CfP “Fronteiras, ativismos e (i)mobilidades: perspectivas estético-políticas” / “Borders, activisms and (i)mmobilities: aesthetic and political perspectives, Cadernos de Arte e Antropologia

Guest Editors: Bianca Freire-Medeiros (USP/Brazil), Fernanda da Costa Portugal Duarte (NCSU/USA), Guilhermo Aderaldo (UFPEL/Brazil)

Deadline: 30/06/2021

Accepted languages: Portuguese, English, Spanish and French.

Desde a primeira metade dos anos 2000, a “virada das mobilidades” tem interpelado a teoria social contemporânea a se voltar para o enredo da globalização como causa e efeito, tanto do incremento das várias formas de deslocamento humano (do refúgio ao turismo), quanto da aceleração vigiada dos fluxos de materialidades e signos. Neste sentido, uma miríade recente de estudos socio-antropológicos tem apontado que a promessa de um mundo sem fricção territorial produzida por entusiastas da mundialização, deu lugar à multiplicação de tecnologias “preventivas”, amparadas em discursos de (in)segurança. Em conjunto, transformaram as fronteiras em estruturas mais complexas e capilarizadas, as quais permitem a alguns circular por rotas protegidas, enquanto inviabilizam – ou tornam mais arriscada – a mobilidade de outros. 

Tais fronteiras são zonas liminares, geográficas e simbólicas, que implicam transformações subjetivas e políticas ao evidenciarem, por exemplo, o contraste que distingue “trabalhadores indocumentados” e “cidadãos”, ou “turistas” e “vagabundos”. Não se trata, portanto, de muros ou check points, necessariamente, mas de espaços, protocolos, códigos e práticas de normalização e diferenciação que se formam a partir das fricções que marcam os sistemas de desigualdades.

Nesse mundo de mobilidades e imobilidades, uma série de manifestações no campo do ativismo artístico/cultural ou da criação estética, tem se dedicado a atribuir visibilidade às estruturas ocultas, responsáveis pela manutenção das desigualdades subjacentes ao sistema hegemônico e que se expressam na multiplicação de fronteiras em diversas escalas. Experimentações envolvendo práticas como midiativismo, contracartografias, performances, engenharia reversa, entre outras, têm nos auxiliado a alterar o eixo cognitivo que organiza nossa percepção sobre os territórios que atravessam nossas vidas cotidianas, problematizando referenciais epistêmicos que tendemos, muitas vezes, a naturalizar.

Convidamos pesquisadores de distintas áreas disciplinares que, partindo destas questões e em diálogo com os estudos de mobilidade, venham colaborar com artigos e ensaios (áudio)visuais capazes de promover reflexões originais sobre a combinação entre espaços fronteiriços, ativismos artísticos/epistêmicos e (i)mobilidades. As submissões poderão colaborar com discussões relacionadas (mas não limitadas) aos tópicos que seguem:

•    Migrações e apropriações simbólicas das fronteiras nacionais
•    Experiências artístico-culturais em contextos de mobilidades turísticas, sobretudo em territórios sensíveis (favelas, periferias, zonas de conflito)
•    Contracartografias e deslocamentos cognitivos 
•    Financeirização da moradia, disputas fundiárias e litígios imagéticos sobre a cidade
•    Fluxos visuais em situações de vulnerabilidade extrema: (i)mobilidades durante a pandemia de covid-19
•    Métodos “móveis” e novas perspectivas epistêmicas sobre as formas estéticas e políticas subjacentes aos conflitos sociais contemporâneos;
•    Práticas culturais juvenis e insurgências nos espaços urbanos

Todas as contribuições devem ser submetidas pelo portal da revista Cadernos de Arte e Antropologia e estar em acordo com as regras para submissão de artigos definidas no portal (http://cadernosaa.revues.org/). Questões sobre a adequação potencial de tópicos, expectativas editoriais ou quaisquer outras perguntas relacionadas a este número especial podem ser dirigidas diretamente aos editores convidados, através do endereço de e-mail guiade@ymail.com.

Estéticas Afro-Diaspóricas em Portugal: O caso da Quinta do Mocho

16 de novembro, entre as 20h30 e 22h30

A exibição do documentário “Na Quinta com Kally” será o pretexto para uma discussão sobre a presença negra em Portugal, nomeadamente a influência artístico-cultural dos descendentes de imigrantes africanos. O encontro “Estéticas afro-diaspóricas em Portugal: o caso da Quinta do Mocho” será uma aula aberta da Unidade Curricular “Diásporas Africanas, Migrações e Direitos”, lecionada por Otávio Raposo no âmbito do Mestrado em Estudos Africanos do Centro de Estudos Internacionais do Iscte – Instituto Universitário de Lisboa, e contará com a participação de Kally Meru, Guia de Arte Urbana na Quinta do Mocho. Organização de Encontros sobre Experiências Migratórias.

Transmissão via zoom: https://videoconf-colibri.zoom.us/j/82791203377

É também possível assistir presencialmente [Iscte, Edif.II, Aud.B204] mediante inscrição para: observatorioemigracao@iscte-iul.pt (estão disponíveis 50 lugares, de acordo com orientações da DGS)

Sinopse do documentário “Na Quinta com Kally”

Todas as semanas, Kally e Ema percorrem as ruas da Quinta do Mocho para mostrar aos visitantes as obras da maior galeria de arte ao ar livre da Europa. O bairro, considerado “problemático” e “violento”, soube dar a volta aos estereótipos e tornou-se um exemplo da riqueza cultural das periferias de Lisboa. Aproveitando-se da boleia da arte urbana, os seus moradores são os principais responsáveis por esse processo de requalificação discursiva. São eles que impulsionam as visitas guiadas, compõem canções de intervenção e criam coletivos culturais que valorizam o bairro. As expressões artísticas nascidas no Mocho são “gritos de resistência” ao racismo, à precariedade laboral e às imagens mediáticas que o representam negativamente. O filme mostra como a vida de Kally, Ema e o filho está interligada com a reinvenção da Quinta do Mocho. Acompanhamos o quotidiano dessa família que, ao insistir em lutar por uma vida melhor, também afirma o bairro como um ativo celeiro de produção cultural.

Realização: Otávio Raposo
Montagem: Filipe Ferraz e Otávio Raposo
Pesquisa, filmagem e som: Otávio Raposo
Duração: 27 min.
Ano: 2019 

https://www.facebook.com/events/1164217110682422