Artigo de Frédéric Vidal “O turismo e a invenção de uma política: escalas, territórios e governança (Portugal, 1906-1936)”

Divulgamos o artigo recentemente publicado por Frédéric Vidal no último número da revista Etnográfica, no âmbito de um dossier Dossiê “Desafios do ‘Turístico’ na Atualidade” que Frédéric Vidal coorganizou com Sofia Sampaio e Inês Lourenço, “O turismo e a invenção de uma política: escalas, territórios e governança (Portugal, 1906-1936)

Aqui, a referência completa:

Frédéric Vidal, « O turismo e a invenção de uma política: escalas, territórios e governança (Portugal, 1906-1936) », Etnográfica [Online], vol. 25 (1) | 2021, Online desde 05 março 2021, consultado em 14 abril 2021. URL : http://journals.openedition.org/etnografica/9964 ; DOI : https://doi.org/10.4000/etnografica.9964

A coordenação do dossier, que Frédéric Vidal integra, publica ainda a introdução ao volume, “Desafios do “turístico” na atualidade: uma introdução surpreendida por uma pandemia“.

https://journals.openedition.org/etnografica/9841?file=1

Livro: Disputas em torno do espaço urbano: processos de [re]produção/construção e apropriação da cidade

O livro Disputas em torno do espaço urbano: processos de [re]produção/construção e apropriação da cidade, organizado por John Gledhill, Maria Gabriela Hitta e Mariano Perelman, conta com um capítulo de Heitor Frúgoli Jr., intitulado “Territorialidades móveis em áreas populares: a região da Luz, na área central de São Paulo” e um capítulo de Urpi Uriarte, intitulado “Boleros e espíritos na Praça da Piedade, centro de Salvador”, entre outros, não deixe de consultar, está totalmente disponível.

Captação de écrã da capa do livro

A casa e a rua em tempos de Covid-19: uma leitura antropológica de ‘Diário de confinamento’ (Susana Bragatto)

Artigo de Heitor Frúgoli Jr. publicado na Revista Horizontes Antropológicos

Resumo

Análise do diário de Susana Bragatto a partir da decretação do estado de alarme na Espanha, em virtude da pandemia do coronavírus, publicado na Folha de S. Paulo entre março e junho de 2020. São analisadas especificidades das dinâmicas de isolamento social e desconfinamento específicas ao contexto europeu, com atenção às novas configurações dos usos dos espaços domésticos e sobretudo às formas de interação face a face nos espaços públicos na cidade de Barcelona, onde reside a autora, nascida no Brasil. Ao final são tecidos breves contrapontos com a experiência brasileira, mais especificamente em São Paulo, com atenção a impactos da pandemia na vida urbana.

Dossiê “Espaços, simbolismo e relações de poder”

Roberta Sampaio Guimarães organizou juntamente com Vanessa Marx o dossiê “Espaços, simbolismo e relações de poder“, na Revista Interseções, publicado em Dezembro de 2020.

Resumo: O Dossiê “Espaços, simbolismos e relações de poder” é composto por sete textos que debatem os processos de produção e simbolização dos espaços, sejam eles classificados como urbano, rural, popular, étnico-racial, de gênero etc. Com o objetivo de intercruzar olhares e fomentar um amplo diálogo, selecionamos pesquisas realizadas em Lisboa, Buenos Aires, Cariri cearense, São Paulo, Curitiba, Porto Alegre e Rio de Janeiro. O resultado foi a formação de um corpo de artigos que analisa traços marcantes do tempo presente, como a crescente mercantilização dos espaços, a onda de políticas governamentais de viés conservador e a disseminação de iniciativas de reconhecimento de memórias coletivas. Foram ainda observados como indivíduos e coletividades percebem os locais que habitam, quais ações impetram para garantir seus interesses ou provocar mudanças na ordem social e como determinadas intervenções reificam ou desestabilizam ordenamentos territoriais, diferenças culturais e desigualdades sociais. A partir dos textos, desenhamos um itinerário de leitura dividido em dois grandes eixos. O primeiro composto por análises que privilegiam a compreensão dos processos de financeirização e explorações fundiária, imobiliária, turística e securitária, bem como a operação da máquina política e burocrática do Estado pelos entes privados e seus interesses. E o segundo com estudos que se voltam de forma mais acentuada para o entendimento dos dissensos e conflitos em torno dos modos de ocupação dos espaços e dos pleitos de reconhecimento social de segmentos subalternizados e minoritários.

Artigos:
Intervenções, regulações e contestações – Olhares sobre as cidades contemporâneas (Apresentação), Roberta Guimarães, Vanessa Marx

Construindo a paisagem: arquitetura, meio ambiente e poder em um Rio de Janeiro em expansão, Rachel Paterman

Ordenar la casa – Securitización, jerarquización y regulación del espacio urbano en la política de Cambiemos en La Plata (2015-2019), Ramiro Segura, Joaquín Vélez

Migrações e Diversidade na Cidade Empreendedora: Definindo o cenário para os novos imaginários urbanos, Nuno Oliveira

O “direito à cidade” enquanto categoria em disputa: uma análise dos conflitos políticos em torno dos usos cotidianos da Praça Roosevelt, em São Paulo, André de Pieri Pimentel

Problemas de patrimônio como problemas de gênero: disjunções entre feminismo e cultura popular na Festa de Santo Antônio em Barbalha (CE) Roberto Marques

Arte Vida: Itinerários de arte indígena nas cidades contemporâneas, Ana Elisa de Castro Freitas

Atores do pó na idade da pedra: relatos de uma revisitação etnográfica a territórios psicotrópicos do Porto

Simão Mata, membro ETNO.URB, defendeu recentemente a sua tese, “Atores do pó na idade da pedra: relatos de uma revisitação etnográfica a territórios psicotrópicos do Porto”, orientada por Luís Fernandes, na Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto (FPCEUP). 

Parabéns, Simão!

Resumo 

Este trabalho é uma revisitação etnográfica a atores e territórios psicotrópicos situados no interior ou nas imediações de bairros de habitação social da zona ocidental do Porto. A primeira etnografia, que a nossa agora revisita, decorreu entre 1990 e 1995 nos mesmos espaços. Tal como nessa pesquisa, o fenómeno droga e seus protagonistas foram o nosso principal foco de investigação. As questões que nos orientaram podem ser formuladas da seguinte forma: que diferenças e semelhanças encontramos ao nível da expressão do fenómeno droga nesses territórios entre as duas etnografias? Como evoluíram as trajetórias de alguns atores das drogas da zona já caracterizados pelo primeiro etnógrafo? Que mudanças e permanências se registam ao nível ecossocial da zona envolvente entre as duas etnografias?  

O trabalho de campo teve uma fase exploratória e outra intensiva. A primeira situou-se entre outubro de 2009 e dezembro de 2013 e foi realizada a partir de uma equipa de redução de riscos e minimização de danos que se desloca diariamente a estes territórios; a fase intensiva ocorreu entre dezembro de 2014 e março de 2018. A longa presença no terreno fez uso de várias técnicas, sendo que a principal foi a observação naturalista, tanto nas modalidades não participante como na participante. Socorremo-nos também do uso de informantes-privilegiados (pudemos contar com aquele que já tinha acompanhado o primeiro etnógrafo), entrevistas etnográficas, recolha documental, Go-Along e fotografia.  

Os resultados da revisitação mostram que a expressão do fenómeno droga nos territórios psicotrópicos, seja ao nível da venda seja do consumo, guarda bastantes semelhanças com aquilo que a etnografia inicial já evidenciara: um considerável fechamento e defensividade destes territórios face à zona envolvente e uma elevada capacidade de desarticulação e mobilidade territorial face ao controlo social, nomeadamente o da polícia. Quanto aos atores sociais, constatámos uma elevada mortalidade entre os indivíduos que protagonizavam o fenómeno na primeira metade dos anos 90 nestes territórios. A análise das suas trajetórias mostrou uma elevada morbilidade (nomeadamente hepatites, cancros, SIDA…), marcando as últimas etapas de vida destes atores. Os nossos resultados sugerem ainda uma relação entre o agravamento do seu estado de saúde e as práticas de risco associadas ao consumo de drogas, em particular a troca de seringas e outros materiais entre utilizadores por via intravenosa. As trajetórias destes sujeitos mostraram-nos também passagens pelos sistemas de tratamento para os problemas relacionados com drogas e pelo sistema prisional que, nalguns casos, intensificaram o seu quadro de vida já precário. Chamamos, por isso, à passagem por estas instituições “experiências de mortificação”.  

 Os interessados em aceder ao documento podem contactar diretamente o autor.

Os Mercados e os Dilemas da Autenticidade. Uma análise do Mercado Central de Belo Horizonte

Artigo de Luciana Teixeira de Andrade, membro da nossa rede ETNOURB, na revista Interseções. Revista de Estudos Interdisciplinares (2017).

Resumo:

Nas últimas décadas, os mercados de abastecimento, presentes em muitas grandes cidades brasileiras, passaram por uma crise e uma nova significação, em função da concorrência com as recentes formas de comércio a varejo. Vários foram fechados, e outros conseguiram sobreviver a partir da narrativa de lugar autêntico e do seu reconhecimento como patrimônio e atração turística. Este artigo propõe discutir essas novas representações dos mercados, assim como os seus dilemas a partir de um caso ocorrido no Mercado Central de Belo Horizonte. Criado em 1929 e situado na área central da cidade, em 2007, o Mercado ocupou as esferas públicas de discussão quando veio a público o fato de que uma antiga loja de alimentos a granel, fechada por decisão de seus proprietários, seria substituída por outra de uma grande rede de eletro- eletrônicos.Com base nesse episódio discutem-se as dimensões patrimoniais e turísticas dos atuais mercados ancoradas no discurso da autenticidade. Para tanto, ele se estrutura em três partes. Uma primeira analisa a construção de uma narrativa de autenticidade em torno de bens urbanos, a segunda situa historicamente o Mercado Central, e a última analisa a polêmica desencadeada a partir do fechamento e substituição de uma das suas lojas.

Mercado imobiliário, neoliberalismo e Covid-19: a crise vista pelos olhos da “oportunidade”

Artigo publicado no Boletim 64 | Cientistas Sociais e o Coronavírus – Semanas 12 e 13, por João Paulo Macedo e Castro e Roberta Sampaio Guimarães, aqui.

O tema do boletim n.64 gira em torno da habitação. Os autores tratam da forma como o mercado imobiliário e a construção civil operam no sistema neoliberal, apontando para as atualizações e adaptações destes setores frente a crise sanitária, expressas pela exploração dos trabalhadores, incentivo à competitividade e intensificação de modelos habitacionais segregados.

“Urban interventionism” in welfare and planning: National typologies and “local cultures” in Europe

A Patrícia Pereira, em co-autoria com Juliet Carpenter, Olivier Dlabac e Roman Zwicky, publicou um artigo na revista Journal of Urban Affairs. Mais, aqui.

Segue aqui o resumo:

Comparative research on welfare and planning has traditionally been based on broadly defined typologies of national welfare state and planning systems, thereby neglecting the role of local “cultures” that help sustain and redevelop underlying institutions and practices. Drawing on a European-wide survey of city mayors, we explore how well the established typologies are reproduced in local welfare and planning cultures, as reflected in mayoral attitudes, and whether there are systematic variations of welfare and planning cultures even within the same country. The findings suggest that nationally based categories of welfare regimes and planning systems do not necessarily correspond with mayors’ preferences for “urban intervention” in service delivery, housing provision, or planning. Local specificities, including permeability to the influence of European institutions and policies, may in fact have a significant impact on mayors’ attitudes in these fields, possibly creating new local understandings as well as pressures for reforming national welfare and planning systems. These conclusions strengthen the argument that “local cultures” are presenting a challenge to national typologies of planning and welfare, and are important elements to take into account when exploring the evolution of urban policies at the local level.

A ciência e a política como vocação – o discurso de Merkel e a pandemia de Covid-19 na Alemanha Renata de Sá Gonçalves

Desde dezembro de 2019, nos mudamos eu e minha família para a cidade universitária de Tübingen, no sudoeste da Alemanha. Como pesquisadora, integro a equipe do projeto de cooperação “Territórios desconfortáveis: imagens, narrativas e objetos do Sul Global” desenvolvido pelo Interdisciplinary Centre for Global South Studies da Universidade de Tübingen com a Universidade Federal Fluminense, onde sou professora. Desde esse lugar, e como estrangeira, tenho estranhado muitas rotinas, modos de se relacionar e de estar no mundo. Uma nova vida em um lugar diferente pela língua, pelos hábitos e pelas sociabilidades nos ambientes que passei a frequentar.

A pequena cidade difere também em escala da grande metrópole do Rio de Janeiro de onde venho. Aqui residem cerca de 90 mil habitantes e a maior parte deles se vincula à vida da Universidade. Desde nossa chegada, com o registro obrigatório no departamento para estrangeiros no escritório da municipalidade e a entrada na Universidade, fomos acolhidos com orientações sobre serviços públicos, apoio educacional e dicas diversas sobre a vida na cidade. Meus filhos de 5 e 10 anos ingressaram na creche e na escola pública perto de casa, a cinco minutos a pé.

Para continuar a ler….

Soundpostcards from Lisbon in Times of COVID-19 Confinement

(Publicado em 19/04/2020 por CRIA)

Iñigo Sanchez publicou no blog Confinarias, Etnografias em Tempo de Pandemia, do CRIA. Replicamos aqui o texto, mas não deixem de ouvir.

“The restrictions imposed during the COVID-19 crisis on our everyday life has changed the way we perceive and experience our urban sound environment. The confinement measures to stop the transmission of the virus have created the conditions for a new atonement with our surrounding urban environment. Cities have become quieter. Common sources of noise disturbances such as road-traffic, aircraft noise, music from entertainment facilities, loud crowds, etc., have faded out or even disappeared during the lock down. On the other hand, sounds that were already there like the humming sound of air conditioning, the electrical buzz of traffic lights, the mundane sounds of construction work and cleaning brigades, and even birds have acquired a new presence in the deserted streets and squares. Likewise, sounds from the domestic space defy the confinement of our homes and permeate the public spaces, forcing us to rethink the limits between the private and the public in times of social and physical distance.

This work-in-progress explores the changes in the sound environment of some of Lisbon’s tourist hotspots during the COVID-19 confinement. For a tourist city such as Lisbon, the travel restrictions led to the hibernation of an industry that many regard as a symbol of the boom experienced by the Portuguese capital in recent years: mass tourism. With an average of 4,5 million tourist per year, tourism generates 13,7 billion euros in the Lisbon region and it is responsible for around 180.000 jobs, according to the Lisbon Tourism Association (ATM). The sudden disappearance of tourists and the quarantine imposed to all ancillary services associated to them (from guided tours to tuk-tuks, tourist buses, cafes and restaurants, pub crawls, and other leisure activities) has revealed a very different urban landscape than it was just a month ago.

Inspired by the tradition of the phonocards (also known as “talking postcards”), and drawing upon that powerful symbol of the touristic experience as it is the postcard,  this project presents a series of  audio-visual vignettes of Lisbon’s tourist attractions  in times of COVID-19 confinement as a testimony of what a city without tourists might sound like.”