Mini-ciclo de documentários 12, 13 e 14 Outubro 18h Iscte | Aulas abertas Pesquisa de Terreno

feito por Sofia Rocha

A Unidade Curricular Pesquisa de Terreno, coordenada por Graça Cordeiro e lecionada por Graça Cordeiro e por Rita Cachado, tem o prazer de apresentar, em conjunto com a Etno.Urb, o mini-ciclo de documentários no âmbito da sessão 3. O ciclo é aberto à comunidade. Depois do visionamento, haverá um espaço de debate com alunos e outras pessoas presentes.

Estéticas Afro-Diaspóricas em Portugal: O caso da Quinta do Mocho

16 de novembro, entre as 20h30 e 22h30

A exibição do documentário “Na Quinta com Kally” será o pretexto para uma discussão sobre a presença negra em Portugal, nomeadamente a influência artístico-cultural dos descendentes de imigrantes africanos. O encontro “Estéticas afro-diaspóricas em Portugal: o caso da Quinta do Mocho” será uma aula aberta da Unidade Curricular “Diásporas Africanas, Migrações e Direitos”, lecionada por Otávio Raposo no âmbito do Mestrado em Estudos Africanos do Centro de Estudos Internacionais do Iscte – Instituto Universitário de Lisboa, e contará com a participação de Kally Meru, Guia de Arte Urbana na Quinta do Mocho. Organização de Encontros sobre Experiências Migratórias.

Transmissão via zoom: https://videoconf-colibri.zoom.us/j/82791203377

É também possível assistir presencialmente [Iscte, Edif.II, Aud.B204] mediante inscrição para: observatorioemigracao@iscte-iul.pt (estão disponíveis 50 lugares, de acordo com orientações da DGS)

Sinopse do documentário “Na Quinta com Kally”

Todas as semanas, Kally e Ema percorrem as ruas da Quinta do Mocho para mostrar aos visitantes as obras da maior galeria de arte ao ar livre da Europa. O bairro, considerado “problemático” e “violento”, soube dar a volta aos estereótipos e tornou-se um exemplo da riqueza cultural das periferias de Lisboa. Aproveitando-se da boleia da arte urbana, os seus moradores são os principais responsáveis por esse processo de requalificação discursiva. São eles que impulsionam as visitas guiadas, compõem canções de intervenção e criam coletivos culturais que valorizam o bairro. As expressões artísticas nascidas no Mocho são “gritos de resistência” ao racismo, à precariedade laboral e às imagens mediáticas que o representam negativamente. O filme mostra como a vida de Kally, Ema e o filho está interligada com a reinvenção da Quinta do Mocho. Acompanhamos o quotidiano dessa família que, ao insistir em lutar por uma vida melhor, também afirma o bairro como um ativo celeiro de produção cultural.

Realização: Otávio Raposo
Montagem: Filipe Ferraz e Otávio Raposo
Pesquisa, filmagem e som: Otávio Raposo
Duração: 27 min.
Ano: 2019 

https://www.facebook.com/events/1164217110682422

SESSÃO DE LEITURAS ETNO.URB “CORPO E ALMA. NOTAS ETNOGRÁFICAS SOBRE UM APRENDIZ DE BOXE”

Além da dinamização da leitura do clássico texto de Wacquant, particularmente da secção “The Street and the Ring” (pp. 13-40, versão inglesa), Otávio Raposo apresenta o seu documentário “A Galera”.

Sinopse de A GALERA

Era na Maré que viviam e ensaiavam os dançarinos de um importante grupo de break dance do Rio de Janeiro. Os jovens reuniam-se numa antiga fábrica abandonada, a Tecno, onde criavam performances e sociabilidades que os unificavam em torno de um mesmo coletivo. Tornar-se um b-boy ou uma b-girl tinha um significado especial na sua vida. Através dessa nova identidade, obtinham respeito e visibilidade e contrariavam as imagens estigmatizantes a que eram frequentemente associados por morarem em favelas. Ao circularem por outras regiões da cidade para participar de campeonatos de break dance projetavam com orgulho a imagem do bairro, reafirmando que os seus moradores também tinham qualidades. Ao percorrer ruas e vielas de um aglomerado de dezasseis favelas, entramos nas suas casas, participamos das suas festas, visitamos os seus locais de trabalho e somos apresentados às suas famílias. Este é o cenário da galera do break da Maré.

Call for Entries – Urban Audiovisual Festival 2020

 

A Call for Entries do Urban Audiovisual Festival está aberta até 16 de dezembro e o evento é organizado por Manuel Garcia-Ruiz, Henrique Chaves, Bruna França de Pontes e Maria Runkel Cardoso. Na comissão científica estão também as membros Inês Pereira, a Lígia Ferro, a Patrícia Pereira e a Rita Cachado.

Texto da Chamada

O que acontece quando o sol cai?

A noite tem sido uma daquelas fronteiras invisíveis ao longo da história. Para muitos, representa o oposto do dia, para outros, a sua continuidade, para outros, a origem do todo. É, sem dúvida, um momento cheio de controvérsias, de imaginário, de desconhecido, mas também de oportunidades, trabalho e necessidades.

Quando pensamos em noite e cidade, é quase impossível não imaginar os neons e painéis exteriores de Las Vegas ou de Hong Kong ou de qualquer outro centro urbano. A luz elétrica revolucionou o espaço nocturno, expelindo a escuridão das ruas e, com ela, muitos personagens da noite. A cidade iluminada melhorou a circulação “depois de horas” de pessoas, carros e mercadorias, reduzindo riscos e acidentes, mas ao mesmo tempo criando novas sombras, e lugares para aqueles que não deveriam ser vistos durante o dia.

A cidade de 24 horas não dorme, é uma atividade constante, um fluxo contínuo de serviços e pessoas. Os profissionais de saúde, como médicos e enfermeiros, ficam em vigília para cuidar de um mundo exposto a constantes acidentes, doenças e emergências; bombeiros e policiais estão sempre em guarda para ajudar em caso de imprevistos … há muitos heróis que vivem na noite, heróis reais que não usam máscara nem capa.

Há muitas profissões que são desenvolvidas durante as horas de sono, como coletores de lixo, recepcionistas de hotel, transportistas, padeiros … há muitos que vivem de cabeça para baixo para que possamos ter as nossas ruas limpas, as nossas contas prontas, a nossa correspondência na caixa de correio ou o nosso pão ao pequeno almoço. Porém, como essas profissões, existem outras que trabalham nas sombras criadas entre postes de iluminação, algumas bem-vistas, como o pessoal de entrega de comida para os sem teto; outras, estigmatizadas, como os profissionais do sexo. A noite ainda é o outro lado de uma sociedade de contrastes.

A noite é, igualmente, o reino dos gatos pardos, aqueles que buscam o anonimato para viver suas fantasias, ou para cometer crimes atrozes. A noite é um momento desconectado que aproveita o sonho de muitos para criar cenários de ação, entretenimento ou fuga, ao som do karaokê, de sapato de plataforma e maquilhagem, ou com o vazio de um disparo.

 Não devemos esquecermos todos aqueles que mexem com o sofrimento, próprio ou de outrem, com as adições, com o desamparo, e a dor. A noite parece cobrir e desmascarar ao mesmo tempo a aqueles que moram nas margens de nossa sociedade. Os monstros dos irmãos Grimm continuam nos nossos dias, mas com outras caras. 

Por outro lado, a noite é também um momento festivo, de encontro e de socialização. Seja num bar, boate, festival ou festival de arte, as pessoas saem às ruas para se encontrar num ambiente diferente, construir memórias, encontrar novas pessoas ou até mesmo amar.

A noite é um espaço de possibilidades, de silêncio e esquecimento. O que acontece durante a noite, não tem que continuar depois do amanhecer. Falamos de momentos de continuidade e descontinuidade na cidade contemporânea, e seus retratos são especialmente bem vindos.

Convidamos a submissão de trabalhos que de alguma forma abordem a noite, num múltiplos rostos, que retrate o que acontece quando dormimos, que dá voz àqueles que não vemos quando moramos numa outra hora, … trabalhos que coloque a noite, no centro dos nossos olhares.