Encontros com Licia do Prado Valladares: biografia, trajetória acadêmica e reflexões metodológicas sobre o seu trabalho de campo na Rocinha em 1967-1968

A Revista Antropolítica publicou o artigo Encontros com Licia do Prado Valladares 2019: biografia, trajetória acadêmica e reflexões metodológicas sobre o seu trabalho de campo na Rocinha em 1967-1968, com a participação das nossas parceiras Juliana Blasi Cunha e Wania Mesquita, em co-autoria com Lícia do Prado Valladares e Luciane Soares da Silva. É um momento para refletir sobre os terrenos etnográficos nas favelas, sobre trajetórias profissionais dos etnógrafos urbanos e, sem dúvida, um documento útil a todas nós. 

 

 

Etnografia Urbana em Territórios Periféricos

PROGRAMA (provisório)

9h30 – Acolhimento

9h45-10h45
Conferência de abertura:
Rubens Adorno (FdSP-USP)
Moderadores: Luís Fernandes (FPCEUP) e Lígia Ferro (IS, FLUP)

10h45- Pausa

11h-12h45
Ética na investigação etnográfica em ciências sociais
Rita Cachado (CIES, ISCTE-IUL);
Mara Silva (ICS-UM)
Simão Mata (FPCEUP) 
Moderador: Luís Fernandes (FPCEUP)

12h45 – 14h30 – Almoço

14h30 – 16h30
Etnografias urbanas: da investigação à intervenção
Julio Nicodemos, (Professor na Faculdade de Psicologia da Universidade Salgado de Oliveira (UNIVERSO) e supervisor clínico-institucional do CAPS-ad III)
José Soeiro (AR)
Cecília Carvalho (UM)
Moderadora: Lígia Ferro (IS, FLUP)

16h45 (Entrada livre)
Leituras ETNO.Urb
Leitura do texto “Just another night in a shooting gallery” de Philippe Bourgois, por Luís Fernandes
Moderadora: Lígia Ferro

CARTAZ Etnografia urbana em territórios periféricos

Políticas públicas e produção artístico-cultural entre jovens das periferias de Lisboa e São Paulo

Artigo publicado na Etnográfica

Por Otávio Raposo e Guilhermo Aderaldo

O artigo pretende debater alguns aspetos de dois modelos de política pública dirigidos a jovens de camadas sociais desfavorecidas, tomando como base o acompanhamento etnográfico das práticas de coletivos culturais das periferias de Lisboa (Portugal) e São Paulo (Brasil), os quais são beneficiários, respetivamente, dos programas “Escolhas” (PE) e “Valorização de Iniciativas Culturais” (VAI). Por meio da reconstituição de algumas das experiências dos nossos interlocutores em suas negociações com os poderes públicos, queremos analisar aspetos do impacto dessas políticas no fomento da capacidade associativa da juventude “periférica”, bem como conhecer as influências que exercem nas suas subjetividades e trajetórias de vida. Em particular, interrogamos os limites da “economia da cultura” como meio para contornar os processos de segregação e estigmatização, quando atreladas a conceções políticas que restringem a participação juvenil à execução de projetos e à busca de soluções para a chamada “questão social”.

6ª Sessão Leituras ETNO.URB: Sidewalk de M. Duneier com Daniel Malet

20 de Março, 16h, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (NOVA FCSH), sala 1.05 Edifício I&D

“Yet, in going beyond the biographical roots of being unhoused to the social-psychological condition of the people on Sixth Avenue, I do find representative value in Ron’s story. In the discussions I eventually conducted with the men I met, I discovered that almost every one of them spoke of a time when he had essentially given up and said, “I don’t care anymore.”

Even men who had been put out of their houses, coming close to lacking any control at that moment, had a moment when they gave up and said (to use the vernacular of the streets), “Fuck it!”. (…) It is in this frame of mind that each of them reports arriving on the street, gradually giving up on some of the most basic culturally prescribed goals and means for living, and entering the informal writtenmatter economy.”

Sidewalk de Mitchell Duneier (1999), p. 50

Ler aqui a introdução e o primeiro capítulo do livro

Leitura com Daniel Malet Calvo

A Favela das Ciências Sociais de Lícia do Prado Valladares: 5ª Leitura ETNO.URB (20 de Fevereiro) com Juliana Blasi Cunha

Nesta quarta-feira, dia 20, às 16h, teremos uma conversa com a Juliana Blasi Cunha em torno da obra de Lícia do Prado Valladares A Invenção da Favela. Mais especificamente, em torno das formas como as favelas do Rio de Janeiro têm sido trabalhadas pelas  Ciências Sociais. Para lançar a discussão, deixamos aqui um parágrafo do capítulo que disponibilizamos para leitura prévia:

“Falar da Favela no singular tem implicações importantes, por exemplo a adoção de homogeneidade como pressuposto e o desinteresse pela diversidade, de tal maneira que as diferenças internas ao mundo das fevaleas se tornam automaticamente secundárias. Ocultam-se a diversidade, a pluralidade das formas, das relações e das situações sociais.” (p. (Valladares, 2005, p. 152)

 

Leituras ETNO.URB em Março e Abril

Sidewalk de Mitchell Duneier (1999) 

Leitura com Daniel Malet Calvo
20 de Março, 16h, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (NOVA FCSH).

Ler aqui a introdução e o primeiro capítulo do livro

 

Just Another Night In A Shooting Gallery, de Philippe Bourgois (1998, 1a publicação: 1992)

Leitura com Luís Fernandes
29 de Abril 16h45 na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto (FPCE-UP).

“This ethnographic account of a night spent in an African-American heroin shooting gallery in East Harlem presents the details of how heroin, cocaine and crack are bought, injected, enjoyed and suffered on New York City’s most dangerous streets. Although the narrative spans only one ten-hour session, it builds upon the author’s many years of participant-observation research among drug dealers and addicts. The observations and conversations evoke the roller coaster agonies and ecstasies of heroin and cocaine addiction. They also highlight the structural contradictions and the human cost – in the form of immediate personal pain and fear – of US inner-city apartheid. By situating himself as a white researcher violating apartheid and challenging the taboos around class and sobriety, the author documents the polarization of street culture in the criminalized economy.” (Abstract)

Ler aqui o artigo

4ª LEITURA ETNO.URB | 29/01/2019

A 4ª Sessão das Leituras Etno.Urb será assegurada por Ricardo Bento e terá lugar na Sala Multiusos 3 (Edifício ID) da FCSH-NOVA no próximo dia 29 de janeiro, terça-feira, às 18h.

O texto selecionado é um capítulo do livro The Hidden Musicians: Music-Making in an English Town, de Ruth Finnegan, intitulado “Musical Worlds in Milton Keynes”. Uma parte importante do texto pode ser consultada aqui: finnegan_1989_musical_worlds_milton_keynes_parcial.

Projetada antes da crise petrolífera, Milton Keynes foi construída de raíz no final dos anos 1960, pensada para o utilizador de automóvel, uma cidade jardim que teve de se adaptar à realidade e crescer como uma nova centralidade a norte de Londres.

Heitor Frúgoli Jr. tem um belo texto sobre a autora, que convidamos a ler.

***

As Leituras ETNOUrb são uma série de sessões de debate em torno de obras e textos em Etnografia Urbana, partindo de leitura individual prévia. As sessões serão dinamizadas por membros da rede e terão lugar em várias instituições onde esta tem presença.

São de entrada livre e abertas a todos os interessados.

Práticas, conflitos, espaços: pesquisas em Antropologia na Cidade

A GRAMA Editora tem NO PRELO – “Práticas, conflitos, espaços: pesquisas em antropologia da cidade”, organização de Heitor Frúgoli Jr., Enrico Spaggiari e Guilhermo Aderaldo.

“Os capítulos desta coletânea abrangem pesquisas, todas elas baseadas em práticas etnográficas, realizadas durante os dez primeiros anos de existência do GEAC – Grupo de Estudos em Antropologia da Cidade (USP), de 2005 a 2014. Os textos reunidos aqui aproximam-se, em distintos graus, de temas e debates ligados à teoria e à pesquisa em antropologia urbana, como territorialidades, formas de sociabilidade, redes de relações, usos do espaço urbano, disputas simbólicas e segregação.”