Na Quinta com Kally, documentário de Otávio Raposo, vence o Prémio APA 2018/2019

Otávio Raposo, membro da Rede de Etnografia Urbana, vence o Prémio APA Margot Dias e Benjamim Pereira – Antropologia da Imagem e do Som, na Categoria Filme Etnográfico, com o documentário Na Quinta com Kally.

O filme reúne mais de um ano de pesquisas e filmagens na Quinta do Mocho, bairro de Sacavém (Loures) que se tornou uma das maiores galerias arte urbana a céu aberto da Europa, com mais de 100 pinturas nas fachadas dos prédios. O investigador acompanhou os guias Emanuela Kalemba e Kally Meru nas visitas ao bairro em que são apresentados os artistas, técnicas utilizadas, o percurso do graffiti e a própria comunidade da Quinta do Mocho.

Sinopse

Todas as semanas, Kally e Ema percorrem as ruas da Quinta do Mocho para mostrar aos visitantes as obras de uma das maiores galerias de street-art ao ar livre da Europa. O bairro, considerado “problemático” e “violento”, soube dar a volta aos estereótipos e tornou-se um exemplo da riqueza cultural das periferias de Lisboa. Aproveitando-se da boleia da arte urbana, os seus moradores são os principais responsáveis por esse processo de requalificação discursiva. São eles que impulsionam as visitas guiadas, compõem canções de intervenção e criam coletivos culturais que valorizam o bairro. As expressões artísticas nascidas no Mocho são “gritos de resistência” ao racismo, à precariedade laboral e às imagens mediáticas que o representam negativamente. O filme mostra como a vida de Kally, Ema e o filho está interligada com a reinvenção da Quinta do Mocho. Acompanhamos o quotidiano dessa família que, ao insistir em lutar por uma vida melhor, também afirma o bairro como um ativo celeiro de produção cultural.

Realização: Otávio Raposo

Montagem: Filipe Ferraz e Otávio Raposo

Pesquisa, filmagem e som: Otávio Raposo

Duração: 27 min.

Ano: 2019

10ª Sessão de Leituras ETNO.URB: “A utopia da Pequena África: projetos urbanísticos, patrimônios e conflitos na Zona Portuária carioca”, 1 de Julho, 18h (BR) / 22h (PT), ICHF – UFF

Daphne Cordeiro irá dinamizar a leitura de  A utopia da Pequena África: projetos urbanísticos, patrimônios e conflitos na Zona Portuária carioca (2014) de Roberta Sampaio Guimarães.

Será no dia 1 de Julho às 18h  no ICHF – Universidade Federal Fluminense em Niterói (sala 307, bloco P).

Chamada de artigos para Seção “Olhares Cruzados” da Revista Antropolítica

Encontra-se aberta a chamada para envio de artigos para a Seção “Olhares Cruzados”, da Revista Antropolítica, vinculada ao Programa de Pós Graduação em Antropologia da Universidade Federal Fluminense.

Os envios serão aceites até 30 de junho e a publicação está prevista para Agosto de 2019.

A seção tem como objetivo publicar artigos que reflitam sobre as várias dimensões que envolvem o fazer antropológico, priorizando a discussão sobre a perspectiva internacional, transnacional e/ou comparada na experiência do pesquisador.

São considerados bem vindos trabalhos que discutam essas dimensões em termos:

1) da realização do trabalho de campo, ou de experiências acadêmicas, de brasileiros no exterior ou de estrangeiros no Brasil;

2) das diferentes possibilidades de trocas acadêmicas articuladas, ou não, em acordos institucionais e os efeitos na construção ou consolidação de campos ou áreas de estudos;

3) ou, em termos mais gerais, das potencialidades, limitações e/ou desafios da utilização de perspectivas comparadas e comparativas na Antropologia.  

Os artigos submetidos serão inicialmente selecionados pelo Comitê Editorial e, posteriormente, submetidos à avaliação as cegas por pareceristas externos.

As contribuições devem ser enviadas, obedecendo ao prazo acima, pelo sistema eletrônico da revista: http://www.revistas.uff.br/index.php/antropolitica/about/submissions#onlineSubmissions. As normas para submissão dos textos são as mesmas válidas para artigos e encontram-se disponíveis: http://www.revistas.uff.br/index.php/antropolitica/about/submissions#onlineSubmissions

10ª Sessão Leituras ETNO.URB, 1 de Julho na Universidade Federal Fluminense

A Leitura ETNO.URB de Julho será no dia 1 às 18h  no ICHF – Universidade Federal Fluminense em Niterói (sala 307, bloco P).
Daphne Cordeiro irá dinamizar a leitura de  A utopia da Pequena África: projetos urbanísticos, patrimônios e conflitos na Zona Portuária carioca (2014) de Roberta Sampaio Guimarães.
 
Fonte: Roberta Guimarães
 
Sinopse
Nas últimas décadas, amplas intervenções urbanísticas nos bairros centrais e portuários “degradados” das grandes cidades têm buscado inserir tais áreas em uma lógica internacional de competição pela atração de capitais e dos megaeventos, como a Copa do Mundo e as Olimpíadas. Mas nem tudo pode ser ideologicamente construído ou economicamente potencializado. Quando se trata do passado de pessoas, objetos e espaços, diferentes e desestabilizadoras memórias, como a da “Pequena África”, na região portuária carioca, são sempre passíveis de serem movimentadas, trazendo à tona versões não exibidas da cidade.
 
 
Índice

Prefácio: Autenticidade e transformações urbanas

Agradecimentos

Introdução: projetos urbanísticos, patrimônios e conflitos


1. O Plano Porto do Rio e o retorno da Pequena África 
Uma retórica sobre ”vazios”, ”degradados” e ”abandonados” 
Os efeitos da criação de um sítio ”histórico” no Morro da Conceição 
As contraimagens da ”cidade negra”


2. A ”vizinhança” da parte alta do morro 
As afinidades e tensões entre moradores ”novos” e ”tradicionais” 
Os múltiplos sentidos da “festa da padroeira” 
Os ”de dentro” da rua e os ”misturados” da ladeira


3 . Os ”quilombolas” da Pedra do Sal e os ”franciscanos” da Prainha 
Os espaços físicos, simbólicos e midiáticos de embate 
O pleito “étnico-racial” de um morro “negro” 
As obras sociais para uma ”população marginalizada”


4 . O ”povo do santo” do Valongo 
”Agrados”, ”proteções” e ”prestígios” na passagem do afoxé 
Os ”amigos” e os ”filhos” da casa de Mãe Marlene d’Oxum 
A formação e perpetuação de um ”patrimônio imaterial”


Considerações finais: os imponderáveis percursos dos patrimônios 
Referências bibliográficas
Outras fontes
Sobre a autora

 

 
 
 

Práticas, conflitos, espaços: pesquisas em antropologia da cidade

Heitor Frúgoli Jr., investigador do Grupo de Estudos de Antropologia da Cidade da Universidade de São Paulo, estará na NOVA FCSH no dia 3 de Junho para apresentar e discutir a obra colectiva Práticas, conflitos, espaços: pesquisas em antropologia da cidade, recentemente publicada pela GRAMA Editora. O debate será dinamizado pelos investigadores do CICS.NOVA Luís Baptista e Patrícia Pereira.

3 de Junho, às 16h00, na sala 0.06 (r/c) do edifício ID, NOVA FCSH (Av. de Berna, 26, Lisboa)

 

Práticas, conflitos, espaços: pesquisas em antropologia da cidade

Coord: Heitor Frúgoli Jr., Enrico Spaggiari e Guilhermo Aderaldo. GRAMA Editora.

Sinopse:

“Os capítulos da coletânea abrangem pesquisas, todas elas baseadas em práticas etnográficas, realizadas durante os dez primeiros anos de existência do GEAC – Grupo de Estudos em Antropologia da Cidade (USP), de 2005 a 2014. O GEAC/USP busca fomentar o debate e reflexão sobre temas ligados à teoria e à pesquisa em antropologia urbana, tomando as cidades como espécies de contextos totalizantes, assinalados por linhas de força amplamente diversificadas e heterogêneas, em que o enfrentamento etnográfico constitui uma prática decisiva na reconstituição de redes de relações e conexões, dadas a princípio pelos próprios citadinos, em suas relações com equipamentos e artefatos urbanos. Tais práticas etnográficas devem preferencialmente se assentar em uma dada territorialidade ou espacialidade, a partir das quais se consiga investigar, de forma articulada, seus aspectos mais relevantes e recorrentes, que se abrem para aprofundamentos em múltiplas direções, mas com um núcleo relacional que permita acumular saberes resultantes de cruzamentos de recortes, que enfim configuram a cidade, em sua diversidade e densidade constitutivas. Os textos reunidos nesta coletânea aproximam-se, em distintos graus, de temas e debates ligados à teoria e à pesquisa em antropologia urbana, como territorialidades, formas de sociabilidade, redes de relações, usos do espaço urbano, disputas simbólicas e segregação. Todas as pesquisas apresentadas nos capítulos desta coletânea buscam captar, do ponto de vista etnográfico, aspectos relevantes da vida urbana, com atenção especial às práticas e aos conflitos, sem definir categorias apriorísticas, voltando-se, de fato e sob diversos ângulos, para o contexto produzido gradativamente pela própria observação.”

 

Heitor Frúgoli Jr.:

é professor do Departamento de Antropologia da Universidade de São Paulo e coordenador do Grupo de Estudos de Antropologia da Cidade (GEAC/USP). Foi professor da Cátedra de Estudos Brasileiros da Universidade de Leiden, directeur d’études da École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS) e integrante do Condephaat (Secretaria de Cultura do Estado d e São Paulo).

Enrico Spaggiari:

é doutor e mestre em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo (USP). É pesquisador do Grupo de Estudos de Antropologia da Cidade (GEAC/USP) e editor do site Ludopédio (www.ludopedio.com.br).

Guilhermo Aderaldo:

é mestre em Antropologia Social (Unicamp) e doutor na mesma área (USP). Também é membro do Grupo de Estudos de Antropologia da Cidade (GEAC/USP) e realizou estágio de pós-doutorado na USP e na Universidad de Buenos Aires (UBA).

Atividades de parceiros ETNO.URB em Lisboa no início de Junho

Ao longo da próxima semana e meia, Lisboa será palco de várias atividades dinamizadas, coordenadas e protagonizadas por parceiros da Rede de Etnografia Urbana (ETNO.URB), que elencamos no quadro abaixo. Seguindo os links encontram mais informação sobre cada uma das iniciativas.

Alguns destes eventos realizam-se no âmbito do VII Congresso APA (Associação Portuguesa de Antropologia), que tem nas suas comissões Científica e Executiva a Rita Ávila Cachado, membro e co-coordenadora da Rede ETNO.URB.  

DIA

HORÁRIO

LOCAL

EVENTO

Dia 3/junho

16h00

NOVA-FCSH Edifício ID, sala 0.06

Apresentação do livro Práticas, conflitos, espaços: pesquisas em antropologia da cidade, co-editado por Heitor Frúgoli Jr..

Sessão com Heitor Frúgoli Jr., Luís Baptista e Patrícia Pereira.

Dia 4/junho

11.00h-13.00h

ISCTE-IUL Sala C205

9ª Leitura ETNO.URB com Heitor Frúgoli Jr.. Leitura de três textos etnográficos sobre um mesmo espaço urbano: o Cemitério Père-Lachaise em Paris.

Dia 5/junho

11.00h-13.00h; 14.30h-16.30h e 17.00h-19.00h

NOVA-FCSH Sala T09 Torre B

 

Painel APA: Juventudes, decolonialidades e estéticas periféricas (P087). 

Coord. Otávio Raposo e Frank Marcos

Dia 6/junho

14.30h-16.30h e 17.00h-19.00h

NOVA-FCSH Sala Multiusos 3 Edifício ID

Painel APA: Cidades que falam português: o desafio da etnografia (P048).

Coord. Graça Índias Cordeiro e Heitor Frúgoli Jr..

Dia 7/junho

8.45h-10.45h

NOVA-FCSH Sala T11 Torre B

Painel APA: Terrenos etnográficos no arquivo: materiais primários e dilemas éticos (P018).

Coord. Rita Cachado e Sónia Vespeira de Almeida. 

 

13.00h-14.30h

NOVA-FCSH Auditório 001 Torre A

APA: Apresentação de Redes. Rede de Etnografia Urbana (Patrícia Pereira)

Dia 11/junho

13.30h-15.30h

ISCTE-IUL Sala B101

Reunião parceiros ETNO.URB

 

9ª Sessão Leituras ETNOURB, com Heitor Frúgoli Jr.

A sessão Leituras ETNOURB de Junho terá lugar no ISCTE-IUL, no dia 4 pelas 11h, na sala C 205.
A sessão, dinamizada por Heitor Frúgoli Jr.,  tem um formato diferente das anteriores. Consiste na leitura de três textos etnográficos de diferentes autores e perspetivas, sobre um mesmo espaço urbano: o Cemitério Père-Lachaise em Paris.
 
 
Os textos: 

Encontros com Licia do Prado Valladares: biografia, trajetória acadêmica e reflexões metodológicas sobre o seu trabalho de campo na Rocinha em 1967-1968

A Revista Antropolítica publicou o artigo Encontros com Licia do Prado Valladares 2019: biografia, trajetória acadêmica e reflexões metodológicas sobre o seu trabalho de campo na Rocinha em 1967-1968, com a participação das nossas parceiras Juliana Blasi Cunha e Wania Mesquita, em co-autoria com Lícia do Prado Valladares e Luciane Soares da Silva. É um momento para refletir sobre os terrenos etnográficos nas favelas, sobre trajetórias profissionais dos etnógrafos urbanos e, sem dúvida, um documento útil a todas nós. 

 

 

Etnografia Urbana em Territórios Periféricos

PROGRAMA (provisório)

9h30 – Acolhimento

9h45-10h45
Conferência de abertura:
Rubens Adorno (FdSP-USP)
Moderadores: Luís Fernandes (FPCEUP) e Lígia Ferro (IS, FLUP)

10h45- Pausa

11h-12h45
Ética na investigação etnográfica em ciências sociais
Rita Cachado (CIES, ISCTE-IUL);
Mara Silva (ICS-UM)
Simão Mata (FPCEUP) 
Moderador: Luís Fernandes (FPCEUP)

12h45 – 14h30 – Almoço

14h30 – 16h30
Etnografias urbanas: da investigação à intervenção
Julio Nicodemos, (Professor na Faculdade de Psicologia da Universidade Salgado de Oliveira (UNIVERSO) e supervisor clínico-institucional do CAPS-ad III)
José Soeiro (AR)
Cecília Carvalho (UM)
Moderadora: Lígia Ferro (IS, FLUP)

16h45 (Entrada livre)
Leituras ETNO.Urb
Leitura do texto “Just another night in a shooting gallery” de Philippe Bourgois, por Luís Fernandes
Moderadora: Lígia Ferro

CARTAZ Etnografia urbana em territórios periféricos