Lançamento do livro “Cidades em Mudança: Processos Participativos em Portugal e no Brasil” (27/09/2018 às 18h)

No dia 27 de Setembro de 2018, no ISCTE (sala a confirmar), entre as 18h e as 20h, terá lugar o lançamento do livro “Cidades em Mudança: Processos Participativos em Portugal e no Brasil” (MAUAD X), organizado por Renata Sá Gonçalves e Lígia Ferro e com capítulos de vários parceiros da rede ETNOURB.

O evento inclui um debate público em torno do tema “Estudos Urbanos em Portugal e no Brasil”. Contamos com Simone Vassalo (UFF) e Frédéric Vidal (CRIA-IUL) para a apresentação do livro, e com Renata Sá Gonçalves (UFF) e Luís Vicente Baptista (FCSH-UNL) para falarem sobre a relação entre  investigação e formação. A moderação estará a cargo de Graça Índias Cordeiro.

 

 

1º sessão de Leituras ETNOURB: A Utopia Urbana de Gilberto Velho

No dia 26 de Setembro, às 11h na sala C201 do ISCTE-IUL, faremos a leitura e discussão da obra com Alessandra Barreto (UFF), Julia O’Donnell (IFCS/UFRJ) e Renata Gonçalves (UFF).

A utopia urbana: um estudo de antropologia social de Gilberto Velho é um trabalho pioneiro da antropologia urbana brasileira, com sua primeira edição publicada em 1973. A etnografia realizada na década de 70 em um prédio em Copacabana, importante bairro da cidade do Rio de Janeiro, marcou o processo de consolidação de um campo de estudos antropológicos nas cidades em que a “observação do familiar” ganhava centralidade. Quarenta e cinco anos depois dessa primeira edição, propomos uma leitura renovada desta obra, com os olhos voltados para os limites, avanços e desafios das etnografias urbanas na atualidade.

Leiam ou releiam este fascinante livro e venham discuti-lo connosco.

***

A obra está disponível na Biblioteca do ISCTE-IUL (A.121 VEL*Aut) e na Biblioteca da NOVA FCSH  (ANT 1273 (UNLFCSH/BMSC)).

Está também disponível aqui

***

Materiais complementares

Desafios e metamorfoses da Antropologia Contemporânea. Entrevista com Gilberto Velho. Por Cristiana Bastos e Graça Índias Cordeiro (Etnográfica, 1997)

Utopias, portais e antropologias urbanas: Gilberto Velho em Lisboa. Por Cristiana Bastos (Análise Social, 2017)

***

As Leituras ETNOUrb são uma série de sessões de debate em torno de obras e textos em Etnografia Urbana, partindo de leitura individual prévia. As sessões serão dinamizadas por membros da rede e terão lugar em várias instituições onde esta tem presença. São de entrada livre e abertas a todos os interessados. 

Cidades em Mudança: Processos Participativos em Portugal e no Brasil (2018)

Renata de Sá Gonçalves e Lígia Ferro organizam Cidades em Mudança, publicado na editora Mauad X. O livro resulta do projecto de pesquisa  internacional (2016/18) com o mesmo título, financiado pela CAPES e a FCT, e reúne textos de vários parceiros da rede ETNOURB.

Esta obra resulta da cooperação entre duas equipes de pesquisadores brasileiros e portugueses que atuam, sobretudo, nas áreas da antropologia e da sociologia urbanas. Trata-se de um livro que busca uma compreensão em profundidade da diversidade e complexidade socioculturais do Rio de Janeiro e de Lisboa. Essas cidades apresentam-se aqui com os seus contextos originais para a reflexão sobre as dinâmicas urbanas, os seus protagonistas sociais, as suas práticas culturais e os processos de reprodução social e de resiliência que constroem a contemporaneidade. Este livro suscitará o interesse de estudantes e pesquisadores das ciências sociais e humanas, assim como do público em geral, de todos aqueles que buscam estimular a sua reflexão sobre contextos e dinâmicas urbanos.

Ilhas do Bonfim: a vida urbana no Porto, para além das fachadas (2018)

Artigo de Lígia Ferro, membro da rede ETNOURB, na Plataforma Barómetro Social  sobre o projecto de intervenção social e artística “Retratos das Ilhas: Bonfim para além das Fachadas”, da Rede Inducar.

“No domínio do projeto, a fotografia participativa e as artes performativas foram usadas na abordagem às memórias e às sociabilidades envolvidas na construção quotidiana destes espaços urbanos. Através da intervenção comunitária usando a fotografia, o teatro e a performance, foram reveladas as histórias, as condições de vida, os laços de pertença e as sociabilidades que constroem estes espaços, assim como foram promovidos processos de participação social urbana.”

Leituras ETNOUrb

As Leituras ETNOUrb são uma série de sessões de debate em torno de obras e textos em Etnografia Urbana, partindo de leitura individual prévia. As sessões serão dinamizadas por membros da rede e terão lugar em várias instituições onde esta tem presença. São de entrada livre e abertas a todos os interessados.

A primeira é já no dia 26 de Setembro de 2018, quarta-feira, às 11h, na sala C102 do ISCTE-IUL. Vamos debater a obra A Utopia Urbana, de Gilberto Velho com Alessandra Barreto (UFF), Julia O’Donnell (IFCS/UFRJ) e Renata Gonçalves (UFF).

Mais informação

Evento no Facebook

Crónicas do habitar. Práticas de construção informal e realojamento forçado no bairro de Santa Filomena (Lisboa)

Giacomo Pozzi (2017)

O artigo analisa práticas políticas complexas que surgiram após a implementação de um programa governamental de realojamento num bairro informal localizado na Região Metropolitana de Lisboa (Portugal). O programa foi formulado com a intenção de demolir os bairros informais da área e realojar os moradores em edifícios públicos de habitação. Ao nível programático, o projeto enquadra a questão da informalidade habitacional e da segregação social, étnica e espacial como uma “praga social”. Vinte anos após a sua formulação original, a implementação actual produziu dinâmicas complexas de adaptação e resistência representadas pelos habitantes, na sua maioria migrantes de origem cabo-verdiana. Com base numa pesquisa etnográfica realizada entre 2013 e 2014, este artigo mostra, por um lado, o processo histórico e sociopolítico de construção do bairro de Santa Filomena (Amadora); por outro lado, a dinâmica da limpeza de favelas adotada pelas instituições locais. Eu mantenho que esses processos têm prosseguido dialeticamente na área estudada, na fronteira entre legalidade e ilegalidade e formalidade e informalidade.

Texto em italiano.

L’articolo analizza complesse pratiche politiche emerse a seguito dell’implementazione di un programma di rialloggiamento governativo in un quartiere informale situato nell’Area Metropolitana di Lisbona (Portogallo). Il programma è stato formulato con l’intento di demolire i quartieri informali dell’area e rialloggiare i residenti in edifici di edilizia residenziale pubblica. A livello programmatico il progetto inquadra la questione dell’informalità abitativa e della segregazione sociale, etnica e spaziale come una “piaga sociale”. A vent’anni dalla sua formulazione originaria, l’attuale implementazione ha prodotto complesse dinamiche di adattamento e resistenza agite dagli abitanti, in maggioranza migranti di origine capoverdiana. Basato su una ricerca etnografica condotta tra il 2013 e il 2014, questo articolo mostra, da un lato, il processo storico e socio-politico di costruzione del quartiere Santa Filomena (Amadora); dall’altro lato, le dinamiche di slum clearence adottate dalle istituzioni locali. Sostengo che questi processi abbiano proceduto dialetticamente nell’area studiata, sul confine tra legalità e illegalità e formalità e informalità.

Pozzi, Giacomo. 2017. Cronache dell’abitare. Pratiche di costruzione informale e rialloggiamento forzato nel quartiere Santa Filomena (Lisbona). Antropologia4, 1 n.s., pp. 49-69. http://dx.doi.org/10.14672/ada20171179%25p.

A utopia urbana de Gilberto Velho em Leituras ETNOUrb

Na primeira sessão Leituras ETNOUrb , no dia 26 de Setembro, faremos a leitura e discussão da obra A utopia urbana: um estudo de antropologia social (1989) de Gilberto Velho.

Leiam ou releiam este fascinante livro e venham discuti-lo connosco. Mais novidades em breve!

 

Livro pioneiro, por ser uma das primeiras tentativas no Brasil de aplicação do método antropológico ao estudo do meio urbano, baseia-se em pesquisas no bairro carioca de Copacabana. Mostra como vivem os moradores de um prédio de apartamentos do tipo conjugado, depois de realizar o sonho de morar naquele bairro “de qualquer maneira”. (do Editor)

Dossiê Etnografias Urbanas

No mais recente número da Etnográfica foi publicado o dossiê Etnografias Urbanas, organizado por Lígia Ferro e Renata Sá Gonçalves, com uma introdução e três magníficos artigos de Simão Mata e Luís Fernandes, intitulado Questões metodológicas de uma revisitação a territórios psicotrópicos do Porto; Miquel Fernández González, Maribel Cadenas Álvarez e Thomas Purcell com o artigo Urbanismo utópico, realidades distópicas: una etnografía (im)posible en Yachay, “ciudad del conocimiento”; Juan Pujadas com o artigo Etnografía móvil, entre el sombreado y el acompañamiento: notas a partir del estudio de la movilidad cotidiana en la Región Metropolitana de Barcelona (RMB).

Tantas cidades em Lisboa

Estando a decorrer a Ticyurb (2018), relembramos o artigo de Fraya Frehse sobre a FICYUrb (2007) na Revista Ponto Urbe.

“Da noite do dia 10 até a noite do dia 12 de junho, Lisboa foi ponto de encontro de virtualmente todas as cidades do mundo. Ocorreu ali nesse período a First International Conference of Young Urban Researchers, organizada por pesquisadores do Centro de Investigação e Estudos em Sociologia (CIES) do Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE) sob a coordenação da antropóloga Graça Índias Cordeiro.

Etnografias Urbanas (2003)

Graça Índias Cordeiro, Luís Vicente Baptista, António Firmino da Costa (organizadores)

Olhar as cidades e a vida urbana numa perspectiva etnográfica constitui o desafio deste livro. Compreender as cidades de dentro, de baixo, a partir de uma relação próxima entre quem vê e quem é observado permite ir ao encontro do que de mais incerto e surpreendente as cidades nos têm para oferecer polícias, associações, culturas juvenis, práticas de lazer, territórios psicotrópicos, identidades étnicas, práticas habitacionais… Etnografias Urbanas reúne um conjunto de comunicações, comentários e reflexões, de cariz interdisciplinar, realizadas no encontro Cidade e Diversidade: Perspectivas de Desenvolvimento em Antropologia Urbana que, em Setembro de 2001, reuniu cerca de vinte investigadores de várias “gerações” e pertenças disciplinares.

Leituras ETNO.URB

A partir deste outono, a ETNO.URB organiza uma série de sessões de leitura de obras e textos em Etnografia Urbana, dinamizadas por membros da rede.

Na primeira sessão, que terá lugar em Lisboa durante o mês de Setembro, faremos a leitura e discussão da obra A utopia urbana: um estudo de antropologia social (1989) de Gilberto Velho, pela mão de Renata Gonçalves, da Universidade Federal Fluminense.

Leiam ou releiam este fascinante livro e venham discuti-lo connosco. Mais novidades em breve!

Livro pioneiro, por ser uma das primeiras tentativas no Brasil de aplicação do método antropológico ao estudo do meio urbano, baseia-se em pesquisas no bairro carioca de Copacabana. Mostra como vivem os moradores de um prédio de apartamentos do tipo conjugado, depois de realizar o sonho de morar naquele bairro “de qualquer maneira”. (do Editor)

Conflitos e Movimentos Urbanos

Mesa redonda no âmbito do Urban Audiovisual Festival, organizada por Inês Pereira e Patrícia Pereira

Biblioteca de Marvila, 15 de Junho de 2018, 17h-20h

A cidade contemporânea é um espaço de conflitos e opressões múltiplas, mas é também um caleidoscópio de práticas de luta e ativismo. Inauguramos o Urban Audiovisual Festival com uma mesa redonda subordinada ao tema: Conflitos e Movimentos Urbanos, onde reunimos um grupo alargado de académicos/as e/ou ativistas para discutir esta construção multivocal da resistência urbana. Do cruzamento de perspetivas feministas, antiracistas, classistas, enfim, de diversas formas de reivindicar o direito a habitar, ocupar e usufruir a cidade, nascerá uma conversa que se prolongará por duas horas e meia, onde se discutirão os mais variados temas: das arenas de conflito e ameaça urbana, aos circuitos alternativos e safe spaces, passando pelas redes e alianças entre movimentos e pelas estratégias e repertórios de ação.

Participantes:
Cristina Roldão CIES-IUL ESE-IPS
Paula Gil Ativista, Movimento 12 de Março e Que Se Lixe a Troika
Henrique Chaves CICS.NOVA e Frente Antiracista
Joana Pestana Lages, Mulheres na Arquitetura
Piménio Ferreira, Romativista Independente
Participante na Assembleia de Bairros
Participante no Rock in Riot
Participante na Assembleia Feminista de Lisboa

 

Relational space through historically relational time – in the bodies of São Paulo’s pedestrians (2017)

Um artigo de Fraya Frehse

This article methodologically develops one theoretical issue regarding the sociological debate on relational space: How do past, present and future times interfere in the relations between human bodies and in their interconnectedness with material and/or symbolic goods in places, by considering that space is generated through these relations? After demonstrating the absence of this issue in the debate, the article presents a methodology for analytically identifying and conceptually interpreting the relational space produced through historically relational time in relational bodies in places, with the aid of Henri Lefebvre’s dialectical concerns with everyday life and the production of space. In order to show the approach ‘in action’, the study focuses on the rules of pedestrians’ body conduct in the cathedral square of the Brazilian city of São Paulo in 2013–2014. Hence the approach is analytically complemented by Erving Goffman’s phenomenological approach to the bodily dimension of social interaction. In conclusion, three contributions of this methodology for relational-spatial sociology are summarized.

FREHSE, Fraya, 2017. “Relational Space through Historically Relational Time – in the Bodies of São Paulo’s Pedestrians”. Current Sociology, 65 (2), p. 511-532  DOI: 10.1177/0011392117697462.