Pannel: Ordinary affects and the everydayness of cities in transition: material and social dimensions of change

Call for abstracts of the V Midterm Conference of ESA RN37 (Urban Sociology)

Chairs
Sonja Lakić (CY Cergy Paris University, France, sonja.lakic@gssi.it)
Graça Cordeiro (ISCTE – University Institute of Lisbon, Portugal, graca.cordeiro@iscte-iul.pt)
Patricia Pereira (NOVA University Lisbon, Portugal, ppereira@fcsh.unl.pt)

Panel format
Traditional with a variety of contribution formats (see the summary)

Summary
This panel calls for an understanding of human lives in urban environments that are undergoing different forms of transition – i.e. post-disaster, post-industrial, post-colonial, post-socialist cities, and/or “instant cities” (Agier, 2020) – and invites authors to examine the dynamic/interchangeable relationship between material and social dimensions of change through the perspective of “ordinary affects” (Stewart, 2007). The latter, hereby understood as “a shifting assemblage of practices and practical knowledges, a scene of both liveness and exhaustion, a dream of escape or of the simple life” (Stewart, 2007)
encourages studies that come into contact with real people and their socio-spatial practices, operating from and within “the scale of the everyday” (Tonkiss, 2013). We call for contributions that blend human experience with the alterations of the built fabric and/or shed a light on “people as infrastructure” (Simone, 2004), as well as those related to the politics of reciprocity and solidarity within research (and research/activism).
We look forward to different portrayals of tactics and strategies of doing the urban and exercising the right to the city, and are interested in both traditional formats of presentations, as well as other than conventional contributions. We encourage authors to take different urban scales into account and bring to light diverse (methodological) approaches, while being particularly open for contributions based on a wide variety of creative approaches and visual methods. We, therefore, welcome research papers, as well as research-based videos and short films (up to 15mins), research-based commented photo essays and/or performances, as well as activists’ diaries, biographical narratives, storytelling, comic books etc. The topics may include but are not limited to: practices of homemaking and experiences of home life, different forms of informal and extra-legal spatial appropriation, urban imaginaries, urban assemblage, buildings as living archives, cultural production of space, grassroots / DIY / self-organisation and bottom-up initiatives, urban memory, identity and citizenship, urban classifications, naming processes and urban lexiques (Topalov, 2017).

References
Agier Michel (2020). “Utopie, dystopie, non-fiction. Faires ville, faire communauté”.
Availableat:https://formes.ca/territoire/articles/les-instant-cities-villes-reimaginees-sans-histoire-sans-avenir; accessed on 01/02/2022.
Simone AbdouMaliq (2004). People as Infrastructure: Intersecting Fragments in
Johannesburg. Public Culture, 16(3), pp. 407-429.
Stewart Kathleen (2007). Ordinary Affects. Duke University Press.
Tonkiss Fran (2013). Cities by Design: The Social Life of Urban Form. Cambridge: Polity Press.
Topalov, Christian (2017) “Comment se produisent les classifications urbaines? Le cas des
espaces stigmatisés” Mots. Les langages du politique [En ligne], 114:
http://journals.openedition.org/mots/22860 ; DOI : https://doi.org/ 10.4000/mots.22860,
accessed on 01/02/2022.

Call for abstracts: Seeing Like a City / Seeing the City Through: ESA RN37 V Midterm Conference

The call for abstracts for the ESA RN37 V Midterm Conference is now open with 27 thematic pannels. Check them all here.

Pannel 11. “Ordinary affects and the everydayness of cities in transition: material and
social dimensions of change” is chaired by Sonja Lakić (CY Cergy Paris University, France), Graça Cordeiro (ISCTE – University Institute of Lisbon, Portugal) and Patricia Pereira (NOVA University Lisbon, Portugal).

Abstract proposals must be submitted by May 6, 2022 through the following link:
https://forms.gle/kiymngod1MBzfRKi7

The conference will take place in Berlin at the Georg Simmel Center for Metropolitan Research, Humboldt University, in October 5-7 2022.

VIII Congresso da APA

O VIII Congreso da Associação Portuguesa de Antropologia terá lugar de 6 a 9 de setembro de 2022 na Universidade de Évora.

São muitos os paneis organizados por membros da rede que foram aprovados, e atualmente encontram-se a aceitar trabalhos até o dia 18 de março de 2022. Para submeter deverão enviar directamente a proposta aos coordinadores do panel.

Para mais informação consultem a página oficial do congreso.

Podem consultar todos os paneis aprovados aqui. A seguir encontrarão os quatro coordenados pro membros da ETNOURB:

P036

Lifestyle Migration: Mobilidades privilegiadas e mudança urbana nas cidades Portuguesas.

Coordenador / Coordinator: Daniel MALET CALVO

P043

Juventudes, Estéticas e Políticas ante os Desafios do Século XXI.

Coordenador / Coordinator: Frank MARCON
Co-coordenador / Co-coordinator Otavio RAPOSO

P045

O desafio do urbano: interseções, resistências, utopias.

Coordenador / Coordinator: Graça ÍNDIAS CORDEIRO

Co-coordenador / Co-coordinatorJoan Josep PUJADAS

P046

A Antropologia nas Escolas.

Coordenador / Coordinator: Lurdes PEQUITO

Co-coordenador / Co-coordinatorRita CACHADO

P014

No rastro da pandemia: pensar e repensar a alimentação, suas práticas, consumos e transições para os novos anos vinte

Coordenador / Coordinator: Joana LUCAS

Co-coordenador / Co-coordinatorJoana CATELA

CfP “Fronteiras, ativismos e (i)mobilidades: perspectivas estético-políticas” / “Borders, activisms and (i)mmobilities: aesthetic and political perspectives, Cadernos de Arte e Antropologia

Guest Editors: Bianca Freire-Medeiros (USP/Brazil), Fernanda da Costa Portugal Duarte (NCSU/USA), Guilhermo Aderaldo (UFPEL/Brazil)

Deadline: 30/06/2021

Accepted languages: Portuguese, English, Spanish and French.

Desde a primeira metade dos anos 2000, a “virada das mobilidades” tem interpelado a teoria social contemporânea a se voltar para o enredo da globalização como causa e efeito, tanto do incremento das várias formas de deslocamento humano (do refúgio ao turismo), quanto da aceleração vigiada dos fluxos de materialidades e signos. Neste sentido, uma miríade recente de estudos socio-antropológicos tem apontado que a promessa de um mundo sem fricção territorial produzida por entusiastas da mundialização, deu lugar à multiplicação de tecnologias “preventivas”, amparadas em discursos de (in)segurança. Em conjunto, transformaram as fronteiras em estruturas mais complexas e capilarizadas, as quais permitem a alguns circular por rotas protegidas, enquanto inviabilizam – ou tornam mais arriscada – a mobilidade de outros. 

Tais fronteiras são zonas liminares, geográficas e simbólicas, que implicam transformações subjetivas e políticas ao evidenciarem, por exemplo, o contraste que distingue “trabalhadores indocumentados” e “cidadãos”, ou “turistas” e “vagabundos”. Não se trata, portanto, de muros ou check points, necessariamente, mas de espaços, protocolos, códigos e práticas de normalização e diferenciação que se formam a partir das fricções que marcam os sistemas de desigualdades.

Nesse mundo de mobilidades e imobilidades, uma série de manifestações no campo do ativismo artístico/cultural ou da criação estética, tem se dedicado a atribuir visibilidade às estruturas ocultas, responsáveis pela manutenção das desigualdades subjacentes ao sistema hegemônico e que se expressam na multiplicação de fronteiras em diversas escalas. Experimentações envolvendo práticas como midiativismo, contracartografias, performances, engenharia reversa, entre outras, têm nos auxiliado a alterar o eixo cognitivo que organiza nossa percepção sobre os territórios que atravessam nossas vidas cotidianas, problematizando referenciais epistêmicos que tendemos, muitas vezes, a naturalizar.

Convidamos pesquisadores de distintas áreas disciplinares que, partindo destas questões e em diálogo com os estudos de mobilidade, venham colaborar com artigos e ensaios (áudio)visuais capazes de promover reflexões originais sobre a combinação entre espaços fronteiriços, ativismos artísticos/epistêmicos e (i)mobilidades. As submissões poderão colaborar com discussões relacionadas (mas não limitadas) aos tópicos que seguem:

•    Migrações e apropriações simbólicas das fronteiras nacionais
•    Experiências artístico-culturais em contextos de mobilidades turísticas, sobretudo em territórios sensíveis (favelas, periferias, zonas de conflito)
•    Contracartografias e deslocamentos cognitivos 
•    Financeirização da moradia, disputas fundiárias e litígios imagéticos sobre a cidade
•    Fluxos visuais em situações de vulnerabilidade extrema: (i)mobilidades durante a pandemia de covid-19
•    Métodos “móveis” e novas perspectivas epistêmicas sobre as formas estéticas e políticas subjacentes aos conflitos sociais contemporâneos;
•    Práticas culturais juvenis e insurgências nos espaços urbanos

Todas as contribuições devem ser submetidas pelo portal da revista Cadernos de Arte e Antropologia e estar em acordo com as regras para submissão de artigos definidas no portal (http://cadernosaa.revues.org/). Questões sobre a adequação potencial de tópicos, expectativas editoriais ou quaisquer outras perguntas relacionadas a este número especial podem ser dirigidas diretamente aos editores convidados, através do endereço de e-mail guiade@ymail.com.

Chamada de artigos para publicação na revista (Syn)thesis – Cadernos do Centro de Ciências Sociais da UERJ. Dossiê “A Escola de Chicago Revisitada”.

ATENÇÃO AO PRAZO – 20 DE OUTUBRO

Este dossiê – coordenado pelo Profa. Vânia Morales Sierra da UERJ e pela profa. Wania Amélia Belchior Mesquita da UENF – objetiva apresentar uma  revisão do interacionismo simbólico criado pela Escola de Chicado, trazendo contribuições de autores como  Robert Park, Nell Anderson, Ernest Burgess, Goffman, William Foote Whyte, Clifford Shaw, entre outros.

A revista encontra-se disponível em:  http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/synthesis

Os trabalhos, que além de artigos, podem ser notas de pesquisa, notas de campo, entre outros, deverão ser submetidos para avaliação por e-mail para vaniasierra@yahoo.com.br

Session “The tourist city: opportunities, challenges and conflicts.” Call for abstracts

The call for papers/abstracts is open for the Session “The tourist city: opportunities, challenges and conflicts” – IV Midterm Conference of ESA’s RN 37 (Urban Sociology). This Session is co-chaired by Frédéric Vidal, ETNO.URB member.

Submit your abstract here. Deadline: April 3rd

Call:

For centuries cities have been points of arrival and departure of people, the place where different cultures and religions meet. During the modern period, tourism and tourists have been perceived and described as an important factor of urban transformation. A positive vision of tourism and tourist presence in the city have dominated: linked to the idea of modernity, economical potential, openness,
cosmopolitanism and the durable transformative potential of travel and tourism in the formation of modern conceptions about urban space, urban sociability, and leisure. Over time, tourists and their selective routing of territories have left an imprint in urban planning, design and culture. This process generated tensions and contestations (disputes) that have changed according to the evolution of nature and scales of tourism phenomena. Tourism and tourist practices have been described as source of potential conflicts and worries for the economic, environmental and cultural or political balances with the host communities. Accelerating changes in tourism (volume, intensity and profile of tourism in circumscribed contexts or areas) brought new patterns such as “impact” of “mass tourism” and more recently “resistance” and “protest” have been stressed, creating new approaches and conceptual framework to analyse urban tourism. The growth of low-cost travel flights along with short term rentals through online APPs is drastically changing former inner city residential neighbourhoods.
The study of urban tourism is characterized also by a series of paradoxes that provide topics for more scientific investigation. Ironically, in old city centres, where cultural heritage is nowadays transformed into main touristic attraction, commodification and disneyfication processes may pave the way for a caricature stripped of the “essence” that is supposed to be preserved both for branding and cultural heritage purposes. Conflicts are key processes of city and urban identity making, and they can occur
and be part of a wide variety of situations and contexts that convene social actors with different roles, positions, purposes and benefits in the tourist practices and places. Instead of a rigid dichotomy between tourists and locals, new categorizations emerge that seek to capture the new ways of mobility and living. Even if urban tourism has become extremely important for city policies, it has received little attention from interdisciplinary theoretical research and more specific contributions on practical aspects such as over-tourism management and coping with tourism resistance and protest. This session has the aim to discuss the power of tourism and the conflicts that come attached to it in reshaping cities both real and imagined and to promote the exchange of ideas and practices around the urban tourism theme, especially concerning a sociological approach but also open to other disciplines (eg. history, geography and anthropology). It will investigate topics such as platform urbanism, city imaging and branding, urban regeneration and gentrification, disneyfication, foodscapes and foodification, urban policies and urban functions, redefining urban citizenship, city belonging and anti-tourism movements.

Chairs:

Alexandre Vaz (CICS.NOVA of Lisbon, avazphoto@yahoo.com), Paolo Giaccaria (University of Turin, paolo.giaccara@unito.it), Frédéric Vidal (UAL – Autonomous University of Lisbon, fvidal@autonoma.pt), Maria Cristina Martinengo (University of Turin, mariacristina.martinengo@unito.it), Francesca Zanutto (University of Turin,
francesca.zanutto@unito.it)

“Debating Urban Ethnography: limits and potentialities”. ETNOURB roundtable at the ESA RN37 (Urban Sociology) IV Midterm Conference

The call for abstracts is open for participation in our roundtable “Debating Urban Ethnography: limits and potentialities” (n. 23) within the ESA RN37 (Urban Sociology) IV Midterm Conference . We are not calling for “classical” paper abstracts, but for abstracts describing how you will contribute to a roundtable debate about urban ethnography within the topics described below.

Submit your abstract/participation proposal here. The deadline is April 3rd.

Call:

Magnani’s suggestion of a qualitative urban approach through the use of ethnography is seeing “social actors not as isolated elements… but that, through the vernacular use of the city (of space, equipment, institutions) in the spheres of work, religiosity, leisure, culture, and strategies of survival, they are responsible for its daily dynamics.” (2002: 18) Hence, we believe that urban ethnography, through individuals’ lenses, and by analysing the present (or the past through testimonies and life trajectories) can contribute to better understand urban contexts, processes and dynamics. There are three main questions that we want to approach in this session: Thinking of urban ethnography as a qualitative method, how is it used by different social sciences? What skills do urban ethnography courses offer to researchers? Therefore, we invite urban researchers that have formerly included ethnography in their methodological approaches; other researchers that specifically identify themselves with urban
ethnography as a qualitative method that lives by itself as a branch in the tree of socio-anthropological; researchers that wish to discuss the limits and potentialities of urban ethnography; other researchers and teachers interested in this kind of urban approach.

Specific topics may include:
Urban ethnography and interdisciplinarity;
Urban ethnography practiced by sociologists and other social scientists;
Urban ethnography and social responsibility;
Urban ethnographic records and archives;
Network analysis resulting from urban ethnographies;
Ethnographic short incursions and its usefulness.

This session is organized by the coordinators of ETNO.URB (Urban Ethnography Network), an international network of researchers, mostly sociologists and anthropologists but also historians and architects, working mainly in Portuguese speaking contexts. The session is an opportunity for us to debate with other urban researchers and to share the history of our network in two dimensions: (i) the process of making this network a formal one, and (ii) describing the diversity of researchers and disciplines among members.

Chairs:

Patrícia Pereira (NOVA University of Lisbon, patricia.pererira@fchs.unl.pt),

Lígia Ferro (University of Porto),

Rita Cachado (ISCTE – University Institute of Lisbon, rita.cachado@iscte-iul.pt),

Renata Sá Gonçalves (Fluminense Federal University, renatagoncalves@id.uff.br)

Call for papers: IV Midterm Conference ESA / RN 37 (Urban Sociology) “Urban Theory and Urban Praxis: Past, Present and Possible Futures”

Está aberto, até dia 3 de Abril de 2020, o call for papers da IV Midterm Conference do RN 37 (Urban Sociology) da ESA.

Podem agora ser submetidos resumos às 24 Sessões que compõem a conferência cujo tema é “Urban Theory and Urban Praxis: Past, Present and Possible Futures“.

A rede ETNOURB está representada em duas dessas sessões: a n.º 22 “Debating Urban Ethnography: limits and potentialities”, proposta por Patrícia Pereira, Lígia Ferro, Rita Cachado e Renata Gonçalves, membros e coordenadoras da rede; e a n.º 9 “The tourist city: opportunities, challenges and conflicts”, proposta por Frédéric Vidal, membro ETNO.URB, e ainda por Alexandre Vaz, Paolo Giaccaria, Maria Cristina Martinengo e Francesca Zanutto.

A conferência terá lugar entre 2 a 4 de Setembro em Bolonha.

Submissão de abstracts: https://esarn37.hypotheses.org/2065

PAINEL Mobilidades em trânsito: planificação, mudança urbana e informalidade(s) nas cidades Africana

Deadline 24 de fevereiro 2020

11º Congresso Ibérico de Estudos Africanos, CIEA painel 60

Mobilidades em trânsito: planificação, mudança urbana e informalidade(s) nas cidades Africanas

Daniel Malet Calvo (ISCTE-IUL) – danielmalet@gmail.com

Gerard Horta (Universitat de Barcelona) – gerardh@movistar.es 

Abstract: O presente simpósio pretende convocar investigações sobre as mobilidades urbanas e interurbanas desenvolvidas na África, em especial aquelas que tratam dos processos sociais concomitantes aos projectos de transformação urbana. A nossa intenção é tratar das situações de transbordamento dos sistemas de mobilidade e transporte planificados e reflectir sobre a singularidade Africana dos fenómenos viários. A proposta se insere na preocupação pelas transformações das cidades Africanas em termos de planificação e reforma urbana, expressadas pela materialização de programas e projectos virados à melhoria das infraestruturas de mobilidade. Porém, as planificações se encontram com problemáticas inesperadas, como consequência da generalização de modalidades de transporte que transbordam as previsões de utilização, algumas mais recentes e outras que têm estruturado tradicionalmente a mobilidade intra e interurbana. Umas e outras mostram um leque alargado de tipologias conflituosas entre veículos colectivos motorizados, peões e automóveis para uso privado. A insuficiência e/ou a degradação estrutural dos transportes públicos deriva na aparição doutras opções para o deslocamento, não reguladas nem formalizadas pela Administração estatal. A presencia destes veículos influi sobre a fluidez viária e faz crescer a sinistralidade, mas paralelamente possibilitam aos indivíduos e grupos sociais o acesso à ubiquidade e à flexibilidade, que serão fundamentais para explicar o estado de movimento circulatório permanente característico da condição urbana hoje. Aliás, estas situações aparecem frequentemente associadas com fenómenos de informalidade, precarização laboral e insegurança rodoviária e, ao mesmo tempo, produzem e são produto duma série de representações locais e transnacionais sobre a mobilidade individual e colectiva, assim como do choque entre os modelos de planificação do transporte dominantes no ocidente, e os modelos locais desenvolvidos durante os últimos 50 anos.  

SUBMISSÃO DE COMUNICAÇÕES: https://ciea11.pt/index.php/submissao/comunicacoes  

XIV Congresso Luso-Afro Brasileiro (Conlab)

Deadline 15 de fevereiro de 2020 

XIV Congresso Luso-Afro Brasileiro (Conlab), 2 – 4 de setembro de 2020, Universidade de Coimbra http://ailpcsh.org/conlab2020/

No âmbito deste congresso chamamos a atenção para o GT34: “Estéticas engajadas e cidades: reflexões sobre ativismos, sociabilidades e representações políticas num mundo em crise” 

CoordenaçãoGuilhermo AderaldoOtávio RaposoGleicySilva Lígia Ferro  

A proposta deste Grupo de Trabalho (GT), dirige-se aos investigadores a trabalhar no domínio dos estudos urbanos e, mais especificamente, àqueles que se têm dedicado a reflexões, com diversos enfoques (em particular o etnográfico), sobre um conjunto de mobilizações e apropriações estéticas/políticas coletivas, que tem feito da cidade, simultaneamente, lugar e tema privilegiado de intervenções e formas de engajamento, por vezes – mas não sempre – implicadas num confronto com o sistema capitalista e a sociedade de mercado. Num momento em que os espaços públicos urbanos e as suas fronteiras (físicas e simbólicas) vêm se tornando alvo contínuo de múltiplas formas de uso e de disputa – que vão de manifestações artístico-ecologista-ativistas, passando por festas de rua, feiras dedicadas ao estímulo de práticas de “consumo engajado”, até “ocupações” e mobilizações políticas de perfil mais conservador – surgem novas indagações que, por sua vez, exigem maior aprofundamento analítico, tendo em vista o atual contexto de precarização das relações laborais, crise económica-ambiental e avanço de modelos ultraliberais e autoritários na geopolítica internacional. Assim, pensando na relevância destes debates, num momento em que profundas transformações no campo das tecnologias comunicativas têm se desdobrado em terrenos férteis para formas específicas de sociabilidade, associativismo e engajamento, o nosso objetivo será construir um espaço de diálogo entre pesquisadores interessados na partilha de reflexões sistemáticas sobre os novos significados e dimensões vinculados a essas práticas culturais urbanas e políticas no mundo contemporâneo.

Submissões: http://ailpcsh.org/conlab2020/?fbclid=IwAR0CO1E7AVRCm2VWxqnyucPP4ix4GbbLVKO0ZF6gfU8fj7s8cda4-j8ViaQ 

Call for papers: “Urban Anthropology in Iberian and Iberoamerican traditions” (EASA2020/Lisbon)

Graça Cordeiro (ISCTE-IUL), Heitor Frúgoli Junior (FFLCH/USP) e Joan Josep Pujadas (Universitat Rovira I Virgili), membros da Rede ETNO.URB, organizam o painel “Urban Anthropology in Iberian and Iberoamerican traditions” na conferência da EASA que terá lugar em Lisboa de 21 a 24 de Julho de 2020. O call for papers está aberto até 20 de Janeiro.

“Urban Anthropology in Iberian and Iberoamerican traditions” (Pannel 159)

EASA2020: 16th Biennial Conference of the European Association of Social Anthropologists “New anthropological horizons in and beyond Europe”

Short abstract:

We want to discuss the role that urban anthropologies in the Portuguese and Spanish languages have developed in their countries and regions, and with other focus of external anthropological production, and to what extent have negotiated against the mainstream of Anglo-Saxon hegemony in urban studies

Long abstract:

For a long time, cities and urban life have been subjects of anthropological reflection. However, only half a century ago the label ‘urban anthropology’ began to get recognition in the USA and almost simultaneously in Brazil. Problematizing the condition of human life in an increasingly urbanized world through ethnographic gaze continues to challenge anthropologists who recognize themselves in this field of approach which, pragmatically, continues to be termed as ‘urban anthropology’. With a strongly Anglo-Saxon “mainstream” tradition, different “urban anthropologies” have developed in different languages and particularly powerfully in Portuguese and Spanish ones. These two languages, that bind Southern Europe and Latin America, have testified a broad and complex colonial, postcolonial and migratory history. We basically want to discuss the way Brazilian, Portuguese, Mexican, Spanish urban anthropologies, among many others, have developed in their countries and regions, among themselves and with other focus of external anthropological production. We ask to what extent the national specificities have been negotiated against the mainstream of Anglo-Saxon hegemony in urban studies. Papers based on concrete research, critical development, free and personal reflections are welcome. We encourage focus on concepts, methodologies, models of analysis and comparison, narrative strategies, remarkable forums and reference that works / authors have in their production and / or the role that urban anthropologies in the Portuguese and Spanish languages play – both in terms of their communication and ‘internal’ impact, and in terms of ‘external’ impact and internationalization.

Deadline: 20/01/2020

21-24 July 2020 in Lisbon
ISCTE-University Institute of Lisbon and ICS-Institute of Social Sciences, University of Lisbon

Call for Entries – Urban Audiovisual Festival 2020

 

A Call for Entries do Urban Audiovisual Festival está aberta até 16 de dezembro e o evento é organizado por Manuel Garcia-Ruiz, Henrique Chaves, Bruna França de Pontes e Maria Runkel Cardoso. Na comissão científica estão também as membros Inês Pereira, a Lígia Ferro, a Patrícia Pereira e a Rita Cachado.

Texto da Chamada

O que acontece quando o sol cai?

A noite tem sido uma daquelas fronteiras invisíveis ao longo da história. Para muitos, representa o oposto do dia, para outros, a sua continuidade, para outros, a origem do todo. É, sem dúvida, um momento cheio de controvérsias, de imaginário, de desconhecido, mas também de oportunidades, trabalho e necessidades.

Quando pensamos em noite e cidade, é quase impossível não imaginar os neons e painéis exteriores de Las Vegas ou de Hong Kong ou de qualquer outro centro urbano. A luz elétrica revolucionou o espaço nocturno, expelindo a escuridão das ruas e, com ela, muitos personagens da noite. A cidade iluminada melhorou a circulação “depois de horas” de pessoas, carros e mercadorias, reduzindo riscos e acidentes, mas ao mesmo tempo criando novas sombras, e lugares para aqueles que não deveriam ser vistos durante o dia.

A cidade de 24 horas não dorme, é uma atividade constante, um fluxo contínuo de serviços e pessoas. Os profissionais de saúde, como médicos e enfermeiros, ficam em vigília para cuidar de um mundo exposto a constantes acidentes, doenças e emergências; bombeiros e policiais estão sempre em guarda para ajudar em caso de imprevistos … há muitos heróis que vivem na noite, heróis reais que não usam máscara nem capa.

Há muitas profissões que são desenvolvidas durante as horas de sono, como coletores de lixo, recepcionistas de hotel, transportistas, padeiros … há muitos que vivem de cabeça para baixo para que possamos ter as nossas ruas limpas, as nossas contas prontas, a nossa correspondência na caixa de correio ou o nosso pão ao pequeno almoço. Porém, como essas profissões, existem outras que trabalham nas sombras criadas entre postes de iluminação, algumas bem-vistas, como o pessoal de entrega de comida para os sem teto; outras, estigmatizadas, como os profissionais do sexo. A noite ainda é o outro lado de uma sociedade de contrastes.

A noite é, igualmente, o reino dos gatos pardos, aqueles que buscam o anonimato para viver suas fantasias, ou para cometer crimes atrozes. A noite é um momento desconectado que aproveita o sonho de muitos para criar cenários de ação, entretenimento ou fuga, ao som do karaokê, de sapato de plataforma e maquilhagem, ou com o vazio de um disparo.

 Não devemos esquecermos todos aqueles que mexem com o sofrimento, próprio ou de outrem, com as adições, com o desamparo, e a dor. A noite parece cobrir e desmascarar ao mesmo tempo a aqueles que moram nas margens de nossa sociedade. Os monstros dos irmãos Grimm continuam nos nossos dias, mas com outras caras. 

Por outro lado, a noite é também um momento festivo, de encontro e de socialização. Seja num bar, boate, festival ou festival de arte, as pessoas saem às ruas para se encontrar num ambiente diferente, construir memórias, encontrar novas pessoas ou até mesmo amar.

A noite é um espaço de possibilidades, de silêncio e esquecimento. O que acontece durante a noite, não tem que continuar depois do amanhecer. Falamos de momentos de continuidade e descontinuidade na cidade contemporânea, e seus retratos são especialmente bem vindos.

Convidamos a submissão de trabalhos que de alguma forma abordem a noite, num múltiplos rostos, que retrate o que acontece quando dormimos, que dá voz àqueles que não vemos quando moramos numa outra hora, … trabalhos que coloque a noite, no centro dos nossos olhares.

Chamada de artigos para Seção “Olhares Cruzados” da Revista Antropolítica

Encontra-se aberta a chamada para envio de artigos para a Seção “Olhares Cruzados”, da Revista Antropolítica, vinculada ao Programa de Pós Graduação em Antropologia da Universidade Federal Fluminense.

Os envios serão aceites até 30 de junho e a publicação está prevista para Agosto de 2019.

A seção tem como objetivo publicar artigos que reflitam sobre as várias dimensões que envolvem o fazer antropológico, priorizando a discussão sobre a perspectiva internacional, transnacional e/ou comparada na experiência do pesquisador.

São considerados bem vindos trabalhos que discutam essas dimensões em termos:

1) da realização do trabalho de campo, ou de experiências acadêmicas, de brasileiros no exterior ou de estrangeiros no Brasil;

2) das diferentes possibilidades de trocas acadêmicas articuladas, ou não, em acordos institucionais e os efeitos na construção ou consolidação de campos ou áreas de estudos;

3) ou, em termos mais gerais, das potencialidades, limitações e/ou desafios da utilização de perspectivas comparadas e comparativas na Antropologia.  

Os artigos submetidos serão inicialmente selecionados pelo Comitê Editorial e, posteriormente, submetidos à avaliação as cegas por pareceristas externos.

As contribuições devem ser enviadas, obedecendo ao prazo acima, pelo sistema eletrônico da revista: http://www.revistas.uff.br/index.php/antropolitica/about/submissions#onlineSubmissions. As normas para submissão dos textos são as mesmas válidas para artigos e encontram-se disponíveis: http://www.revistas.uff.br/index.php/antropolitica/about/submissions#onlineSubmissions