório de Estudos da Cidade da UFRJ – convida a todos e todas para o seminário “Legado olímpico, quatro anos depois: entre promessas e ruínas” que será realizado entre os dias 1 e 22 de setembro de forma remota, no Google Meet.

A partir de um olhar retrospectivo em relação ao período de preparação do Rio de Janeiro para receber os Jogos Olímpicos de 2016, o objetivo do seminário é construir debates sobre modelos de gestão urbana e seus impactos no território.

A discussão em torno do chamado “legado olímpico” visa suscitar reflexões acerca das dinâmicas atuais de territórios, como Zona Portuária, Barra da Tijuca, Deodoro e Madureira. Além disso, pretende-se pensar coletivamente processos sociais importantes, como as remoções de favelas e a financeirização da terra urbana.

O seminário contará com a presença de pesquisadores, moradores dos territórios e ativistas de movimentos sociais de forma a abarcar diferentes vivências e pontos de vista sobre o processo de produção da cidade olímpica.

Link para inscrição: https://forms.gle/mxsydcreYJXu2Fbw7

Impactos e desafios de pesquisa durante a pandemia de Covid-19. Ciclo seminários GEAC

Coordenação de Heitor Frúgoli Jr.

Dentre as indagações que emergem na atual pandemia, sublinha-se o que passa a ser possível pesquisar, do ponto de vista etnográfco, frente às restrições de várias ordens às interações sociais face a face, dados os cuidados necessários para se
evitar a transmissão do Covid-19.
O presente ciclo de seminários busca dialogar com essa realidade, com ênfase nas mudanças em curso na vida urbana, através da abordagem sobre pesquisas em andamento de integrantes do GEAC (em locução com outrxs pesquisadorxs), cujos
impactos decorrentes da pandemia têm levado tanto a mudanças contextuais, quanto à
necessidade de novas estratégias investigativas.

A decorrer entre 26 de agosto e 4 de setembro. Mais informação aqui:

Contrato Doutoral: Co-Produção Urbana França/Brasil

Como parte do projeto ANR Co-Polis – “Co-produção social da cidade e da pesquisa cidadã. Perspectivas cruzadas sobre bairros operários e precários na França e no Brasil”, o UMR LAVUE 7218 está recrutando um doutorando em sociologia urbana .

O projeto Co-Polis está localizado na junção entre ciências sociais e estudos urbanos em torno do estudo das modalidades de coprodução urbana entre associações locais, universidades / pesquisa e facilitadores. A tese proposta visa contribuir para o programa científico da ANR sob uma perspectiva tripla: (a) analisar as condições de emergência e desenvolvimento de espaços co-produzidos ou programas co-desenvolvidos; (b) refletir a diversidade de práticas de coprodução; (c) entender as questões epistemológicas ligadas ao compartilhamento de conhecimentos.

O candidato ou o candidato desenvolverá um projeto de pesquisa pessoal dentro da estrutura conceitual e metodológica do projeto ANR e deve considerar a dimensão colaborativa como objeto de sua investigação, bem como o modus operandi de sua pesquisa. Ele trabalhará em vários estudos de caso empíricos em Ile de France e será convidado a desenvolver um campo comparativo na região de São Paulo. Este campo será realizado utilizando uma abordagem etnográfica, incluindo a contribuição para a pesquisa-ação participativa. Os campos de investigação serão escolhidos em colaboração com os pesquisadores e atores associativos envolvidos no projeto Co-Polis.
Após concluir o curso de ciências sociais, o doutorado terá um bom conhecimento prévio de sociologia e / ou antropologia urbana. Ele / ela terá o objetivo geral de desenvolver uma pesquisa de campo em Ile de France em um dos distritos identificados pelo projeto como um local emblemático de colaboração e deve ter um campo comparativo no Brasil

Mais informação na web do CNRS