Novo site da Panoramas Urbanos – Extensão

Urpi Uriarte faz parte deste projeto de extensão e enviou-nos a seguinte mensagem, relativa a 15 de setembro de 2020, que reproduzimos:

Nós, PANORAMAS URBANOS-EXTENSÃO, temos a imensa satisfação de lançar, hoje, o NOSSO SITE. Trata-se de um trabalho que nasce a partir da disciplina ACCS FCHL68 “Habitar Casarões Ocupados no Centro”, ofertada desde 2018.1 na Universidade Federal da Bahia, que nos permitiu trabalhar com os movimentos MSTB, AMACH e Centro Cultural “Que Ladeira É Essa?”, do centro de Salvador, buscando ser uma ponte entre universidade e sociedade. Com o intuito de divulgar suas lutas e pontos de vista dos habitantes, produzimos nossa plataforma digital panoramasurbanos.com.br, na qual disponibilizamos os trabalhos coletivos produzidos nos últimos 2 anos. Ela está disponível a partir de hoje, 15 de setembro e, por enquanto, a visualização dos mapas funcionará apenas para computador. Deixamos nossas portas virtuais abertas para a interatividade com os trabalhos, assim como, para qualquer contribuição, comentários ou sugestões. Aproveitem!

https://www.panoramasurbanos.com.br/

Cidades em mudança: processos participativos em Portugal e no Brasil (2016-2018)

O projeto “Cidades em mudança: processos participativos em Portugal e no Brasil” visa a consolidação de rede internacional de colaboração entre ambas as equipes em torno de pesquisas etnográfica sobre modalidades de participação social coletiva em cidades portuguesas e brasileiras.

Esta iniciativa de intercâmbio luso-brasileiro vincula-se a dois programas de doutoramento: Estudos Urbanos (FCSH-UNL e ISCTE-IUL) e Programa Pós-graduação Antropologia (PPGA/UFF). O objetivo é analisar a diversidade de formas e práticas de participação urbana e o modo como se renovam e mobilizam recursos políticos, culturais, organizativos, económicos, laborais. Esta pesquisa deseja, ainda, chamar a atenção para atividades que constituem cenários de exibição, visibilidade e disputa no espaço público urbano, desafiando para uma reflexão científica na formação avançada, mas também na divulgação do debate público sobre diferentes realidades com um potencial de comparabilidade e aprendizagem de boas práticas muito promissor.

Coordenação: Renata de Sá GonçalvesPrograma de Pós-graduação em Antropologia / Universidade Federal Fluminense e Graça CordeiroCentro de Investigação e Estudos de SociologiaInstituto Universitário de Lisboa

Projeto de cooperação aprovado no âmbito do Edital 039/2014 do Programa CAPES-FCT. Processo 8368-14-7.

Links: No Website do CIESNo Website Na Rua

A Cidade e a Rua: Uma Aproximação Etnográfica à Vida Urbana (2005-2008)

Poster do Colóquio “O Lugar da Rua: Cidade, Tempo, Sociabilidade”

Mais do que tema, a rua é o problema a identificar e problematizar. A rua pode ser entendida como unidade mínima de vida urbana, lugar de sociabilidade que se desdobra em vários níveis e dimensões de acção, interacção, diferenciação e socialização; transgressão e controlo social; circulação e inter-conhecimento; encontro e confronto; espaço de integração de funções (residenciais, laborais, de lazer), território impregnado de memórias, cenário e palco de cruzamentos sociais, de quotidianos diferenciados, de trajectórias e destinos individuais que interagem. A rua, nas suas extensões (lojas, associações, templos, praças, esquinas, até casas) é perspectivada como uma síntese possível de «vida citadina», recorte etnográfico único para a exploração e o conhecimento da vida urbana contemporânea a partir de baixo e de dentro. Neste sentido, a rua não surge como unidade definida à priori, mas sim como objecto a identificar e a construir ao longo do próprio processo de investigação, unidade de observação com uma significativa coerência social e cultural, com possibilidades de comparação que acrescentem conhecimento original a uma reflexão teórica sobre a cidade e suas dinâmicas sócio-culturais específicas. Metodologicamente, a investigação organiza-se em torno de um conjunto de estudos de caso, social e culturalmente diferenciados, tanto do ponto de vista dos temas como dos contextos etnográficos de referência.

Coordenção: Graça CordeiroCentro de Investigação e Estudos de SociologiaInstituto Universitário de Lisboa