Time and the production of space in sociology

A próxima leitura ETNOURB será dinamizada por Fraya Frehse, e terá lugar no dia 24 de Maio às 10h de São Paulo, 14h de Lisboa, no Zoom (https://bit.ly/39v1xvf | ID: 827 4980 4746). O texto em discussão, “Time and the production of space in sociology“,  foi publicado na Revista Sociologia e Antropologia em 2021.

Partilhamos aqui o resumo do texto em inglês e português:

What does the category “time” disclose in conceptual terms about the spatialization of social phenomena, the so-called production of space? By considering that since the 1950s sociology has embraced various theoretical frameworks for tackling the sociospatial process at hand, the paper answers this question in four analytic steps. Based on the ascertainment that (Section 1) these approaches address the temporalities of the respective research objects by means of definite spatialities, one peculiar history of sociology comes to the forefront. This history comprises (Section 2) four original ways of addressing the spatialization of social phenomena methodologically which were developed by Erving Goffman, Henri Lefebvre, Pierre Bourdieu, and Martina Löw. The seven temporal-spatial scales implicit in these accounts suggest (Section 3) that the production of space is a simultaneously poly-temporal and poly-spatial social phenomenon. Its temporalities and spatialities contain (Section 4) two methodological contributions to the recent sociological debate on the issue.

O que a categoria “tempo” desvela conceitualmente sobre a espacialização de fenômenos sociais, a assim chamada produção do espaço? Este artigo responde tal questão em quatro passos analíticos, reconhecendo que a sociologia desde os anos 1950 abriga perspectivas teóricas diversas acerca do processo socioespacial em foco. Partindo da constatação de que (seção 1) essas abordagens enfrentam as temporalidades dos respectivos objetos de pesquisa recorrendo, em termos metodológicos, a espacialidades definidas, vem para o primeiro plano uma história peculiar da sociologia. Tal história compreende (seção 2) quatro abordagens metodológicas originais acerca da espacialização de fenômenos sociais cujos autores são, respectivamente, Erving Goffman, Henri Lefebvre, Pierre Bourdieu e Martina Löw. As sete escalas temporal-espaciais implícitas nessas abordagens sugerem (seção 3) que a produção do espaço é um fenômeno social simultaneamente politemporal e poliespacial. Suas temporalidades e espacialidades contêm (seção 4) duas contribuições metodológicas para o debate sociológico recente sobre o tema.

Zoom: https://bit.ly/39v1xvf | ID: 827 4980 4746

Eviction, Gatekeeping and Militant Care: Moral Economies of Housing in Austerity London

A próxima leitura ETNOURB será dinamizada por Giacomo Pozzi e terá lugar no dia 23 de Março às 15h. O texto em discussão “Eviction, Gatekeeping and Militant Care: Moral Economies of Housing in Austerity London” foi publicado na Ethnos em 2020 e é da autoria de Matt Wilde. Partilhamos aqui o resumo:

“This article uses the lens of moral economies to examine the everyday experience of eviction, precarious housing and grassroots activism in contemporary London. Situated within a context of ongoing austerity measures, it explores how divergent, conflicting and overlapping moral economies of housing emerge both within the state and at its margins, as local authorities struggle to reconcile contradictory obligations to both uphold property relations and offer a duty of care to tenants. The article shows how being precariously housed is experienced as a series of disorientating advice and support encounters in which the right to state assistance is contested by low-income tenants, state housing officers and community activists. It contends that these encounters are surface-level expressions of a deeper underlying struggle over the political and moral status of housing, in which the unresolved tension between housing as a home and housing as a commodity shapes contested visions of economic justice.”

Matt Wilde (2020): Eviction, Gatekeeping and Militant Care: Moral Economies
of Housing in Austerity London, Ethnos, DOI: 10.1080/00141844.2019.1687540

A sessão será online, sigam este link:

https://videoconf-colibri.zoom.us/j/82403155854

SESSÃO DE LEITURAS ETNO.URB “Personal is Metropolitan: Narratives of Self and the Poetics of the Intimate Sphere”

 

Leitura: Cruces, Francisco (2016) “Personal is Metropolitan: Narratives of Self and the Poetics of the Intimate Sphere” in Urbanities 6: 1 – Special Issue: Emerging Social Practices in Urban Space (pp. 8-24). 

Dia 11 às 13h (hora de Lisboa)

https://videoconf-colibri.zoom.us/j/81034597688

A imagem é do filme de Sonja Lakic, “Corona Retreat”, 2020: a film still. Camera: Srdjan Ćuković. Editing and sound: Goran Puzić. Produced by MAXXI – Museo nazionale delle arti del XXI secolo. 

Leitura ETNO.URB NOV/19

Leitura de Corpo e alma. Notas etnográficas sobre um aprendiz de boxe e visionamento do documentário A Galera.

A Leitura ETNO.URB de Novembro de 2019 teve lugar no passado dia 20 no ISCTE-IUL e foi organizada em parceria com a Escola de Sociologia e Políticas Públicas, enquanto aula aberta da Unidade Curricular “Pesquisa de Terreno”.

Além da dinamização da leitura do já clássico texto de Wacquant, particularmente da secção “The Street and the Ring” (pp. 13-40, versão inglesa), Otávio Raposo apresentou o seu documentário “A Galera”

Video de um excerto da Leitura

SESSÃO DE LEITURAS ETNO.URB “CORPO E ALMA. NOTAS ETNOGRÁFICAS SOBRE UM APRENDIZ DE BOXE”

Além da dinamização da leitura do clássico texto de Wacquant, particularmente da secção “The Street and the Ring” (pp. 13-40, versão inglesa), Otávio Raposo apresenta o seu documentário “A Galera”.

Sinopse de A GALERA

Era na Maré que viviam e ensaiavam os dançarinos de um importante grupo de break dance do Rio de Janeiro. Os jovens reuniam-se numa antiga fábrica abandonada, a Tecno, onde criavam performances e sociabilidades que os unificavam em torno de um mesmo coletivo. Tornar-se um b-boy ou uma b-girl tinha um significado especial na sua vida. Através dessa nova identidade, obtinham respeito e visibilidade e contrariavam as imagens estigmatizantes a que eram frequentemente associados por morarem em favelas. Ao circularem por outras regiões da cidade para participar de campeonatos de break dance projetavam com orgulho a imagem do bairro, reafirmando que os seus moradores também tinham qualidades. Ao percorrer ruas e vielas de um aglomerado de dezasseis favelas, entramos nas suas casas, participamos das suas festas, visitamos os seus locais de trabalho e somos apresentados às suas famílias. Este é o cenário da galera do break da Maré.

11ª Sessão de Leituras ETNO.URB no IFICS, Rio de Janeiro: On the run: fugitive life in an american city

Mariana Cavalcanti vai dinamizar a 11ª Sessão das Leituras ETNO.URB, no dia 12 de agosto às 16h, na Sala Amarela (109) do IFCS/UFRJ (Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil).
O texto em análise nesta sessão é a obra de Alice Goffman On the run: fugitive life in an american city, editada pela Chicago University Press em 2014.

O IFCS/UFRJ situa-se no Largo São Francisco de Paula, n.1, Rio de Janeiro.

10ª Sessão de Leituras ETNO.URB: “A utopia da Pequena África: projetos urbanísticos, patrimônios e conflitos na Zona Portuária carioca”, 1 de Julho, 18h (BR) / 22h (PT), ICHF – UFF

Daphne Cordeiro irá dinamizar a leitura de  A utopia da Pequena África: projetos urbanísticos, patrimônios e conflitos na Zona Portuária carioca (2014) de Roberta Sampaio Guimarães.

Será no dia 1 de Julho às 18h  no ICHF – Universidade Federal Fluminense em Niterói (sala 307, bloco P).

10ª Sessão Leituras ETNO.URB, 1 de Julho na Universidade Federal Fluminense

A Leitura ETNO.URB de Julho será no dia 1 às 18h  no ICHF – Universidade Federal Fluminense em Niterói (sala 307, bloco P).
Daphne Cordeiro irá dinamizar a leitura de  A utopia da Pequena África: projetos urbanísticos, patrimônios e conflitos na Zona Portuária carioca (2014) de Roberta Sampaio Guimarães.
 
Fonte: Roberta Guimarães
 
Sinopse
Nas últimas décadas, amplas intervenções urbanísticas nos bairros centrais e portuários “degradados” das grandes cidades têm buscado inserir tais áreas em uma lógica internacional de competição pela atração de capitais e dos megaeventos, como a Copa do Mundo e as Olimpíadas. Mas nem tudo pode ser ideologicamente construído ou economicamente potencializado. Quando se trata do passado de pessoas, objetos e espaços, diferentes e desestabilizadoras memórias, como a da “Pequena África”, na região portuária carioca, são sempre passíveis de serem movimentadas, trazendo à tona versões não exibidas da cidade.
 
 
Índice

Prefácio: Autenticidade e transformações urbanas

Agradecimentos

Introdução: projetos urbanísticos, patrimônios e conflitos


1. O Plano Porto do Rio e o retorno da Pequena África 
Uma retórica sobre ”vazios”, ”degradados” e ”abandonados” 
Os efeitos da criação de um sítio ”histórico” no Morro da Conceição 
As contraimagens da ”cidade negra”


2. A ”vizinhança” da parte alta do morro 
As afinidades e tensões entre moradores ”novos” e ”tradicionais” 
Os múltiplos sentidos da “festa da padroeira” 
Os ”de dentro” da rua e os ”misturados” da ladeira


3 . Os ”quilombolas” da Pedra do Sal e os ”franciscanos” da Prainha 
Os espaços físicos, simbólicos e midiáticos de embate 
O pleito “étnico-racial” de um morro “negro” 
As obras sociais para uma ”população marginalizada”


4 . O ”povo do santo” do Valongo 
”Agrados”, ”proteções” e ”prestígios” na passagem do afoxé 
Os ”amigos” e os ”filhos” da casa de Mãe Marlene d’Oxum 
A formação e perpetuação de um ”patrimônio imaterial”


Considerações finais: os imponderáveis percursos dos patrimônios 
Referências bibliográficas
Outras fontes
Sobre a autora

 

 
 
 

9ª Sessão Leituras ETNOURB, com Heitor Frúgoli Jr.

A sessão Leituras ETNOURB de Junho terá lugar no ISCTE-IUL, no dia 4 pelas 11h, na sala C 205.
A sessão, dinamizada por Heitor Frúgoli Jr.,  tem um formato diferente das anteriores. Consiste na leitura de três textos etnográficos de diferentes autores e perspetivas, sobre um mesmo espaço urbano: o Cemitério Père-Lachaise em Paris.
 
 
Os textos: