Pannel: Ordinary affects and the everydayness of cities in transition: material and social dimensions of change

Call for abstracts of the V Midterm Conference of ESA RN37 (Urban Sociology)

Chairs
Sonja Lakić (CY Cergy Paris University, France, sonja.lakic@gssi.it)
Graça Cordeiro (ISCTE – University Institute of Lisbon, Portugal, graca.cordeiro@iscte-iul.pt)
Patricia Pereira (NOVA University Lisbon, Portugal, ppereira@fcsh.unl.pt)

Panel format
Traditional with a variety of contribution formats (see the summary)

Summary
This panel calls for an understanding of human lives in urban environments that are undergoing different forms of transition – i.e. post-disaster, post-industrial, post-colonial, post-socialist cities, and/or “instant cities” (Agier, 2020) – and invites authors to examine the dynamic/interchangeable relationship between material and social dimensions of change through the perspective of “ordinary affects” (Stewart, 2007). The latter, hereby understood as “a shifting assemblage of practices and practical knowledges, a scene of both liveness and exhaustion, a dream of escape or of the simple life” (Stewart, 2007)
encourages studies that come into contact with real people and their socio-spatial practices, operating from and within “the scale of the everyday” (Tonkiss, 2013). We call for contributions that blend human experience with the alterations of the built fabric and/or shed a light on “people as infrastructure” (Simone, 2004), as well as those related to the politics of reciprocity and solidarity within research (and research/activism).
We look forward to different portrayals of tactics and strategies of doing the urban and exercising the right to the city, and are interested in both traditional formats of presentations, as well as other than conventional contributions. We encourage authors to take different urban scales into account and bring to light diverse (methodological) approaches, while being particularly open for contributions based on a wide variety of creative approaches and visual methods. We, therefore, welcome research papers, as well as research-based videos and short films (up to 15mins), research-based commented photo essays and/or performances, as well as activists’ diaries, biographical narratives, storytelling, comic books etc. The topics may include but are not limited to: practices of homemaking and experiences of home life, different forms of informal and extra-legal spatial appropriation, urban imaginaries, urban assemblage, buildings as living archives, cultural production of space, grassroots / DIY / self-organisation and bottom-up initiatives, urban memory, identity and citizenship, urban classifications, naming processes and urban lexiques (Topalov, 2017).

References
Agier Michel (2020). “Utopie, dystopie, non-fiction. Faires ville, faire communauté”.
Availableat:https://formes.ca/territoire/articles/les-instant-cities-villes-reimaginees-sans-histoire-sans-avenir; accessed on 01/02/2022.
Simone AbdouMaliq (2004). People as Infrastructure: Intersecting Fragments in
Johannesburg. Public Culture, 16(3), pp. 407-429.
Stewart Kathleen (2007). Ordinary Affects. Duke University Press.
Tonkiss Fran (2013). Cities by Design: The Social Life of Urban Form. Cambridge: Polity Press.
Topalov, Christian (2017) “Comment se produisent les classifications urbaines? Le cas des
espaces stigmatisés” Mots. Les langages du politique [En ligne], 114:
http://journals.openedition.org/mots/22860 ; DOI : https://doi.org/ 10.4000/mots.22860,
accessed on 01/02/2022.

Call for abstracts: Seeing Like a City / Seeing the City Through: ESA RN37 V Midterm Conference

The call for abstracts for the ESA RN37 V Midterm Conference is now open with 27 thematic pannels. Check them all here.

Pannel 11. “Ordinary affects and the everydayness of cities in transition: material and
social dimensions of change” is chaired by Sonja Lakić (CY Cergy Paris University, France), Graça Cordeiro (ISCTE – University Institute of Lisbon, Portugal) and Patricia Pereira (NOVA University Lisbon, Portugal).

Abstract proposals must be submitted by May 6, 2022 through the following link:
https://forms.gle/kiymngod1MBzfRKi7

The conference will take place in Berlin at the Georg Simmel Center for Metropolitan Research, Humboldt University, in October 5-7 2022.

Lançamento do livro: Mediações Arquitetônicas. Redes profissionais e práticas estatais no Rio de Janeiro

Quinta-feira, dia 23/09 às 18h (hora de Brasília).


A conversa conta com os organizadores: Gabrielle da Costa Moreira, Roberta Sampaio Guimarães, Antônio Agenor Barbosa, e com a convidada Julia O’Donnell. A mediação fica a cargo de Rafael Gutierrez, editor da Papéis Selvagens.


O encontro será transmitido pelo youtube da editora Papéis Selvagens. Não percam!

Eleição de Lígia Ferro para presidente da ESA

No dia 3 de setembro Lígia Ferro foi eleita por larga maioria para presidente da ESA (European Sociology Association), no final da 15ª conferência da associação. É um grande orgulho para todos os e as membros da Rede de Etnografia Urbana!

Veja aqui:

https://www.europeansociology.org/esa-new-president-executive-committee-term-2021-2023?fbclid=IwAR0EYLDgZvt-RZiaD0WQWm2OoPHnINxChKkrcPBkm-eAdN0IELYvBP2zz3Q

Fotografia facebook

Etno.Urb na 15ª conferência da ESA

Hoje, 2 de setembro, a coordenação da Rede fez uma apresentação na 15ª conferência da ESA, online, com o título “Doing Urban Ethnography in a changing world: building bridges between Portugal and Brazil”, no painel da Research Network 37 Urban Sociology, RN37_T07_02: Exploring urban changes.

A apresentação falou da Rede em geral e da Etnografia Urbana em particular, como os etnógrafos urbanos trabalham e a importância da nossa rede de trabalho, e analisou a questão de falarmos e partilharmos trabalho em língua portuguesa.

 

Aqui o resumo:

ETNO.URB (Urban Ethnography Network) is a collaborative international network created in 2016 that brings together Portuguese-speaking social scientists, based mainly in Portugal and Brazil, who use the ethnographic method to tackle different aspects of social life in cities.
This presentation aims to discuss a set of recurrent topics of debate within the network: what is the reciprocal intellectual impact of production in the fields of urban sociology and urban studies to understand the current socio-political contexts in Portugal and Brazil? How can urban ethnography contribute to the understanding of agencies, resistances, and the dispute of identities in the main Brazilian and Portuguese cities? How should we approach urban contexts in times of COVID-19 and beyond? Considering previous and current research projects developed within the ETNO.URB network, we will open the debate on the potentialities of urban ethnography and on the power of collective work to understand the complexities of our changing urban world.

Eviction, Gatekeeping and Militant Care: Moral Economies of Housing in Austerity London

A próxima leitura ETNOURB será dinamizada por Giacomo Pozzi e terá lugar no dia 23 de Março às 15h. O texto em discussão “Eviction, Gatekeeping and Militant Care: Moral Economies of Housing in Austerity London” foi publicado na Ethnos em 2020 e é da autoria de Matt Wilde. Partilhamos aqui o resumo:

“This article uses the lens of moral economies to examine the everyday experience of eviction, precarious housing and grassroots activism in contemporary London. Situated within a context of ongoing austerity measures, it explores how divergent, conflicting and overlapping moral economies of housing emerge both within the state and at its margins, as local authorities struggle to reconcile contradictory obligations to both uphold property relations and offer a duty of care to tenants. The article shows how being precariously housed is experienced as a series of disorientating advice and support encounters in which the right to state assistance is contested by low-income tenants, state housing officers and community activists. It contends that these encounters are surface-level expressions of a deeper underlying struggle over the political and moral status of housing, in which the unresolved tension between housing as a home and housing as a commodity shapes contested visions of economic justice.”

Matt Wilde (2020): Eviction, Gatekeeping and Militant Care: Moral Economies
of Housing in Austerity London, Ethnos, DOI: 10.1080/00141844.2019.1687540

A sessão será online, sigam este link:

https://videoconf-colibri.zoom.us/j/82403155854

Atores do pó na idade da pedra: relatos de uma revisitação etnográfica a territórios psicotrópicos do Porto

Simão Mata, membro ETNO.URB, defendeu recentemente a sua tese, “Atores do pó na idade da pedra: relatos de uma revisitação etnográfica a territórios psicotrópicos do Porto”, orientada por Luís Fernandes, na Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto (FPCEUP). 

Parabéns, Simão!

Resumo 

Este trabalho é uma revisitação etnográfica a atores e territórios psicotrópicos situados no interior ou nas imediações de bairros de habitação social da zona ocidental do Porto. A primeira etnografia, que a nossa agora revisita, decorreu entre 1990 e 1995 nos mesmos espaços. Tal como nessa pesquisa, o fenómeno droga e seus protagonistas foram o nosso principal foco de investigação. As questões que nos orientaram podem ser formuladas da seguinte forma: que diferenças e semelhanças encontramos ao nível da expressão do fenómeno droga nesses territórios entre as duas etnografias? Como evoluíram as trajetórias de alguns atores das drogas da zona já caracterizados pelo primeiro etnógrafo? Que mudanças e permanências se registam ao nível ecossocial da zona envolvente entre as duas etnografias?  

O trabalho de campo teve uma fase exploratória e outra intensiva. A primeira situou-se entre outubro de 2009 e dezembro de 2013 e foi realizada a partir de uma equipa de redução de riscos e minimização de danos que se desloca diariamente a estes territórios; a fase intensiva ocorreu entre dezembro de 2014 e março de 2018. A longa presença no terreno fez uso de várias técnicas, sendo que a principal foi a observação naturalista, tanto nas modalidades não participante como na participante. Socorremo-nos também do uso de informantes-privilegiados (pudemos contar com aquele que já tinha acompanhado o primeiro etnógrafo), entrevistas etnográficas, recolha documental, Go-Along e fotografia.  

Os resultados da revisitação mostram que a expressão do fenómeno droga nos territórios psicotrópicos, seja ao nível da venda seja do consumo, guarda bastantes semelhanças com aquilo que a etnografia inicial já evidenciara: um considerável fechamento e defensividade destes territórios face à zona envolvente e uma elevada capacidade de desarticulação e mobilidade territorial face ao controlo social, nomeadamente o da polícia. Quanto aos atores sociais, constatámos uma elevada mortalidade entre os indivíduos que protagonizavam o fenómeno na primeira metade dos anos 90 nestes territórios. A análise das suas trajetórias mostrou uma elevada morbilidade (nomeadamente hepatites, cancros, SIDA…), marcando as últimas etapas de vida destes atores. Os nossos resultados sugerem ainda uma relação entre o agravamento do seu estado de saúde e as práticas de risco associadas ao consumo de drogas, em particular a troca de seringas e outros materiais entre utilizadores por via intravenosa. As trajetórias destes sujeitos mostraram-nos também passagens pelos sistemas de tratamento para os problemas relacionados com drogas e pelo sistema prisional que, nalguns casos, intensificaram o seu quadro de vida já precário. Chamamos, por isso, à passagem por estas instituições “experiências de mortificação”.  

 Os interessados em aceder ao documento podem contactar diretamente o autor.

“Life comes before buildings: How to do Urban Studies PhD Research from the Scale of the Everyday”, Sonja Lakic na Sessão Inaugural do Doutoramento em Estudos Urbanos 2020/2021

A sessão inaugural do Doutoramento em Estudos Urbanos 2020/2021, um programa doutoral realizado em associação entre a NOVA FCSH e o ISCTE-IUL, terá lugar no dia 23 de Outubro às 18h, no Auditório Mário Murteira no ISCTE.

Sonja Lakic, membro da rede ETNOURB, será uma das oradoras, com uma apresentação intitulada “Life comes before buildings: How to do Urban Studies PhD Research from the Scale of the Everyday”.

Filipa Ramalhete, investigadora do CICS.NOVA, fará a outra apresentação, com o título “Investigação: processo e resultados no Atlas Almirante Reis“.

O evento será também transmitido em streaming por zoom com acesso através do ID: 858 5282 1256

Os Mercados e os Dilemas da Autenticidade. Uma análise do Mercado Central de Belo Horizonte

Artigo de Luciana Teixeira de Andrade, membro da nossa rede ETNOURB, na revista Interseções. Revista de Estudos Interdisciplinares (2017).

Resumo:

Nas últimas décadas, os mercados de abastecimento, presentes em muitas grandes cidades brasileiras, passaram por uma crise e uma nova significação, em função da concorrência com as recentes formas de comércio a varejo. Vários foram fechados, e outros conseguiram sobreviver a partir da narrativa de lugar autêntico e do seu reconhecimento como patrimônio e atração turística. Este artigo propõe discutir essas novas representações dos mercados, assim como os seus dilemas a partir de um caso ocorrido no Mercado Central de Belo Horizonte. Criado em 1929 e situado na área central da cidade, em 2007, o Mercado ocupou as esferas públicas de discussão quando veio a público o fato de que uma antiga loja de alimentos a granel, fechada por decisão de seus proprietários, seria substituída por outra de uma grande rede de eletro- eletrônicos.Com base nesse episódio discutem-se as dimensões patrimoniais e turísticas dos atuais mercados ancoradas no discurso da autenticidade. Para tanto, ele se estrutura em três partes. Uma primeira analisa a construção de uma narrativa de autenticidade em torno de bens urbanos, a segunda situa historicamente o Mercado Central, e a última analisa a polêmica desencadeada a partir do fechamento e substituição de uma das suas lojas.

Criminalização dos graffiti em Portugal: dois passos atrás do tempo, Lígia Ferro no Público

Baseando-se na sua investigação sobre o graffiti em Lisboa, Barcelona e Nova Iorque (Da Rua para o Mundo, ICS, 2016), Lígia Ferro, membro da nossa rede, escreve um artigo de opinião acerca da proposta de criminalização da prática:

“Vemos agora o Governo de António Costa anunciar a pretensão de criminalizar a prática do graffiti, fazendo tábua rasa das experiências internacionais e mesmo do bom exemplo recente da Câmara Municipal de Lisboa. A senhora ministra da Justiça pretende dar dois passos atrás com esta proposta de criminalização. A justificação passa pelo aumento das inscrições nos comboios durante o período de confinamento, assim como pelo valor que se tem despendido na limpeza dos mesmos. Propõe-se assim uma solução legal de criminalização que apenas nos vai custar mais impostos, não oferecendo qualquer garantia de sucesso na eliminação das inscrições.” (Lígia Ferro, Público, 1/10/202)

Handle with Care: Tales of the Invisible / Cuidar: Contos do Invisível

Sonja Lakic é curadora de Handle with Care: Tales of the Invisible / Cuidar: Contos do Invisível, em exposição na Trienal de Arquitectura de Lisboa, de 15 de Outubro a 15 de Novembro de 2020.

“A exposição de arquitectura tem como ponto de partida os acervos de três instituições culturais europeias que são membros da Future Architecture Platform: o Museu de Arquitectura e Design de Liubliana (Eslovénia), o MAXXI Museu Nacional de Artes do Século XXI de Roma (Itália), e o Museu de Arquitectura da Estónia sediado em Talin. Comissariada pela Trienal, esta proposta expositiva propõe, pela primeira vez, uma interligação entre autorias emergentes seleccionadas a partir das candidaturas ao call da Future Architecture Platform de 2020 e os membros desta extensa rede que junta 22 países. “

Leiam aqui a entrevista à arquitecta e investigadora pelo blog Architectuul a propósito da exposição e de outros trabalhos .

Novo site da Panoramas Urbanos – Extensão

Urpi Uriarte faz parte deste projeto de extensão e enviou-nos a seguinte mensagem, relativa a 15 de setembro de 2020, que reproduzimos:

Nós, PANORAMAS URBANOS-EXTENSÃO, temos a imensa satisfação de lançar, hoje, o NOSSO SITE. Trata-se de um trabalho que nasce a partir da disciplina ACCS FCHL68 “Habitar Casarões Ocupados no Centro”, ofertada desde 2018.1 na Universidade Federal da Bahia, que nos permitiu trabalhar com os movimentos MSTB, AMACH e Centro Cultural “Que Ladeira É Essa?”, do centro de Salvador, buscando ser uma ponte entre universidade e sociedade. Com o intuito de divulgar suas lutas e pontos de vista dos habitantes, produzimos nossa plataforma digital panoramasurbanos.com.br, na qual disponibilizamos os trabalhos coletivos produzidos nos últimos 2 anos. Ela está disponível a partir de hoje, 15 de setembro e, por enquanto, a visualização dos mapas funcionará apenas para computador. Deixamos nossas portas virtuais abertas para a interatividade com os trabalhos, assim como, para qualquer contribuição, comentários ou sugestões. Aproveitem!

https://www.panoramasurbanos.com.br/