Aula Aberta: Etnografia urbana em Portugal. Interações e interseções disciplinares em perspetiva

Etnografia urbana em Portugal. Interações e interseções disciplinares em perspetiva
A conferência com a professora e investigadora Graça Cordeiro do ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa, irá realizar-se no âmbito da UC de Etnografia Urbana e Desenvolvimento Comunitário do Mestrado em Sociologia da FLUP no dia 16 de março, pelas 10h, na sala 311 da FLUP e online. A conferência é organizada pela investigadora Lígia Ferro. 

https://videoconf-colibri.zoom.us/j/81007055373
ID da reunião: 810 0705 5373
Senha de acesso: 328157 

Licia do Prado Valladares | nota de pesar

A Rede ETNO.URB lamenta o falecimento de Licia do Prado Valladares. Podem encontrar aqui uma boa síntese feita por Bianca Freire-Medeiros (USP) da sua vida plural, rica e com influência em tantas e tantos de nós.

Entre tantos contributos, o livro A Invenção da Favela é uma das suas escritas incontornáveis para pensar e repensar a pobreza urbana e o agenciamento, a produção das narrativas académicas, e muito mais.

Mini-ciclo de documentários 12, 13 e 14 Outubro 18h Iscte | Aulas abertas Pesquisa de Terreno

feito por Sofia Rocha

A Unidade Curricular Pesquisa de Terreno, coordenada por Graça Cordeiro e lecionada por Graça Cordeiro e por Rita Cachado, tem o prazer de apresentar, em conjunto com a Etno.Urb, o mini-ciclo de documentários no âmbito da sessão 3. O ciclo é aberto à comunidade. Depois do visionamento, haverá um espaço de debate com alunos e outras pessoas presentes.

SESSÃO DE LEITURAS ETNO.URB “CORPO E ALMA. NOTAS ETNOGRÁFICAS SOBRE UM APRENDIZ DE BOXE”

Além da dinamização da leitura do clássico texto de Wacquant, particularmente da secção “The Street and the Ring” (pp. 13-40, versão inglesa), Otávio Raposo apresenta o seu documentário “A Galera”.

Sinopse de A GALERA

Era na Maré que viviam e ensaiavam os dançarinos de um importante grupo de break dance do Rio de Janeiro. Os jovens reuniam-se numa antiga fábrica abandonada, a Tecno, onde criavam performances e sociabilidades que os unificavam em torno de um mesmo coletivo. Tornar-se um b-boy ou uma b-girl tinha um significado especial na sua vida. Através dessa nova identidade, obtinham respeito e visibilidade e contrariavam as imagens estigmatizantes a que eram frequentemente associados por morarem em favelas. Ao circularem por outras regiões da cidade para participar de campeonatos de break dance projetavam com orgulho a imagem do bairro, reafirmando que os seus moradores também tinham qualidades. Ao percorrer ruas e vielas de um aglomerado de dezasseis favelas, entramos nas suas casas, participamos das suas festas, visitamos os seus locais de trabalho e somos apresentados às suas famílias. Este é o cenário da galera do break da Maré.

Encontros com Licia do Prado Valladares: biografia, trajetória acadêmica e reflexões metodológicas sobre o seu trabalho de campo na Rocinha em 1967-1968

A Revista Antropolítica publicou o artigo Encontros com Licia do Prado Valladares 2019: biografia, trajetória acadêmica e reflexões metodológicas sobre o seu trabalho de campo na Rocinha em 1967-1968, com a participação das nossas parceiras Juliana Blasi Cunha e Wania Mesquita, em co-autoria com Lícia do Prado Valladares e Luciane Soares da Silva. É um momento para refletir sobre os terrenos etnográficos nas favelas, sobre trajetórias profissionais dos etnógrafos urbanos e, sem dúvida, um documento útil a todas nós. 

 

 

Uma leitura de Utopia Urbana

ISCTE-IUL, 26 de Setembro de 2018

A primeira sessão Leituras ETNO.URB, dedicada à obra Utopia Urbana de Gilberto Velho, foi animada por Julia O’Donnell, por Renata Gonçalves e por Alessandra Barreto. A sala encheu com a presença da turma de Antropologia Urbana lecionada por Graça Cordeiro no ISCTE-IUL, e ainda com amigos e colegas fãs da obra de Gilberto Velho, ou recém-chegados à sua leitura. Entre outras coisas, sublinharam-se as vantagens metodológicas do livro, o seu enquadramento histórico a várias escalas – do Brasil, da cidade do Rio de Janeiro, da zona de Copacabana, e ainda o contexto histórico específico da antropologia urbana e o papel central do autor para o seu estabelecimento. 

 

Dossiê Etnografias Urbanas

No mais recente número da Etnográfica foi publicado o dossiê Etnografias Urbanas, organizado por Lígia Ferro e Renata Sá Gonçalves, com uma introdução e três magníficos artigos de Simão Mata e Luís Fernandes, intitulado Questões metodológicas de uma revisitação a territórios psicotrópicos do Porto; Miquel Fernández González, Maribel Cadenas Álvarez e Thomas Purcell com o artigo Urbanismo utópico, realidades distópicas: una etnografía (im)posible en Yachay, “ciudad del conocimiento”; Juan Pujadas com o artigo Etnografía móvil, entre el sombreado y el acompañamiento: notas a partir del estudio de la movilidad cotidiana en la Región Metropolitana de Barcelona (RMB).

A Rua. Espaço, Tempo, Sociabilidade.

A Rua. Espaço, Tempo, Sociabilidade é um livro organizado por Graça Cordeiro e Frédéric Vidal, editado em 2008 na Livros Horizonte. O livro resultou do projecto A Cidade e a Rua: Uma Aproximação Etnográfica à Vida Urbana (2005-2008).

Com artigos de: Graça Cordeiro e Frédéric Vidal, Michel Agier, Maurizio Gribaudi, Tim Sieber, Frédéric Vidal, Susana Durão, João Pedro Nunes e Luís Baptista, Monica Farina, Rita Cachado, Joan Pujadas, Fátima Sá e Melo Ferreira, Yves Lequin.

Resumo: A rua como lugar estratégico para a observação da vida urbana é o tema central deste livro. A proposta é: procurar diferentes aproximações a esta realidade complexa a partir do olhar da antropologia, da história, da sociologia e da arquitectura, em contextos geográficos e temporais distintos. A rua condensa e viabiliza todo um imaginário feito de discursos e imagens, de memórias e emoções, que atravessam e elaboram simbolicamente a cidade naquilo que ela tem de mais original. Espaço, tempo e sociabilidade são três tópicos da presente colectânea. Na Paris popular oitocentista, nos actuais campos de refugiados ou na Lisboa dos séculos XIX e XX, vamos ao encontro do lugar da rua.

Bairros: contexto e intersecção

Referência completa:

CORDEIRO, Graça Índias e António Firmino da Costa, 1999. “Bairros: contexto e intersecção”. In VELHO, Gilberto (org.), Antropologia urbana. Cultura e sociedade no Brasil e em Portugal, Rio de Janeiro, Zahar Editor: 58-79

 

Um texto importante para dar conta de um conceito sobejamente abordado pelos praticantes de etnografia urbana, o bairro. Neste artigo, os autores propõem uma definição (v. página 61) e exploram como a noção de bairro tem sido usada no contexto português.

Antropologia urbana entre a tradição e a prática

Referência completa:

CORDEIRO, Graça Índias, 2003. “A antropologia urbana entre a tradição e a prática”. In Cordeiro, Graça Índias, Luís V. Baptista e António F. da Costa (Org.), Etnografias Urbanas, Oeiras, Celta: 3-32

Um texto central sobre uma história da antropologia urbana e dos seus contextos de estudo. Na secção final do texto a autora fornece um panorama do contexto português até à data de publicação.

 

Cidades em mudança: processos participativos em Portugal e no Brasil (2016-2018)

O projeto “Cidades em mudança: processos participativos em Portugal e no Brasil” visa a consolidação de rede internacional de colaboração entre ambas as equipes em torno de pesquisas etnográfica sobre modalidades de participação social coletiva em cidades portuguesas e brasileiras.

Esta iniciativa de intercâmbio luso-brasileiro vincula-se a dois programas de doutoramento: Estudos Urbanos (FCSH-UNL e ISCTE-IUL) e Programa Pós-graduação Antropologia (PPGA/UFF). O objetivo é analisar a diversidade de formas e práticas de participação urbana e o modo como se renovam e mobilizam recursos políticos, culturais, organizativos, económicos, laborais. Esta pesquisa deseja, ainda, chamar a atenção para atividades que constituem cenários de exibição, visibilidade e disputa no espaço público urbano, desafiando para uma reflexão científica na formação avançada, mas também na divulgação do debate público sobre diferentes realidades com um potencial de comparabilidade e aprendizagem de boas práticas muito promissor.

Coordenação: Renata de Sá GonçalvesPrograma de Pós-graduação em Antropologia / Universidade Federal Fluminense e Graça CordeiroCentro de Investigação e Estudos de SociologiaInstituto Universitário de Lisboa

Projeto de cooperação aprovado no âmbito do Edital 039/2014 do Programa CAPES-FCT. Processo 8368-14-7.

Links: No Website do CIESNo Website Na Rua