Tantas cidades em Lisboa

Estando a decorrer a Ticyurb (2018), relembramos o artigo de Fraya Frehse sobre a FICYUrb (2007) na Revista Ponto Urbe.

“Da noite do dia 10 até a noite do dia 12 de junho, Lisboa foi ponto de encontro de virtualmente todas as cidades do mundo. Ocorreu ali nesse período a First International Conference of Young Urban Researchers, organizada por pesquisadores do Centro de Investigação e Estudos em Sociologia (CIES) do Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE) sob a coordenação da antropóloga Graça Índias Cordeiro.

Etnografias Urbanas (2003)

Graça Índias Cordeiro, Luís Vicente Baptista, António Firmino da Costa (organizadores)

Olhar as cidades e a vida urbana numa perspectiva etnográfica constitui o desafio deste livro. Compreender as cidades de dentro, de baixo, a partir de uma relação próxima entre quem vê e quem é observado permite ir ao encontro do que de mais incerto e surpreendente as cidades nos têm para oferecer polícias, associações, culturas juvenis, práticas de lazer, territórios psicotrópicos, identidades étnicas, práticas habitacionais… Etnografias Urbanas reúne um conjunto de comunicações, comentários e reflexões, de cariz interdisciplinar, realizadas no encontro Cidade e Diversidade: Perspectivas de Desenvolvimento em Antropologia Urbana que, em Setembro de 2001, reuniu cerca de vinte investigadores de várias “gerações” e pertenças disciplinares. Pode agora ser consultado na íntegra, aqui

Relational space through historically relational time – in the bodies of São Paulo’s pedestrians (2017)

Um artigo de Fraya Frehse

This article methodologically develops one theoretical issue regarding the sociological debate on relational space: How do past, present and future times interfere in the relations between human bodies and in their interconnectedness with material and/or symbolic goods in places, by considering that space is generated through these relations? After demonstrating the absence of this issue in the debate, the article presents a methodology for analytically identifying and conceptually interpreting the relational space produced through historically relational time in relational bodies in places, with the aid of Henri Lefebvre’s dialectical concerns with everyday life and the production of space. In order to show the approach ‘in action’, the study focuses on the rules of pedestrians’ body conduct in the cathedral square of the Brazilian city of São Paulo in 2013–2014. Hence the approach is analytically complemented by Erving Goffman’s phenomenological approach to the bodily dimension of social interaction. In conclusion, three contributions of this methodology for relational-spatial sociology are summarized.

FREHSE, Fraya, 2017. “Relational Space through Historically Relational Time – in the Bodies of São Paulo’s Pedestrians”. Current Sociology, 65 (2), p. 511-532  DOI: 10.1177/0011392117697462.

Understanding international students beyond studentification: A new class of transnational urban consumers (2017)

Um artigo de Daniel Malet

For the last 10 years the city of Lisbon has been receiving an increasing number of international students, expanding considerably the supply of student accommodation. In spite of the resulting rise of a new and underdeveloped housing market directed to students, studentification is not exhibiting the usual concentration and segregation patterns of clustering across the city. On the contrary, the effects of student-related economic activities are spreading throughout Lisbon, overlapping with several urban transformations. An examination of international students’ lifestyles in Lisbon seems to demonstrate that diverse youth cultures of Erasmus students are colonising different districts and activities through diverse processes of belonging and distinction. Beyond the studentification literature (and its housing-supply centred perspective) it is necessary to recognise that international students become involved in broader urban processes such as the tourism industry, marginal gentrification or entrepreneurial creativity, thus becoming a new class of transnational urban consumers.

Malet Calvo, Daniel, 2017. “Understanding international students beyond studentification: A new class of transnational urban consumers. The example of Erasmus students in Lisbon (Portugal)”Urban Studies (online first). 

Urban Latin America: Images, Words, Flows and the Built Environment (2018)

Publicado na Routledge, editado por  Julia O’Donnell e Bianca Freire-Medeiros.

Urban Latin America explores the relationship between images, words and the built environment using an engaging variety of methods and sources, with a timely emphasis on comparative studies. The book brings together scholars with various disciplinary backgrounds and theoretical affiliations who critically approach urban experiences through visual accounts, texts and architectural elements. The reader is introduced to major theories, secondary sources and empirical references that have not been written about in English. Film and photography, fictional and historical writings, particular buildings and landmarks – all inspire fascinating glimpses into different moments in the biography of cities in Argentina, Brazil, Chile, Colombia, Ecuador, Mexico, Uruguay and Venezuela.

A Rua. Espaço, Tempo, Sociabilidade.

A Rua. Espaço, Tempo, Sociabilidade é um livro organizado por Graça Cordeiro e Frédéric Vidal, editado em 2008 na Livros Horizonte. O livro resultou do projecto A Cidade e a Rua: Uma Aproximação Etnográfica à Vida Urbana (2005-2008).

Com artigos de: Graça Cordeiro e Frédéric Vidal, Michel Agier, Maurizio Gribaudi, Tim Sieber, Frédéric Vidal, Susana Durão, João Pedro Nunes e Luís Baptista, Monica Farina, Rita Cachado, Joan Pujadas, Fátima Sá e Melo Ferreira, Yves Lequin.

Resumo: A rua como lugar estratégico para a observação da vida urbana é o tema central deste livro. A proposta é: procurar diferentes aproximações a esta realidade complexa a partir do olhar da antropologia, da história, da sociologia e da arquitectura, em contextos geográficos e temporais distintos. A rua condensa e viabiliza todo um imaginário feito de discursos e imagens, de memórias e emoções, que atravessam e elaboram simbolicamente a cidade naquilo que ela tem de mais original. Espaço, tempo e sociabilidade são três tópicos da presente colectânea. Na Paris popular oitocentista, nos actuais campos de refugiados ou na Lisboa dos séculos XIX e XX, vamos ao encontro do lugar da rua.

Bairros: contexto e intersecção

Referência completa:

CORDEIRO, Graça Índias e António Firmino da Costa, 1999. “Bairros: contexto e intersecção”. In VELHO, Gilberto (org.), Antropologia urbana. Cultura e sociedade no Brasil e em Portugal, Rio de Janeiro, Zahar Editor: 58-79

 

Um texto importante para dar conta de um conceito sobejamente abordado pelos praticantes de etnografia urbana, o bairro. Neste artigo, os autores propõem uma definição (v. página 61) e exploram como a noção de bairro tem sido usada no contexto português.

Antropologia urbana entre a tradição e a prática

Referência completa:

CORDEIRO, Graça Índias, 2003. “A antropologia urbana entre a tradição e a prática”. In Cordeiro, Graça Índias, Luís V. Baptista e António F. da Costa (Org.), Etnografias Urbanas, Oeiras, Celta: 3-32

Um texto central sobre uma história da antropologia urbana e dos seus contextos de estudo. Na secção final do texto a autora fornece um panorama do contexto português até à data de publicação.

 

Redes de sociabilidade, identidades e trocas geracionais: da ‘Cova da Música’ ao circuito musical africano da Amadora

Novo artigo de Pedro Varela, Otávio Raposo e Lígia Ferro, na Sociologia Problemas e Práticas

Resumo

As fronteiras geracionais são habitualmente apontadas como fatores de diferenciação social no que toca às práticas e construções de determinados géneros musicais e estilos de vida associados. A partir de uma pesquisa etnográfica realizada no bairro da Cova da Moura e noutros lugares do circuito musical africano da Amadora, protagonizado por imigrantes cabo-verdianos, concluímos que as sociabilidades e as trocas culturais entre artistas de várias gerações, muitas vezes estabelecidas a propósito da partilha de saberes relacionados com os usos das novas tecnologias, por um lado, e com a aprendizagem de instrumentos musicais, por outro, adquirem uma importância ímpar na construção das identidades sociais. Deste modo, salienta-se a centralidade da música nas trajetórias migrantes que se cruzam em vários espaços da Amadora.

Beyond Martim Moniz. Portuguese Hindu Gujarati merchants in Lisbon

Cachado, Rita, “Beyond Martim Moniz. Portuguese Hindu Gujarati merchants in Lisbon” (2017), Special Issue India’s other sites: cultural representations at home and abroad, Etnográfica, 21 (1): 203-220

Os hindus portugueses que vivem na Grande Lisboa são geralmente vistos como comerciantes esmerados e raramente escapam a este estereótipo, que também recai sobre outras populações sul-asiáticas residentes em Lisboa. Além disso, o senso comum sobre estas populações diz que o seu comércio está centrado no Martim Moniz. No entanto, as lojas de comerciantes hindus portugueses, assim como as de outros comerciantes sul-asiáticos em Lisboa, estão por toda a cidade. Neste artigo retrato os comerciantes hindus em Lisboa de três maneiras: uma que dá conta das suas diferentes localizações; outra que aborda a diversidade da oferta; e, finalmente, uma que dá conta da sua visão sobre a crise económica em Portugal e as implicações desta na sua vida e negócios. Até recentemente, as trajetórias profissionais dos hindus portugueses estavam associadas a uma mobilidade social ascendente. Atualmente, quais são as suas perspetivas? Como a crise económica afeta os seus negócios? Preferem emigrar de novo como as suas famílias fizeram já duas ou três vezes?

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search