Mini-ciclo de documentários 12, 13 e 14 Outubro 18h Iscte | Aulas abertas Pesquisa de Terreno

feito por Sofia Rocha

A Unidade Curricular Pesquisa de Terreno, coordenada por Graça Cordeiro e lecionada por Graça Cordeiro e por Rita Cachado, tem o prazer de apresentar, em conjunto com a Etno.Urb, o mini-ciclo de documentários no âmbito da sessão 3. O ciclo é aberto à comunidade. Depois do visionamento, haverá um espaço de debate com alunos e outras pessoas presentes.

Cenas do Gueto, Mocho Tá na Casa

À boleia da street art, a Quinta do Mocho soube dar a volta aos estereótipos, ressignificando a vida no gueto para exaltar as qualidades do território e de seus habitantes. “Cenas do Gueto, Mocho Tá na Casa” desmonta os discursos de que o bairro não tem cultura, talento, humanidade, ao mesmo tempo que aponta o dedo à exclusão, ao racismo, à violência policial, à pobreza. Gueto é cidade. Cultura se faz no gueto.

Este seriado de 27 episódios dá a conhecer os habitantes, os artistas e a história da Quinta do Mocho. São micro-documentários etnográficos realizados pelo antropólogo e sociólogo Otávio Raposo, editados pelo antropólogo Filipe Ferraz, e com conceção gráfica e comunicação da antropóloga Gabriela Leal.

Esta série está integrada no projeto de investigação ArtCitizenship, que pesquisa “territórios não-institucionais de construção da cidadania e de participação na esfera pública”, procurando compreender os elos entre arte, criatividade e agência política.

“Cenas do Gueto, Mocho Tá na Casa” é um projeto financiado pela FCT, uma parceria CICS.NOVA, NOVA FCSH, CIES-Iscte e CRIA. A produção é da Associação Wamãe I Antropologia Pública.

Follow!

WebSeries: Em Movimento.

Em fevereiro de 2020 (antes da pandemia de corona vírus), fomos dar um rolê com o antropólogo e professor da Unifesp, Alexandre Barbosa Pereira. A proposta foi partir de sua casa, localizada na região de Cidade Ademar, na zona sul de São Paulo e passar por diferentes espaços, nos quais o pesquisador concentrou suas etnografias sobre juventude, sociabilidade e formas de conflito urbano. Durante a caminhada usamos casos como a piXação*, os rolezinhos e a ocupação criativa de praças públicas, para refletir sobres a seguinte pergunta: o que as ações transgressivas das juventudes periféricas são capazes de revelar sobre a lógica e os mecanismos de gestão dos grandes centros urbanos brasileiros? Essa prosa foi o piloto de uma série de conversas com pesquisadores de temas relevantes para a memória social do país, hoje lançamos o Ep 1 nomeado de “Cidade de Riscos: Juventudes e Urbanização Necropolítica” com o convidado Alexandre Barbosa Pereira.

Ficha técnica:

Roteiro e direção: Guilhermo Aderaldo e Daniel Fagundes

Fotografia: Daniel Neves Edição: Daniel Fagundes

Som direto: Guilhermo Aderaldo

Fiunalização e motion grafic: Lucas Henrique Ramos Marques da Silva

Produção: Caramuja

Na Quinta com Kally

O premiado documentario Na Quinta com Kally do Otavio Raposo está agora disponível para consulta.

Password: mocho

Sinopse

Todas as semanas, Kally e Ema percorrem as ruas da Quinta do Mocho para mostrar aos visitantes as obras de uma das maiores galerias de street-art ao ar livre da Europa. O bairro, considerado “problemático” e “violento”, soube dar a volta aos estereótipos e tornou-se um exemplo da riqueza cultural das periferias de Lisboa. Aproveitando-se da boleia da arte urbana, os seus moradores são os principais responsáveis por esse processo de requalificação discursiva. São eles que impulsionam as visitas guiadas, compõem canções de intervenção e criam coletivos culturais que valorizam o bairro. As expressões artísticas nascidas no Mocho são “gritos de resistência” ao racismo, à precariedade laboral e às imagens mediáticas que o representam negativamente. O filme mostra como a vida de Kally, Ema e o filho está interligada com a reinvenção da Quinta do Mocho. Acompanhamos o quotidiano dessa família que, ao insistir em lutar por uma vida melhor, também afirma o bairro como um ativo celeiro de produção cultural.

Realização: Otávio Raposo

Montagem: Filipe Ferraz e Otávio Raposo

Pesquisa, filmagem e som: Otávio Raposo

Duração: 27 min.

Ano: 2019

NU BAI – O rap negro de Lisboa

Otavio Raposo, membro da rede e integrante da VISUAL.Etnourb, disponibiliza este documentário em aberto para toda a comunidade. Não hesitem em consultá-lo.

SINOPSE

Cova da Moura, Arrentela e Porto Salvo. O rap negro da periferia forma um cordão à volta de Lisboa. Para apontar o dedo ao racismo, à exclusão, à violência policial, à pobreza. Vida de preto. “Hip hop é intervenção. Não quero ninguém a dançar, mas a pensar”, diz Jorginho, um dos oito rappers entrevistados.

Este documentário ouve o canto, solta a voz, não reprime os sonhos, os desabafos, o desejo de vingança, o diálogo-monólogo quase surreal. “Eu sonhei que estava a voar na Pedreira dos Húngaros.” O som do beat box e poesia em crioulo a reinventar a vida, para que um dia tenham o seu Malcom X, os seus Panteras Negras. É o futuro. O hip hop é a arma.

Ficha tecnica

Realização: Otávio Raposo

Montagem: João Rosas

Filmagem: Otávio Raposo, João Pires, Rasputini, Hazard Gibson e Biru

Som: Otávio Raposo, João Pires e Nuno Barbosa

Pesquisa e argumento: Otávio Raposo

Duração: 60 min.

Ano: 2007

Prémios: Melhor filme documentário no ViMus – Festival Internacional de Vídeo Musical da Póvoa de Varzim em 2007