Dossiê “Espaços, simbolismo e relações de poder”

Roberta Sampaio Guimarães organizou juntamente com Vanessa Marx o dossiê “Espaços, simbolismo e relações de poder“, na Revista Interseções, publicado em Dezembro de 2020.

Resumo: O Dossiê “Espaços, simbolismos e relações de poder” é composto por sete textos que debatem os processos de produção e simbolização dos espaços, sejam eles classificados como urbano, rural, popular, étnico-racial, de gênero etc. Com o objetivo de intercruzar olhares e fomentar um amplo diálogo, selecionamos pesquisas realizadas em Lisboa, Buenos Aires, Cariri cearense, São Paulo, Curitiba, Porto Alegre e Rio de Janeiro. O resultado foi a formação de um corpo de artigos que analisa traços marcantes do tempo presente, como a crescente mercantilização dos espaços, a onda de políticas governamentais de viés conservador e a disseminação de iniciativas de reconhecimento de memórias coletivas. Foram ainda observados como indivíduos e coletividades percebem os locais que habitam, quais ações impetram para garantir seus interesses ou provocar mudanças na ordem social e como determinadas intervenções reificam ou desestabilizam ordenamentos territoriais, diferenças culturais e desigualdades sociais. A partir dos textos, desenhamos um itinerário de leitura dividido em dois grandes eixos. O primeiro composto por análises que privilegiam a compreensão dos processos de financeirização e explorações fundiária, imobiliária, turística e securitária, bem como a operação da máquina política e burocrática do Estado pelos entes privados e seus interesses. E o segundo com estudos que se voltam de forma mais acentuada para o entendimento dos dissensos e conflitos em torno dos modos de ocupação dos espaços e dos pleitos de reconhecimento social de segmentos subalternizados e minoritários.

Artigos:
Intervenções, regulações e contestações – Olhares sobre as cidades contemporâneas (Apresentação), Roberta Guimarães, Vanessa Marx

Construindo a paisagem: arquitetura, meio ambiente e poder em um Rio de Janeiro em expansão, Rachel Paterman

Ordenar la casa – Securitización, jerarquización y regulación del espacio urbano en la política de Cambiemos en La Plata (2015-2019), Ramiro Segura, Joaquín Vélez

Migrações e Diversidade na Cidade Empreendedora: Definindo o cenário para os novos imaginários urbanos, Nuno Oliveira

O “direito à cidade” enquanto categoria em disputa: uma análise dos conflitos políticos em torno dos usos cotidianos da Praça Roosevelt, em São Paulo, André de Pieri Pimentel

Problemas de patrimônio como problemas de gênero: disjunções entre feminismo e cultura popular na Festa de Santo Antônio em Barbalha (CE) Roberto Marques

Arte Vida: Itinerários de arte indígena nas cidades contemporâneas, Ana Elisa de Castro Freitas

Novo site da Panoramas Urbanos – Extensão

Urpi Uriarte faz parte deste projeto de extensão e enviou-nos a seguinte mensagem, relativa a 15 de setembro de 2020, que reproduzimos:

Nós, PANORAMAS URBANOS-EXTENSÃO, temos a imensa satisfação de lançar, hoje, o NOSSO SITE. Trata-se de um trabalho que nasce a partir da disciplina ACCS FCHL68 “Habitar Casarões Ocupados no Centro”, ofertada desde 2018.1 na Universidade Federal da Bahia, que nos permitiu trabalhar com os movimentos MSTB, AMACH e Centro Cultural “Que Ladeira É Essa?”, do centro de Salvador, buscando ser uma ponte entre universidade e sociedade. Com o intuito de divulgar suas lutas e pontos de vista dos habitantes, produzimos nossa plataforma digital panoramasurbanos.com.br, na qual disponibilizamos os trabalhos coletivos produzidos nos últimos 2 anos. Ela está disponível a partir de hoje, 15 de setembro e, por enquanto, a visualização dos mapas funcionará apenas para computador. Deixamos nossas portas virtuais abertas para a interatividade com os trabalhos, assim como, para qualquer contribuição, comentários ou sugestões. Aproveitem!

https://www.panoramasurbanos.com.br/

Mercado imobiliário, neoliberalismo e Covid-19: a crise vista pelos olhos da “oportunidade”

Artigo publicado no Boletim 64 | Cientistas Sociais e o Coronavírus – Semanas 12 e 13, por João Paulo Macedo e Castro e Roberta Sampaio Guimarães, aqui.

O tema do boletim n.64 gira em torno da habitação. Os autores tratam da forma como o mercado imobiliário e a construção civil operam no sistema neoliberal, apontando para as atualizações e adaptações destes setores frente a crise sanitária, expressas pela exploração dos trabalhadores, incentivo à competitividade e intensificação de modelos habitacionais segregados.

Encontros com Licia do Prado Valladares: biografia, trajetória acadêmica e reflexões metodológicas sobre o seu trabalho de campo na Rocinha em 1967-1968

A Revista Antropolítica publicou o artigo Encontros com Licia do Prado Valladares 2019: biografia, trajetória acadêmica e reflexões metodológicas sobre o seu trabalho de campo na Rocinha em 1967-1968, com a participação das nossas parceiras Juliana Blasi Cunha e Wania Mesquita, em co-autoria com Lícia do Prado Valladares e Luciane Soares da Silva. É um momento para refletir sobre os terrenos etnográficos nas favelas, sobre trajetórias profissionais dos etnógrafos urbanos e, sem dúvida, um documento útil a todas nós.