Seminário “A cidade pelos comerciantes: práticas e projetos de vida no Porto e em Lisboa”

Daphne Cordeiro (UFF) e Priscilla Santos (FLUP) apresentarão as suas pesquisas em Lisboa e Porto, contando com a presença de Luís Baptista, da Universidade Nova de Lisboa, como debatedor. O evento é organizado pelo Grupo de Estudos de Antropologia da Cidade (GEAC) e terá a condução de Heitor Frúgoli. O seminário acontecerá dia 16/09 às 15 horas (horário de Portugal) no link: https://linktr.ee/geac

Resumo do Evento:  A partir de duas experiências de pesquisa acerca dos comércios e comerciantes na zona do Chiado, em Lisboa, e do Bonfim, no Porto, Portugal, pretende-se discutir como as noções de tradição e identidade são mobilizadas estrategicamente de diferentes maneiras pelos projetos de marketing de cidade do poder público e pelos atores sociais, como os comerciantes, engendrando possíveis ambivalências e negociações. Propõe-se pensar esses conceitos enquanto construções locais a partir do contexto da globalização.

image.png

Livro: Disputas em torno do espaço urbano: processos de [re]produção/construção e apropriação da cidade

O livro Disputas em torno do espaço urbano: processos de [re]produção/construção e apropriação da cidade, organizado por John Gledhill, Maria Gabriela Hitta e Mariano Perelman, conta com um capítulo de Heitor Frúgoli Jr., intitulado “Territorialidades móveis em áreas populares: a região da Luz, na área central de São Paulo” e um capítulo de Urpi Uriarte, intitulado “Boleros e espíritos na Praça da Piedade, centro de Salvador”, entre outros, não deixe de consultar, está totalmente disponível.

Captação de écrã da capa do livro

Legado olímpico, quatro anos depois: entre promessas e ruínas. Seminário d’O Urbano – Laboratório de Estudos da Cidade da UFRJ de 1 a 22 de setembro, online

O Urbano – Laboratório de Estudos da Cidade da UFRJ – convida a todos e todas para o seminário “Legado olímpico, quatro anos depois: entre promessas e ruínas” que será realizado entre os dias 1 e 22 de setembro de forma remota, no Google Meet.

A partir de um olhar retrospectivo em relação ao período de preparação do Rio de Janeiro para receber os Jogos Olímpicos de 2016, o objetivo do seminário é construir debates sobre modelos de gestão urbana e seus impactos no território.

A discussão em torno do chamado “legado olímpico” visa suscitar reflexões acerca das dinâmicas atuais de territórios, como Zona Portuária, Barra da Tijuca, Deodoro e Madureira. Além disso, pretende-se pensar coletivamente processos sociais importantes, como as remoções de favelas e a financeirização da terra urbana.

O seminário contará com a presença de pesquisadores, moradores dos territórios e ativistas de movimentos sociais de forma a abarcar diferentes vivências e pontos de vista sobre o processo de produção da cidade olímpica.

Link para inscrição: https://forms.gle/mxsydcreYJXu2Fbw7

Call for Entries – Urban Audiovisual Festival 2020

 

A Call for Entries do Urban Audiovisual Festival está aberta até 16 de dezembro e o evento é organizado por Manuel Garcia-Ruiz, Henrique Chaves, Bruna França de Pontes e Maria Runkel Cardoso. Na comissão científica estão também as membros Inês Pereira, a Lígia Ferro, a Patrícia Pereira e a Rita Cachado.

Texto da Chamada

O que acontece quando o sol cai?

A noite tem sido uma daquelas fronteiras invisíveis ao longo da história. Para muitos, representa o oposto do dia, para outros, a sua continuidade, para outros, a origem do todo. É, sem dúvida, um momento cheio de controvérsias, de imaginário, de desconhecido, mas também de oportunidades, trabalho e necessidades.

Quando pensamos em noite e cidade, é quase impossível não imaginar os neons e painéis exteriores de Las Vegas ou de Hong Kong ou de qualquer outro centro urbano. A luz elétrica revolucionou o espaço nocturno, expelindo a escuridão das ruas e, com ela, muitos personagens da noite. A cidade iluminada melhorou a circulação “depois de horas” de pessoas, carros e mercadorias, reduzindo riscos e acidentes, mas ao mesmo tempo criando novas sombras, e lugares para aqueles que não deveriam ser vistos durante o dia.

A cidade de 24 horas não dorme, é uma atividade constante, um fluxo contínuo de serviços e pessoas. Os profissionais de saúde, como médicos e enfermeiros, ficam em vigília para cuidar de um mundo exposto a constantes acidentes, doenças e emergências; bombeiros e policiais estão sempre em guarda para ajudar em caso de imprevistos … há muitos heróis que vivem na noite, heróis reais que não usam máscara nem capa.

Há muitas profissões que são desenvolvidas durante as horas de sono, como coletores de lixo, recepcionistas de hotel, transportistas, padeiros … há muitos que vivem de cabeça para baixo para que possamos ter as nossas ruas limpas, as nossas contas prontas, a nossa correspondência na caixa de correio ou o nosso pão ao pequeno almoço. Porém, como essas profissões, existem outras que trabalham nas sombras criadas entre postes de iluminação, algumas bem-vistas, como o pessoal de entrega de comida para os sem teto; outras, estigmatizadas, como os profissionais do sexo. A noite ainda é o outro lado de uma sociedade de contrastes.

A noite é, igualmente, o reino dos gatos pardos, aqueles que buscam o anonimato para viver suas fantasias, ou para cometer crimes atrozes. A noite é um momento desconectado que aproveita o sonho de muitos para criar cenários de ação, entretenimento ou fuga, ao som do karaokê, de sapato de plataforma e maquilhagem, ou com o vazio de um disparo.

 Não devemos esquecermos todos aqueles que mexem com o sofrimento, próprio ou de outrem, com as adições, com o desamparo, e a dor. A noite parece cobrir e desmascarar ao mesmo tempo a aqueles que moram nas margens de nossa sociedade. Os monstros dos irmãos Grimm continuam nos nossos dias, mas com outras caras. 

Por outro lado, a noite é também um momento festivo, de encontro e de socialização. Seja num bar, boate, festival ou festival de arte, as pessoas saem às ruas para se encontrar num ambiente diferente, construir memórias, encontrar novas pessoas ou até mesmo amar.

A noite é um espaço de possibilidades, de silêncio e esquecimento. O que acontece durante a noite, não tem que continuar depois do amanhecer. Falamos de momentos de continuidade e descontinuidade na cidade contemporânea, e seus retratos são especialmente bem vindos.

Convidamos a submissão de trabalhos que de alguma forma abordem a noite, num múltiplos rostos, que retrate o que acontece quando dormimos, que dá voz àqueles que não vemos quando moramos numa outra hora, … trabalhos que coloque a noite, no centro dos nossos olhares.

Bairros: contexto e intersecção

Referência completa:

CORDEIRO, Graça Índias e António Firmino da Costa, 1999. “Bairros: contexto e intersecção”. In VELHO, Gilberto (org.), Antropologia urbana. Cultura e sociedade no Brasil e em Portugal, Rio de Janeiro, Zahar Editor: 58-79

 

Um texto importante para dar conta de um conceito sobejamente abordado pelos praticantes de etnografia urbana, o bairro. Neste artigo, os autores propõem uma definição (v. página 61) e exploram como a noção de bairro tem sido usada no contexto português.

Cidades em mudança: processos participativos em Portugal e no Brasil (2016-2018)

O projeto “Cidades em mudança: processos participativos em Portugal e no Brasil” visa a consolidação de rede internacional de colaboração entre ambas as equipes em torno de pesquisas etnográfica sobre modalidades de participação social coletiva em cidades portuguesas e brasileiras.

Esta iniciativa de intercâmbio luso-brasileiro vincula-se a dois programas de doutoramento: Estudos Urbanos (FCSH-UNL e ISCTE-IUL) e Programa Pós-graduação Antropologia (PPGA/UFF). O objetivo é analisar a diversidade de formas e práticas de participação urbana e o modo como se renovam e mobilizam recursos políticos, culturais, organizativos, económicos, laborais. Esta pesquisa deseja, ainda, chamar a atenção para atividades que constituem cenários de exibição, visibilidade e disputa no espaço público urbano, desafiando para uma reflexão científica na formação avançada, mas também na divulgação do debate público sobre diferentes realidades com um potencial de comparabilidade e aprendizagem de boas práticas muito promissor.

Coordenação: Renata de Sá GonçalvesPrograma de Pós-graduação em Antropologia / Universidade Federal Fluminense e Graça CordeiroCentro de Investigação e Estudos de SociologiaInstituto Universitário de Lisboa

Projeto de cooperação aprovado no âmbito do Edital 039/2014 do Programa CAPES-FCT. Processo 8368-14-7.

Links: No Website do CIESNo Website Na Rua

City. Analysis of urban trends, culture, theory, policy, action. Novo número

A revista City publicou recentemente um novo número, com vários artigos que mobilizam a etnografia urbana.

Editorial: From margins to centres …
Andrea Gibbons

LIFE in a ZOO. Henri Lefebvre and the (social) production of (abstract) space in Liverpool
Matthew Thompson

Special Feature: The city and its margins: Ethnographic challenges across makeshift urbanism
Introduction
Tatiana Thieme, Michele Lancione & Elisabetta Rosa

Going in, out, through. A dialogue around long skirts, fried chips, frozen shacks and the makeshifts of ethnography
Michele Lancione & Elisabetta Rosa

The margins ‘in-between’. A case of multimodal ethnography
Silvia Aru, Maurizio Memoli & Matteo Puttilli

Urban ethnography and the margins at the centre. An account from Shenzhen, South China
Tung-Yi Kho

Showing ‘heart’ through ethnography. Ethical entanglements in a Ugandan marketplace
William Monteith

Space as method. Field sites and encounters in Beijing’s green belts
Yimin Zhao

‘Journeys of the I and we’. Theorizing the ethnographic encounter over time
Kavita Ramakrishnan

Navigating and negotiating ethnographies of urban hustle in Nairobi slums
Tatiana Thieme

Discussion. Start-ups and the entrepreneurial city
Donald McNeill

Book review. The spaces that anti-blackness makes
Ted Rutland

Book review. It matters who is walking. Exploring quotidian mobilities in cities
Andrea Gibbons

CFP Número Temático: Juventud, participación y experiencias en la ciudad

Kultur (Vol. 5. Núm. 9, 2018): Juventud, participación y experiencias en la ciudad

Sección Monográfica: Juventud, participación y experiencias en la ciudad
Coords: David Poveda, Universidad Autónoma de Madrid / Lígia Ferro, Universidade do Porto

Presentación
Este número especial centra su atención en investigaciones que ponen la mirada en cómo los jóvenes experimentan y actúan sobre los espacios urbanos en los que viven, recreándolos y construyendo las ciudades contemporáneas. Nos interesan especialmente trabajos que exploren el uso de metodologías participativas y nuevas formas de documentar y realizar investigación con/sobre jóvenes y adolescentes en la ciudad. Entre estas formas de trabajo se incluyen proyectos de investigación acción-participativa, metodologías visuales, multimodales y sensoriales y/o el uso de recursos digitales. También tienen lugar en el monográfico trabajos de corte cualitativo y/o etnográfico que pongan en el centro del análisis las experiencias y voces de adolescentes y jóvenes en contextos urbanos.

Buscamos trabajos que capturen una diversidad de condicionantes sociales, económicos, culturales e institucionales de la juventud y adolescencia contemporánea. Por ello, en la selección se prestará especial atención a la diversidad geográfica y cultural representada en el conjunto de trabajos. Igualmente, proponemos una mirada teórico-metodológica al cruce juventud-ciudad eminentemente interdisciplinar y estamos abiertos a contribuciones desde la Psicología, Sociología, Antropología, Pedagogía, Geografía, Historia, Lingüística, Artes y Humanidades, entre otras disciplinas, así como (y especialmente) al diálogo entre varias de éstas.

Posibles líneas temáticas
Juventud y espacio público urbano
Jóvenes construyendo culturas urbanas
Espacios institucionales y extra-escolares para/de la juventud
Migraciones, juventud e inclusión/exclusión urbanas
Exclusión y políticas sociales sobre juventud y ciudad
Género, clase social, etnia como dimensiones de las experiencias de la juventud urbana
Metodología colaborativa-participativa
Metodologías audio-visual, multimodal y sensorial
Metodología etnográfica

Fechas e instrucciones
Fecha límite de presentación de originales para todas las secciones: 1 de diciembre de 2017
Fecha de publicación: segundo trimestre 2018
Los autores interesados pueden presentar propuestas de participación para las diferentes secciones de Kult-ur, Revista interdisciplinària sobre la cultura de la ciutat siguiendo las pautas especificadas en: http://www.e-revistes.uji.es/index.php/kult-ur/about/submissions
Procedimiento de presentación de originales a través de la plataforma ojs de publicación de la revista (previo registro de usuario): http://www.e-revistes.uji.es/index.php/kult-ur/login
+Información: David Poveda (david.poveda@uam.es) / Ligia Ferro (ferro@letras.up.pt)