A Geração da cidade: trajetórias musicais de jovens em várias escalas (Lisboa, 2010/2020)

Ricardo Bento defende a sua tese de doutoramento no dia 10 de dezembro pelas 14h (horas de Lisboa) com o título A Geração da cidade: trajetórias musicais de jovens em várias escalas (Lisboa, 2010/2020), orientado por Graça Cordeiro, no âmbito do programa doutoral em Estudos Urbanos Iscte/FCSH-NOVA. O evento será online, com a participação dos arguentes Renata de Sá Gonçalves, Patrícia Pereira, Lígia Ferro e Otávio Raposo

Licia do Prado Valladares | nota de pesar

A Rede ETNO.URB lamenta o falecimento de Licia do Prado Valladares. Podem encontrar aqui uma boa síntese feita por Bianca Freire-Medeiros (USP) da sua vida plural, rica e com influência em tantas e tantos de nós.

Entre tantos contributos, o livro A Invenção da Favela é uma das suas escritas incontornáveis para pensar e repensar a pobreza urbana e o agenciamento, a produção das narrativas académicas, e muito mais.

“Life comes before buildings: How to do Urban Studies PhD Research from the Scale of the Everyday”, Sonja Lakic na Sessão Inaugural do Doutoramento em Estudos Urbanos 2020/2021

A sessão inaugural do Doutoramento em Estudos Urbanos 2020/2021, um programa doutoral realizado em associação entre a NOVA FCSH e o ISCTE-IUL, terá lugar no dia 23 de Outubro às 18h, no Auditório Mário Murteira no ISCTE.

Sonja Lakic, membro da rede ETNOURB, será uma das oradoras, com uma apresentação intitulada “Life comes before buildings: How to do Urban Studies PhD Research from the Scale of the Everyday”.

Filipa Ramalhete, investigadora do CICS.NOVA, fará a outra apresentação, com o título “Investigação: processo e resultados no Atlas Almirante Reis“.

O evento será também transmitido em streaming por zoom com acesso através do ID: 858 5282 1256

Os Mercados e os Dilemas da Autenticidade. Uma análise do Mercado Central de Belo Horizonte

Artigo de Luciana Teixeira de Andrade, membro da nossa rede ETNOURB, na revista Interseções. Revista de Estudos Interdisciplinares (2017).

Resumo:

Nas últimas décadas, os mercados de abastecimento, presentes em muitas grandes cidades brasileiras, passaram por uma crise e uma nova significação, em função da concorrência com as recentes formas de comércio a varejo. Vários foram fechados, e outros conseguiram sobreviver a partir da narrativa de lugar autêntico e do seu reconhecimento como patrimônio e atração turística. Este artigo propõe discutir essas novas representações dos mercados, assim como os seus dilemas a partir de um caso ocorrido no Mercado Central de Belo Horizonte. Criado em 1929 e situado na área central da cidade, em 2007, o Mercado ocupou as esferas públicas de discussão quando veio a público o fato de que uma antiga loja de alimentos a granel, fechada por decisão de seus proprietários, seria substituída por outra de uma grande rede de eletro- eletrônicos.Com base nesse episódio discutem-se as dimensões patrimoniais e turísticas dos atuais mercados ancoradas no discurso da autenticidade. Para tanto, ele se estrutura em três partes. Uma primeira analisa a construção de uma narrativa de autenticidade em torno de bens urbanos, a segunda situa historicamente o Mercado Central, e a última analisa a polêmica desencadeada a partir do fechamento e substituição de uma das suas lojas.

Criminalização dos graffiti em Portugal: dois passos atrás do tempo, Lígia Ferro no Público

Baseando-se na sua investigação sobre o graffiti em Lisboa, Barcelona e Nova Iorque (Da Rua para o Mundo, ICS, 2016), Lígia Ferro, membro da nossa rede, escreve um artigo de opinião acerca da proposta de criminalização da prática:

“Vemos agora o Governo de António Costa anunciar a pretensão de criminalizar a prática do graffiti, fazendo tábua rasa das experiências internacionais e mesmo do bom exemplo recente da Câmara Municipal de Lisboa. A senhora ministra da Justiça pretende dar dois passos atrás com esta proposta de criminalização. A justificação passa pelo aumento das inscrições nos comboios durante o período de confinamento, assim como pelo valor que se tem despendido na limpeza dos mesmos. Propõe-se assim uma solução legal de criminalização que apenas nos vai custar mais impostos, não oferecendo qualquer garantia de sucesso na eliminação das inscrições.” (Lígia Ferro, Público, 1/10/202)

Handle with Care: Tales of the Invisible / Cuidar: Contos do Invisível

Sonja Lakic é curadora de Handle with Care: Tales of the Invisible / Cuidar: Contos do Invisível, em exposição na Trienal de Arquitectura de Lisboa, de 15 de Outubro a 15 de Novembro de 2020.

“A exposição de arquitectura tem como ponto de partida os acervos de três instituições culturais europeias que são membros da Future Architecture Platform: o Museu de Arquitectura e Design de Liubliana (Eslovénia), o MAXXI Museu Nacional de Artes do Século XXI de Roma (Itália), e o Museu de Arquitectura da Estónia sediado em Talin. Comissariada pela Trienal, esta proposta expositiva propõe, pela primeira vez, uma interligação entre autorias emergentes seleccionadas a partir das candidaturas ao call da Future Architecture Platform de 2020 e os membros desta extensa rede que junta 22 países. “

Leiam aqui a entrevista à arquitecta e investigadora pelo blog Architectuul a propósito da exposição e de outros trabalhos .

Novo site da Panoramas Urbanos – Extensão

Urpi Uriarte faz parte deste projeto de extensão e enviou-nos a seguinte mensagem, relativa a 15 de setembro de 2020, que reproduzimos:

Nós, PANORAMAS URBANOS-EXTENSÃO, temos a imensa satisfação de lançar, hoje, o NOSSO SITE. Trata-se de um trabalho que nasce a partir da disciplina ACCS FCHL68 “Habitar Casarões Ocupados no Centro”, ofertada desde 2018.1 na Universidade Federal da Bahia, que nos permitiu trabalhar com os movimentos MSTB, AMACH e Centro Cultural “Que Ladeira É Essa?”, do centro de Salvador, buscando ser uma ponte entre universidade e sociedade. Com o intuito de divulgar suas lutas e pontos de vista dos habitantes, produzimos nossa plataforma digital panoramasurbanos.com.br, na qual disponibilizamos os trabalhos coletivos produzidos nos últimos 2 anos. Ela está disponível a partir de hoje, 15 de setembro e, por enquanto, a visualização dos mapas funcionará apenas para computador. Deixamos nossas portas virtuais abertas para a interatividade com os trabalhos, assim como, para qualquer contribuição, comentários ou sugestões. Aproveitem!

https://www.panoramasurbanos.com.br/

Legado olímpico, quatro anos depois: entre promessas e ruínas. Seminário d’O Urbano – Laboratório de Estudos da Cidade da UFRJ de 1 a 22 de setembro, online

O Urbano – Laboratório de Estudos da Cidade da UFRJ – convida a todos e todas para o seminário “Legado olímpico, quatro anos depois: entre promessas e ruínas” que será realizado entre os dias 1 e 22 de setembro de forma remota, no Google Meet.

A partir de um olhar retrospectivo em relação ao período de preparação do Rio de Janeiro para receber os Jogos Olímpicos de 2016, o objetivo do seminário é construir debates sobre modelos de gestão urbana e seus impactos no território.

A discussão em torno do chamado “legado olímpico” visa suscitar reflexões acerca das dinâmicas atuais de territórios, como Zona Portuária, Barra da Tijuca, Deodoro e Madureira. Além disso, pretende-se pensar coletivamente processos sociais importantes, como as remoções de favelas e a financeirização da terra urbana.

O seminário contará com a presença de pesquisadores, moradores dos territórios e ativistas de movimentos sociais de forma a abarcar diferentes vivências e pontos de vista sobre o processo de produção da cidade olímpica.

Link para inscrição: https://forms.gle/mxsydcreYJXu2Fbw7

Impactos e desafios de pesquisa durante a pandemia de Covid-19. Ciclo seminários GEAC

Coordenação de Heitor Frúgoli Jr.

Dentre as indagações que emergem na atual pandemia, sublinha-se o que passa a ser possível pesquisar, do ponto de vista etnográfco, frente às restrições de várias ordens às interações sociais face a face, dados os cuidados necessários para se
evitar a transmissão do Covid-19.
O presente ciclo de seminários busca dialogar com essa realidade, com ênfase nas mudanças em curso na vida urbana, através da abordagem sobre pesquisas em andamento de integrantes do GEAC (em locução com outrxs pesquisadorxs), cujos
impactos decorrentes da pandemia têm levado tanto a mudanças contextuais, quanto à
necessidade de novas estratégias investigativas.

A decorrer entre 26 de agosto e 4 de setembro. Mais informação aqui:

8 Minutos e 46 Segundos: Seleções dos arquivos da revista CITY & SOCIETY sobre Racismo, Policiamento e Protesto

A CITY & SOCIETY, revista da SUNTA (Society for Urban, National and Transnational/Global Anthropology), disponibiliza, em acesso aberto, um conjunto de artigos sobre as temáticas do Racismo, Policiamento e Protesto. Solidários, os editores procuram contribuir para a análise e a destruição das forças que conduziram à crise multidimensional que vivemos.

Os artigos, incluindo “The Neighborhood Strikes Back: Community Murals by Youth in B oston’s Communities of Color” de Tim Sieber, Graça Cordeiro e Lígia Ferro estão disponíveis na página da revista, acompanhados de um breve texto dos editores e de uma Declaração de Solidariedade para com as Vítimas de Violência Policial, que reproduzimos abaixo:

“In keeping with our responsibility to cultivate a national and international community of critical scholars of urban life, the editors of City & Society offer this selection of articles, accessible to all, from our archives as a small act of solidarity with all of those outraged and bereaved by the unjust deaths of George Floyd, Ahmaud Arbery, Breonna Taylor, Tony McDade and so many others. In doing so we seek to contribute to the analysis and the ultimate undoing of the forces that have led to the multidimensional crisis we see unfolding before us: the systematic criminalization and devaluation of Black lives, as well as those of members of other racialized communities; the militarization of urban space; the refusal to provide public services, spaces, and infrastructure that might permit all people to thrive; the rollback of policies aimed towards equality, justice and decency; and backlash against progressive social movements. We also offer these articles to document and learn from the creativity, conviviality and tenacity with which urbanites protest injustice through occupying and producing urban space.

As well as these articles, we also include below a statement of solidarity from the Board of the Society for Urban, National, and Transnational Anthropology (SUNTA), City & Society’s sponsoring section.

Julian Brash (Associate Editor), Sheri Lynn Gibbings (co-Editor), Derek Pardue (co-Editor)

SUNTA Statement of Solidarity with Victims of Police Violence

SUNTA stands with all victims of police violence and those on the frontlines demanding justice in this week’s protests.

As a scholarly society committed to social justice, we mourn the deaths of Ahmaud Arbery, George Floyd, Breonna Taylor, and Tony McDade, and we reflect on the long history of Black lives lost to racialized state violence.

As a scholarly group devoted to the study of cities, we see a very long legacy of past injustices shaping the present, in how municipal law enforcement across the United States became militarized and insulated from legal action, in how groups and neighborhoods were criminalized, in how policing remains an ever-growing part of government budgets even as other vital human services face cuts and privatization.

Anthropology also offers us examples of the transformative power of protest, and powerful visions of a more just future.

And we raise our professional voice to assert that Black Lives Matter!

The SUNTA Board”

A ciência e a política como vocação – o discurso de Merkel e a pandemia de Covid-19 na Alemanha Renata de Sá Gonçalves

Desde dezembro de 2019, nos mudamos eu e minha família para a cidade universitária de Tübingen, no sudoeste da Alemanha. Como pesquisadora, integro a equipe do projeto de cooperação “Territórios desconfortáveis: imagens, narrativas e objetos do Sul Global” desenvolvido pelo Interdisciplinary Centre for Global South Studies da Universidade de Tübingen com a Universidade Federal Fluminense, onde sou professora. Desde esse lugar, e como estrangeira, tenho estranhado muitas rotinas, modos de se relacionar e de estar no mundo. Uma nova vida em um lugar diferente pela língua, pelos hábitos e pelas sociabilidades nos ambientes que passei a frequentar.

A pequena cidade difere também em escala da grande metrópole do Rio de Janeiro de onde venho. Aqui residem cerca de 90 mil habitantes e a maior parte deles se vincula à vida da Universidade. Desde nossa chegada, com o registro obrigatório no departamento para estrangeiros no escritório da municipalidade e a entrada na Universidade, fomos acolhidos com orientações sobre serviços públicos, apoio educacional e dicas diversas sobre a vida na cidade. Meus filhos de 5 e 10 anos ingressaram na creche e na escola pública perto de casa, a cinco minutos a pé.

Para continuar a ler….

Jornada de Estudos Urbanos 3 e 4 Junho 2020

O Doutoramento em Estudos Urbanos FCSH-NOVA, ISCTE-IUL coloca os seus doutorandos em debate. Participam nestas jornadas Luís Baptista como moderador no primeiro dia e Caterina Di Giovanni como oradora no segundo dia. Links para participar nas reuniões:

dia 3 de junho às 14.30h  

 https://videoconf-colibri.zoom.us/j/97058050712?pwd=cFh0YkFtUzZhT0ZIY0FUT1NQcGFYZz09 ID – 970 5805 0712
Senha – 710463

dia 4 de junho às 14.30h  

 https://videoconf-colibri.zoom.us/j/92217302645?pwd=YUIvVndjN08xSkx6WGNyTkdtVEdtQT09 ID – 922 1730 2645
Senha – 053439