Chamada para apresentações até 20 de março 2023

Divulgamos a chamada da XIV Reunião de Antropologia do Mercosul, que ocorrerá entre os dias 1 e 4 de agosto na Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, RJ. E também para convidá-los a enviar seus resumos para o GT3: Água e Energia na Antropologia: sobre usos, arranjos sociotécnicos e intersecções entre saber e poder. O Gt está sendo organizado por Júlia O’Donnell (UFRJ), Ana Spivak L’Hoste (CONICET-IDES) e por Camila Pierobon (SDSU e ResiduaLab/UERJ) e os resumos podem ser enviados até 20 de março em português e espanhol. As cidades são particularmente afetadas por essa questão, desde o acesso, às cheias, os efeitos das secas, entre outros.

Resumo:

A água e a energia são bens vitais e essenciais para o desenvolvimento da vida social. Porém, o acesso, os usos e suas imbricações em atividades produtivas marcam importantes diferenças em termos históricos e geográficos, mas também culturais, de classe social, de gênero e raça. Nesse sentido, os estudos da água e da energia, independentemente ou em relação, vêm ganhando cada vez mais espaço na Antropologia. Diferentes autores chamam atenção para a multiplicidade das águas, desnaturalizando uma visão universalizante sobre os seus sentidos. Outros têm se comprometido com questões sobre a produção de energia, sobre as políticas energéticas, sobre resistências e sobre as intersecções entre energia e poder. Em diálogo com essa produção, o GT se propõe a discutir diferentes formas de manejo da água e do uso da energia em contextos latino-americanos. A intenção é avançar a reflexão sobre, por um lado, a água e a energia como partes essenciais da produção da vida e, por outro, como inseridas em relações de saber-poder por meio padronizações, cálculos e métricas que entram em conflito com outras ontologias e cosmologias, engendrando disputas que envolvem as commodities, o estado e as comunidades. Serão bem vindos trabalhos que reflitam sobre problemas gerados pelo acesso desigual à água e à energia, sobre os usos, sobre arranjos sociotécnicos que envolvem esses recursos e sobre as infraestruturas, dentre outras abordagens que dialoguem com esse campo analítico em expansão.

COMBART – Conferência Internacional sobre Arte, Ativismo e Cidadania.

COMBART 2023- 3, 4 E 5 DE JULHO: “PRECARITIES, RESISTANCES AND EXISTENCES”
NOVA FCSH, COLÉGIO ALMADA NEGREIROS, LISBOA

A conferência COMbART tem-se constituído, ao longo dos últimos anos, como um fórum de discussão em torno das práticas criativas e artísticas engajadas. Entendemos que a arte, a cultura, bem como um conjunto de outras práticas criativas não enquadradas nestas categorias, podem constituir-se como campos expressivos com um papel relevante na forma como se constrói a cidadania na contemporaneidade.

A quarta conferência internacional COMbART é o resultado de um consórcio constituído por diferentes entidades. A organização envolve o Centro Interdisciplinar de CiênciasSociais (CICS.NOVA), o Instituto de História de Arte (IHA) e o Instituto de Comunicação (ICNOVA) da NOVA FCSH e o Instituto de Sociologia da Universidade do Porto. São também parceiros deste evento a Rede Luso-Brasileira Todas as Artes (TAA) e a Rede de Pesquisa Luso-Brasileira em Artes e Intervenções Urbanas (RAIU). Pretende-se, assim, congregar um conjunto diversificado de saberes, de disciplinas e de artes, abrindo a apresentação de propostas a investigadores provenientes de áreas como a sociologia, a antropologia, a história, a história de arte, as indústrias culturais e criativas, a economia cultural, a geografia cultural e social, o planeamento urbano, os estudos culturais, as ciências da comunicação e disciplinas correlatas, tais como a ilustração, a música, a performance, o cinema, as artes visuais e performativas e as novas tecnologias.

Fazem parte da Comissão Organizadora Ricardo Campos e Patrícia Pereira, membros ETNO.URB.

CHAMADA PARA RESUMOS ABERTA ATÉ 15 DE FEVEREIRO DE 2023

https://combart.eventqualia.net/pt/2023/inicio/

Reconexões e desafios a partir do sul global: XIV RAM – Reunião de Antropología do MERCOSUL

Universidade Federal Fluminense, Niterói, Rio de Janeiro, 1 – 4 de agosto de 2023

ABERTA CHAMADA PARA PROPOSTAS  DE GRUPOS DE TRABALHO até 15 de dezembro de 2022.

No cronograma estão previstas  também a realização de mesas-redondas, grupos de trabalho, pôsteres, minicursos, oficinas, mostra fotográfica, mostra sonora e mostra de vídeos-documentários. Todas as inscrições serão realizadas on-line, através do website da XIV RAM.

Confira as datas de cada atividade no site.

https://www.ram2023.sinteseeventos.com.br

Calling Places: Monumentalising the Everyday of the North Korea

With Jelena Prokopljević

November 29, 2022, 4PM/16h Paris-Barcelona Time
Zoom link: https://cyu-fr.zoom.us/j/98703674849
ID meeting: 987 0367 4849*

“Calling Places” is a series of (online) talks that prioritises voices of female researchers who are devoted to understanding the other(s) and nurture a particular interest for marginal(ity), operating at/from/in/within peripheries.
Conceived as a part of the “Tales from the Peripheral” project that Sonja Lakić originally developed as part of her Marie Skłodowska-Curie – EUTOPIA-SIF postdoctoral research journey (and has been carrying out while altering between the countries of former Yugoslavia, CY Cergy Paris Université – PLACES Lab and Universitat Pompeu Fabra), “Calling Places” is a monthly affair and part of the greater framework of “The School of Buying Time” that was launched amidst pandemic, in the Spring 2020.

Festas na pandemia de Covid-19: experiências sociais em ação

Novo Dossiê da revista Antropolítica (V. 54, N.º 3), organizado por Hugo Menezes Neto (UFPE) e Renata de Sá Gonçalves (UFF & ETNO.URB).

“O dossiê reúne um conjunto de reflexões em torno de experiências festivas durante a pandemia de covid-19, especialmente as observadas no período iniciado no ano de 2020 e que se estendeu até 2021. O referido período, em ondas de maior ou menor intensidade, exigiu isolamento social, afastamento e redução de contato, entre outras medidas sanitárias adotadas de modo a minorar as graves consequências do assustador potencial de contágio do coronavírus. Tais medidas exigiram mudanças no calendário e na dinâmica de festas públicas e atividades realizadas anualmente em espaços privados, públicos, de lazer e de entretenimento no Brasil e em todo o mundo. Os impactos sociais e culturais desse período excepcional constituem repertórios para a análise antropológica e mobilizam discussões acerca dos efeitos da pandemia e de seus desdobramentos na vida social a partir de múltiplos ângulos e questões conceituais, alinhavados pela ideia geral de que os rituais são portas de entrada para o estudo da vida social. Os artigos aqui reunidos atentam para a maneira como organizadores, grupos e pessoas envolvidos com a realização de diferentes festas lidaram com sua interrupção ou adaptação e como se adequaram aos novos aspectos dos processos rituais, das redes sociais e da ocupação dos espaços para as celebrações.” (Apresentação, Neto & Gonçalves, 2022)

Inclui o artigo Lazer noturno e resistências juvenis em tempos de (pós-)pandemia: o caso dos jovens do bar Antù em Lisboa, de Guilherme Costa, Otávio Raposo, João Carlos Martins, Manuel Garcia-Ruiz e Jordi Nofre.

Leitura ETNO.URB em Novembro: Paisagens paulistanas: transformações do espaço público

Terá lugar no dia 28 de Novembro às 14h (de Lisboa), na NOVA FCSH Colégio Almada Negreiros (sala SE1) e simultaneamente no zoom, a próxima Leitura ETNO.URB.
A leitura de Paisagens paulistanas: transformações do espaço público de António Arantes (2000, Ed. Unicamp) será dinamizada por Izabela Tâmaso.

Link

Para receber material de leitura envie e-mail para: ppereira@fcsh.unl.pt

 

Apresentação do livro | Atores da educação musical: etnografia nos programas socioculturais El Sistema, Neojiba e Orquestra Geração | 4 out

No dia 4 de outubro, às 17h, na sala de reuniões 1 da FLUP, será apresentado o livro “Atores da educação musical: etnografia nos programas socioculturais El Sistema, Neojiba e Orquestra Geração”, da autoria de Alix Didier Sarrouy, músico, sociólogo das artes e investigador (INET-md e CICS.NOVA – NOVAFCSH). Este livro resulta de vários anos de investigação etnográfica na Venezuela, Brasil e Portugal, tendo como temas transversais a música, os territórios, as populações, o encontro entre culturas e as suas interações sociais. A apresentação ficará a cabo de Lígia Ferro (ISUP, FLUP) e Graça Mota (CIPEM, ESE.IPP). A sessão será transmitida por zoom.

https://videoconf-colibri.zoom.us/j/99658500938?pwd=SmtjOFFXMVpWY1ZXMmdoaWxUVkZOdz09

ID da reunião: 996 5850 0938

Senha de acesso: 273142

Práticas ativistas em São Paulo sob tempos distópicos

No dia 12 de setembro, às 17h, na Sala de Reuniões I, decorre a palestra “Práticas ativistas em São Paulo sob tempos distópicos”, com Heitor Frúgoli Jr., professor associado do Departamento de Antropologia da Universidade de São Paulo e coordenador do Grupo de Estudos de Antropologia da Cidade. Foi ainda docente da Cátedra de Estudos Brasileiros da Universidade de Leiden. 

Time and the production of space in sociology

A próxima leitura ETNOURB será dinamizada por Fraya Frehse, e terá lugar no dia 24 de Maio às 10h de São Paulo, 14h de Lisboa, no Zoom (https://bit.ly/39v1xvf | ID: 827 4980 4746). O texto em discussão, “Time and the production of space in sociology“,  foi publicado na Revista Sociologia e Antropologia em 2021.

Partilhamos aqui o resumo do texto em inglês e português:

What does the category “time” disclose in conceptual terms about the spatialization of social phenomena, the so-called production of space? By considering that since the 1950s sociology has embraced various theoretical frameworks for tackling the sociospatial process at hand, the paper answers this question in four analytic steps. Based on the ascertainment that (Section 1) these approaches address the temporalities of the respective research objects by means of definite spatialities, one peculiar history of sociology comes to the forefront. This history comprises (Section 2) four original ways of addressing the spatialization of social phenomena methodologically which were developed by Erving Goffman, Henri Lefebvre, Pierre Bourdieu, and Martina Löw. The seven temporal-spatial scales implicit in these accounts suggest (Section 3) that the production of space is a simultaneously poly-temporal and poly-spatial social phenomenon. Its temporalities and spatialities contain (Section 4) two methodological contributions to the recent sociological debate on the issue.

O que a categoria “tempo” desvela conceitualmente sobre a espacialização de fenômenos sociais, a assim chamada produção do espaço? Este artigo responde tal questão em quatro passos analíticos, reconhecendo que a sociologia desde os anos 1950 abriga perspectivas teóricas diversas acerca do processo socioespacial em foco. Partindo da constatação de que (seção 1) essas abordagens enfrentam as temporalidades dos respectivos objetos de pesquisa recorrendo, em termos metodológicos, a espacialidades definidas, vem para o primeiro plano uma história peculiar da sociologia. Tal história compreende (seção 2) quatro abordagens metodológicas originais acerca da espacialização de fenômenos sociais cujos autores são, respectivamente, Erving Goffman, Henri Lefebvre, Pierre Bourdieu e Martina Löw. As sete escalas temporal-espaciais implícitas nessas abordagens sugerem (seção 3) que a produção do espaço é um fenômeno social simultaneamente politemporal e poliespacial. Suas temporalidades e espacialidades contêm (seção 4) duas contribuições metodológicas para o debate sociológico recente sobre o tema.

Zoom: https://bit.ly/39v1xvf | ID: 827 4980 4746

Espaço urbano, formas cotidianas de cidadania, subjetividades. Histórias do Sul Global

A Rachel de Castro Almeida e a Luciana Teixeira de Andrade, membros ETNO.URB, vão participar neste evento da Urban Studies Foundation: “Espaço urbano, formas cotidianas de cidadania, subjetividades. Histórias do Sul Global” no dia 18 Maio às 16 h (Horário de Brasília).

Inscrição aqui.

Vamos passear por Belo Horizonte, no Brasil, por Delhi e Mumbai, na Índia, por Lagos na Nigéria? Vamos voltar aos anos 1930 e imaginar 2030?

Vamos descolonizar nossa produção científica?

Este é um convite para conhecermos a história de vida de Adunni, uma jovem mulher que viveu em Lagos entre as décadas de 1930 e 1960 e, ao mesmo tempo, as poesias de jovens mulheres brasileiras contemporâneas.

Nesse entrecruzar de tempos e espaços, refletirmos sobre os processos transição para a vida adulta, considerando as condições estruturais como o papel do Estado, desigualdade de gênero e elitismo. Os conteúdos dessas poesias produzidas por jovens que moram nas periferias urbanas da região metropolitana de Belo Horizonte se interligam às experiências de cidadania limitada, à voz política restrita e às condições de vida inaceitáveis vivenciadas por famílias de baixa renda em Delhi e Mumbai.

Os processos de gentrificação e as dificuldade imposta a uma maioria para o acesso à habitação no sul global atingem tanto essas famílias de baixa renda na Índia, quanto as de classe média em Belo Horizonte. E assim vamos juntos pensar no papel das políticas urbanas e do Estado no direito à cidade, na produção do espaço urbano formal e informal, legal e ilegal.

Pannel: Ordinary affects and the everydayness of cities in transition: material and social dimensions of change

Call for abstracts of the V Midterm Conference of ESA RN37 (Urban Sociology)

Chairs
Sonja Lakić (CY Cergy Paris University, France, sonja.lakic@gssi.it)
Graça Cordeiro (ISCTE – University Institute of Lisbon, Portugal, graca.cordeiro@iscte-iul.pt)
Patricia Pereira (NOVA University Lisbon, Portugal, ppereira@fcsh.unl.pt)

Panel format
Traditional with a variety of contribution formats (see the summary)

Summary
This panel calls for an understanding of human lives in urban environments that are undergoing different forms of transition – i.e. post-disaster, post-industrial, post-colonial, post-socialist cities, and/or “instant cities” (Agier, 2020) – and invites authors to examine the dynamic/interchangeable relationship between material and social dimensions of change through the perspective of “ordinary affects” (Stewart, 2007). The latter, hereby understood as “a shifting assemblage of practices and practical knowledges, a scene of both liveness and exhaustion, a dream of escape or of the simple life” (Stewart, 2007)
encourages studies that come into contact with real people and their socio-spatial practices, operating from and within “the scale of the everyday” (Tonkiss, 2013). We call for contributions that blend human experience with the alterations of the built fabric and/or shed a light on “people as infrastructure” (Simone, 2004), as well as those related to the politics of reciprocity and solidarity within research (and research/activism).
We look forward to different portrayals of tactics and strategies of doing the urban and exercising the right to the city, and are interested in both traditional formats of presentations, as well as other than conventional contributions. We encourage authors to take different urban scales into account and bring to light diverse (methodological) approaches, while being particularly open for contributions based on a wide variety of creative approaches and visual methods. We, therefore, welcome research papers, as well as research-based videos and short films (up to 15mins), research-based commented photo essays and/or performances, as well as activists’ diaries, biographical narratives, storytelling, comic books etc. The topics may include but are not limited to: practices of homemaking and experiences of home life, different forms of informal and extra-legal spatial appropriation, urban imaginaries, urban assemblage, buildings as living archives, cultural production of space, grassroots / DIY / self-organisation and bottom-up initiatives, urban memory, identity and citizenship, urban classifications, naming processes and urban lexiques (Topalov, 2017).

References
Agier Michel (2020). “Utopie, dystopie, non-fiction. Faires ville, faire communauté”.
Availableat:https://formes.ca/territoire/articles/les-instant-cities-villes-reimaginees-sans-histoire-sans-avenir; accessed on 01/02/2022.
Simone AbdouMaliq (2004). People as Infrastructure: Intersecting Fragments in
Johannesburg. Public Culture, 16(3), pp. 407-429.
Stewart Kathleen (2007). Ordinary Affects. Duke University Press.
Tonkiss Fran (2013). Cities by Design: The Social Life of Urban Form. Cambridge: Polity Press.
Topalov, Christian (2017) “Comment se produisent les classifications urbaines? Le cas des
espaces stigmatisés” Mots. Les langages du politique [En ligne], 114:
http://journals.openedition.org/mots/22860 ; DOI : https://doi.org/ 10.4000/mots.22860,
accessed on 01/02/2022.

Call for abstracts: Seeing Like a City / Seeing the City Through: ESA RN37 V Midterm Conference

The call for abstracts for the ESA RN37 V Midterm Conference is now open with 27 thematic pannels. Check them all here.

Pannel 11. “Ordinary affects and the everydayness of cities in transition: material and
social dimensions of change” is chaired by Sonja Lakić (CY Cergy Paris University, France), Graça Cordeiro (ISCTE – University Institute of Lisbon, Portugal) and Patricia Pereira (NOVA University Lisbon, Portugal).

Abstract proposals must be submitted by May 6, 2022 through the following link:
https://forms.gle/kiymngod1MBzfRKi7

The conference will take place in Berlin at the Georg Simmel Center for Metropolitan Research, Humboldt University, in October 5-7 2022.

GENTES, RITUAIS, QUOTIDIANOS: fotografias sociais do Grande Porto


Lançamento da chamada para a exposição coletiva de fotografia do IS-UP

Com intervenções de Paulo Pimenta, fotojornalista e Lígia Ferro, socióloga (IS-UP)
29 de Março | 17h00
Sala de Reuniões 1 e zoom

Como olhar para o Grande Porto a partir de uma lente simultaneamente ética e estética? Que retrato podemos fazer dos seus vários territórios e lugares de fronteira? Que vestígios da história encontramos nos lugares que ocupamos? Como podemos representar os contrastes entre as periferias esquecidas e os centros urbanos sobrevalorizados? Explorar contradições entre visitante e residente, proprietário e inquilino ou entre diferentes classes sociais? De que forma podemos dar conta das ideologias, hierarquias, ritmos da cidade? Estas e outras questões são um convite a fotografar a realidade com um olhar sociológico. Nesta sessão, que contará com a presença da socióloga Lígia Ferro e de Paulo Pimenta, fotojornalista, daremos a conhecer a chamada aberta para a exposição coletiva de fotografia do IS-UP, a realizar no Porto, em setembro de 2022.

https://videoconf-colibri.zoom.us/j/87102156418
ID da reunião: 871 0215 6418
Senha de acesso: 423560
Comissão Organizadora

Eduardo Silva, Inês Barbosa, Lígia Ferro, Paulo Pimenta e Vanessa Rodrigues.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search