Lançamento do livro: Mediações Arquitetônicas. Redes profissionais e práticas estatais no Rio de Janeiro

Quinta-feira, dia 23/09 às 18h (hora de Brasília).


A conversa conta com os organizadores: Gabrielle da Costa Moreira, Roberta Sampaio Guimarães, Antônio Agenor Barbosa, e com a convidada Julia O’Donnell. A mediação fica a cargo de Rafael Gutierrez, editor da Papéis Selvagens.


O encontro será transmitido pelo youtube da editora Papéis Selvagens. Não percam!

Eleição de Lígia Ferro para presidente da ESA

No dia 3 de setembro Lígia Ferro foi eleita por larga maioria para presidente da ESA (European Sociology Association), no final da 15ª conferência da associação. É um grande orgulho para todos os e as membros da Rede de Etnografia Urbana!

Veja aqui:

https://www.europeansociology.org/esa-new-president-executive-committee-term-2021-2023?fbclid=IwAR0EYLDgZvt-RZiaD0WQWm2OoPHnINxChKkrcPBkm-eAdN0IELYvBP2zz3Q

Fotografia facebook

1st International and Interdisciplinary conference on Spatial Methods for Urban Sustainability

Irá decorrer de 23 a 23 de Setembro de 2021 a Conferência SMUS CONFERENCE BOTSWANA 2021, organizada pelo Global Center of Spatial Methods for Urban Sustainability, da qual Fraya Frehe é lead partner na USP.

Visitem o website Botswana | SMUS (gcsmus.org) para a inscrição ou use o link e partilhem com potenciais interessadxs.
SMUS CONFERENCE BOTSWANA 2021

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSeFxCyZbvcBUeowhNOCelmWkPDE2Dyr4y-DyCTNmoLzhvqDfQ/viewform

Seminário “A cidade pelos comerciantes: práticas e projetos de vida no Porto e em Lisboa”

Daphne Cordeiro (UFF) e Priscilla Santos (FLUP) apresentarão as suas pesquisas em Lisboa e Porto, contando com a presença de Luís Baptista, da Universidade Nova de Lisboa, como debatedor. O evento é organizado pelo Grupo de Estudos de Antropologia da Cidade (GEAC) e terá a condução de Heitor Frúgoli. O seminário acontecerá dia 16/09 às 15 horas (horário de Portugal) no link: https://linktr.ee/geac

Resumo do Evento:  A partir de duas experiências de pesquisa acerca dos comércios e comerciantes na zona do Chiado, em Lisboa, e do Bonfim, no Porto, Portugal, pretende-se discutir como as noções de tradição e identidade são mobilizadas estrategicamente de diferentes maneiras pelos projetos de marketing de cidade do poder público e pelos atores sociais, como os comerciantes, engendrando possíveis ambivalências e negociações. Propõe-se pensar esses conceitos enquanto construções locais a partir do contexto da globalização.

image.png

Etno.Urb na 15ª conferência da ESA

Hoje, 2 de setembro, a coordenação da Rede fez uma apresentação na 15ª conferência da ESA, online, com o título “Doing Urban Ethnography in a changing world: building bridges between Portugal and Brazil”, no painel da Research Network 37 Urban Sociology, RN37_T07_02: Exploring urban changes.

A apresentação falou da Rede em geral e da Etnografia Urbana em particular, como os etnógrafos urbanos trabalham e a importância da nossa rede de trabalho, e analisou a questão de falarmos e partilharmos trabalho em língua portuguesa.

 

Aqui o resumo:

ETNO.URB (Urban Ethnography Network) is a collaborative international network created in 2016 that brings together Portuguese-speaking social scientists, based mainly in Portugal and Brazil, who use the ethnographic method to tackle different aspects of social life in cities.
This presentation aims to discuss a set of recurrent topics of debate within the network: what is the reciprocal intellectual impact of production in the fields of urban sociology and urban studies to understand the current socio-political contexts in Portugal and Brazil? How can urban ethnography contribute to the understanding of agencies, resistances, and the dispute of identities in the main Brazilian and Portuguese cities? How should we approach urban contexts in times of COVID-19 and beyond? Considering previous and current research projects developed within the ETNO.URB network, we will open the debate on the potentialities of urban ethnography and on the power of collective work to understand the complexities of our changing urban world.

Lançamento do livro “Pensar o território: Jean-Claude Chamboredon, uma abordagem sociológica pioneira”

Apresentado por João Teixeira Lopes (IS-UP) e Manuel Carlos Silva (CICS. Nova/UM).  

Editado por Luís Baptista Sylvie Mazzella, Patrícia Pereira e João Pedro Silva Nunes, o livro apresenta, pela primeira vez, traduções para Português de 6 textos do sociólogo Jean-Claude Chamboredon, complementados com notas de leitura e outros textos originais. Os temas abordados vão das novas formas de oposição campo‐cidade aos complexos processos de povoamento e de divisão social e simbólica do espaço urbano, passando pelas questões do turismo e das apropriações e usos do espaço e do território.


O link para a sessão de apresentação:
https://videoconf-colibri.zoom.us/j/87680792009

Link do livro em aberto

Seminário Cosmopolitismo(s) e cidade: experiências de pesquisa e aproximações teóricas

Início, quinta-feira, 13 de Maio de 2021 – 19:00 (23:00 PT) Local Canal youtube do Geac

Com:

Simone Toji – Unesp-Marília/IPHAN
Maurício Alcântara – Mestre em Antropologia pelo PPGAS/USP
Orlando Elorza Guzmán – UAM-I/USP
Mediação: Cristina Patriota de Moura – UNB

O conceito de cosmopolitismo vem ganhando espaço dentro dos debates que problematizam a articulação entre processos globais e locais. A partir de experiências de pesquisa envolvendo a cidade de São Paulo e a Cidade do México, o seminário visa discutir a variedade de abordagens existentes a partir do conceito de cosmopolitismo, que vão além do sentido elitista e de exclusividade usualmente atribuído ao termo, para apontar possibilidades de reflexão dentro do campo dos estudos urbanos.

Esta iniciativa é divulgada por Heitor Frúgoli Jr.

cartaz do evento

Artigo de Frédéric Vidal “O turismo e a invenção de uma política: escalas, territórios e governança (Portugal, 1906-1936)”

Divulgamos o artigo recentemente publicado por Frédéric Vidal no último número da revista Etnográfica, no âmbito de um dossier Dossiê “Desafios do ‘Turístico’ na Atualidade” que Frédéric Vidal coorganizou com Sofia Sampaio e Inês Lourenço, “O turismo e a invenção de uma política: escalas, territórios e governança (Portugal, 1906-1936)

Aqui, a referência completa:

Frédéric Vidal, « O turismo e a invenção de uma política: escalas, territórios e governança (Portugal, 1906-1936) », Etnográfica [Online], vol. 25 (1) | 2021, Online desde 05 março 2021, consultado em 14 abril 2021. URL : http://journals.openedition.org/etnografica/9964 ; DOI : https://doi.org/10.4000/etnografica.9964

A coordenação do dossier, que Frédéric Vidal integra, publica ainda a introdução ao volume, “Desafios do “turístico” na atualidade: uma introdução surpreendida por uma pandemia“.

https://journals.openedition.org/etnografica/9841?file=1

Defesa de doutoramento 16 de abril, 9.30h (hora de Brasília)

Divulgamos a defesa de Tese de doutorado de DAPHNE ASSIS CORDEIRO sob o título O comércio “tradicional” e “histórico” no Chiado em Lisboa: a produção de autenticidade por lojistas e agentes do Programa “Lojas com História”Programa de Pós-graduação em AntropologiaUniversidade Federal Fluminense

Esta defesa terá na banca examinadora vários membros e amigos da rede: Renata de Sá Gonçalves (PPGA/UFF) – orientadora, Maria da Graça Índias Cordeiro (Instituto Universitário de Lisboa), Frédéric Jean-Marc Vidal (Universidade Autónoma de Lisboa), Heitor Frúgoli Junior (USP), Julia Galli O’Donnell (UFRJ), Daniel Bitter (UFF).Alessandra Siqueira Barreto (UFF) – suplente interno e Roberta Sampaio Guimarães (UFRJ) – suplente externo16 de abril de 2021 9h30 (hora de Brasília)Acesso pelo link:
https://meet.google.com/umz-savi-cob

WebSeries: Em Movimento.

Em fevereiro de 2020 (antes da pandemia de corona vírus), fomos dar um rolê com o antropólogo e professor da Unifesp, Alexandre Barbosa Pereira. A proposta foi partir de sua casa, localizada na região de Cidade Ademar, na zona sul de São Paulo e passar por diferentes espaços, nos quais o pesquisador concentrou suas etnografias sobre juventude, sociabilidade e formas de conflito urbano. Durante a caminhada usamos casos como a piXação*, os rolezinhos e a ocupação criativa de praças públicas, para refletir sobres a seguinte pergunta: o que as ações transgressivas das juventudes periféricas são capazes de revelar sobre a lógica e os mecanismos de gestão dos grandes centros urbanos brasileiros? Essa prosa foi o piloto de uma série de conversas com pesquisadores de temas relevantes para a memória social do país, hoje lançamos o Ep 1 nomeado de “Cidade de Riscos: Juventudes e Urbanização Necropolítica” com o convidado Alexandre Barbosa Pereira.

Ficha técnica:

Roteiro e direção: Guilhermo Aderaldo e Daniel Fagundes

Fotografia: Daniel Neves Edição: Daniel Fagundes

Som direto: Guilhermo Aderaldo

Fiunalização e motion grafic: Lucas Henrique Ramos Marques da Silva

Produção: Caramuja

CfP “Fronteiras, ativismos e (i)mobilidades: perspectivas estético-políticas” / “Borders, activisms and (i)mmobilities: aesthetic and political perspectives, Cadernos de Arte e Antropologia

Guest Editors: Bianca Freire-Medeiros (USP/Brazil), Fernanda da Costa Portugal Duarte (NCSU/USA), Guilhermo Aderaldo (UFPEL/Brazil)

Deadline: 30/06/2021

Accepted languages: Portuguese, English, Spanish and French.

Desde a primeira metade dos anos 2000, a “virada das mobilidades” tem interpelado a teoria social contemporânea a se voltar para o enredo da globalização como causa e efeito, tanto do incremento das várias formas de deslocamento humano (do refúgio ao turismo), quanto da aceleração vigiada dos fluxos de materialidades e signos. Neste sentido, uma miríade recente de estudos socio-antropológicos tem apontado que a promessa de um mundo sem fricção territorial produzida por entusiastas da mundialização, deu lugar à multiplicação de tecnologias “preventivas”, amparadas em discursos de (in)segurança. Em conjunto, transformaram as fronteiras em estruturas mais complexas e capilarizadas, as quais permitem a alguns circular por rotas protegidas, enquanto inviabilizam – ou tornam mais arriscada – a mobilidade de outros. 

Tais fronteiras são zonas liminares, geográficas e simbólicas, que implicam transformações subjetivas e políticas ao evidenciarem, por exemplo, o contraste que distingue “trabalhadores indocumentados” e “cidadãos”, ou “turistas” e “vagabundos”. Não se trata, portanto, de muros ou check points, necessariamente, mas de espaços, protocolos, códigos e práticas de normalização e diferenciação que se formam a partir das fricções que marcam os sistemas de desigualdades.

Nesse mundo de mobilidades e imobilidades, uma série de manifestações no campo do ativismo artístico/cultural ou da criação estética, tem se dedicado a atribuir visibilidade às estruturas ocultas, responsáveis pela manutenção das desigualdades subjacentes ao sistema hegemônico e que se expressam na multiplicação de fronteiras em diversas escalas. Experimentações envolvendo práticas como midiativismo, contracartografias, performances, engenharia reversa, entre outras, têm nos auxiliado a alterar o eixo cognitivo que organiza nossa percepção sobre os territórios que atravessam nossas vidas cotidianas, problematizando referenciais epistêmicos que tendemos, muitas vezes, a naturalizar.

Convidamos pesquisadores de distintas áreas disciplinares que, partindo destas questões e em diálogo com os estudos de mobilidade, venham colaborar com artigos e ensaios (áudio)visuais capazes de promover reflexões originais sobre a combinação entre espaços fronteiriços, ativismos artísticos/epistêmicos e (i)mobilidades. As submissões poderão colaborar com discussões relacionadas (mas não limitadas) aos tópicos que seguem:

•    Migrações e apropriações simbólicas das fronteiras nacionais
•    Experiências artístico-culturais em contextos de mobilidades turísticas, sobretudo em territórios sensíveis (favelas, periferias, zonas de conflito)
•    Contracartografias e deslocamentos cognitivos 
•    Financeirização da moradia, disputas fundiárias e litígios imagéticos sobre a cidade
•    Fluxos visuais em situações de vulnerabilidade extrema: (i)mobilidades durante a pandemia de covid-19
•    Métodos “móveis” e novas perspectivas epistêmicas sobre as formas estéticas e políticas subjacentes aos conflitos sociais contemporâneos;
•    Práticas culturais juvenis e insurgências nos espaços urbanos

Todas as contribuições devem ser submetidas pelo portal da revista Cadernos de Arte e Antropologia e estar em acordo com as regras para submissão de artigos definidas no portal (http://cadernosaa.revues.org/). Questões sobre a adequação potencial de tópicos, expectativas editoriais ou quaisquer outras perguntas relacionadas a este número especial podem ser dirigidas diretamente aos editores convidados, através do endereço de e-mail guiade@ymail.com.

Eviction, Gatekeeping and Militant Care: Moral Economies of Housing in Austerity London

A próxima leitura ETNOURB será dinamizada por Giacomo Pozzi e terá lugar no dia 23 de Março às 15h. O texto em discussão “Eviction, Gatekeeping and Militant Care: Moral Economies of Housing in Austerity London” foi publicado na Ethnos em 2020 e é da autoria de Matt Wilde. Partilhamos aqui o resumo:

“This article uses the lens of moral economies to examine the everyday experience of eviction, precarious housing and grassroots activism in contemporary London. Situated within a context of ongoing austerity measures, it explores how divergent, conflicting and overlapping moral economies of housing emerge both within the state and at its margins, as local authorities struggle to reconcile contradictory obligations to both uphold property relations and offer a duty of care to tenants. The article shows how being precariously housed is experienced as a series of disorientating advice and support encounters in which the right to state assistance is contested by low-income tenants, state housing officers and community activists. It contends that these encounters are surface-level expressions of a deeper underlying struggle over the political and moral status of housing, in which the unresolved tension between housing as a home and housing as a commodity shapes contested visions of economic justice.”

Matt Wilde (2020): Eviction, Gatekeeping and Militant Care: Moral Economies
of Housing in Austerity London, Ethnos, DOI: 10.1080/00141844.2019.1687540

A sessão será online, sigam este link:

https://videoconf-colibri.zoom.us/j/82403155854