A Geração da cidade: trajetórias musicais de jovens em várias escalas (Lisboa, 2010/2020)

Ricardo Bento defende a sua tese de doutoramento no dia 10 de dezembro pelas 14h (horas de Lisboa) com o título A Geração da cidade: trajetórias musicais de jovens em várias escalas (Lisboa, 2010/2020), orientado por Graça Cordeiro, no âmbito do programa doutoral em Estudos Urbanos Iscte/FCSH-NOVA. O evento será online, com a participação dos arguentes Renata de Sá Gonçalves, Patrícia Pereira, Lígia Ferro e Otávio Raposo

4ª LEITURA ETNO.URB | 29/01/2019

A 4ª Sessão das Leituras Etno.Urb será assegurada por Ricardo Bento e terá lugar na Sala Multiusos 3 (Edifício ID) da FCSH-NOVA no próximo dia 29 de janeiro, terça-feira, às 18h.

O texto selecionado é um capítulo do livro The Hidden Musicians: Music-Making in an English Town, de Ruth Finnegan, intitulado “Musical Worlds in Milton Keynes”. Uma parte importante do texto pode ser consultada aqui: finnegan_1989_musical_worlds_milton_keynes_parcial.

Projetada antes da crise petrolífera, Milton Keynes foi construída de raíz no final dos anos 1960, pensada para o utilizador de automóvel, uma cidade jardim que teve de se adaptar à realidade e crescer como uma nova centralidade a norte de Londres.

Heitor Frúgoli Jr. tem um belo texto sobre a autora, que convidamos a ler.

***

As Leituras ETNOUrb são uma série de sessões de debate em torno de obras e textos em Etnografia Urbana, partindo de leitura individual prévia. As sessões serão dinamizadas por membros da rede e terão lugar em várias instituições onde esta tem presença.

São de entrada livre e abertas a todos os interessados.

Redes de sociabilidade, identidades e trocas geracionais: da ‘Cova da Música’ ao circuito musical africano da Amadora

Novo artigo de Pedro Varela, Otávio Raposo e Lígia Ferro, na Sociologia Problemas e Práticas

Resumo

As fronteiras geracionais são habitualmente apontadas como fatores de diferenciação social no que toca às práticas e construções de determinados géneros musicais e estilos de vida associados. A partir de uma pesquisa etnográfica realizada no bairro da Cova da Moura e noutros lugares do circuito musical africano da Amadora, protagonizado por imigrantes cabo-verdianos, concluímos que as sociabilidades e as trocas culturais entre artistas de várias gerações, muitas vezes estabelecidas a propósito da partilha de saberes relacionados com os usos das novas tecnologias, por um lado, e com a aprendizagem de instrumentos musicais, por outro, adquirem uma importância ímpar na construção das identidades sociais. Deste modo, salienta-se a centralidade da música nas trajetórias migrantes que se cruzam em vários espaços da Amadora.