Cenas do Gueto, Mocho Tá na Casa

À boleia da street art, a Quinta do Mocho soube dar a volta aos estereótipos, ressignificando a vida no gueto para exaltar as qualidades do território e de seus habitantes. “Cenas do Gueto, Mocho Tá na Casa” desmonta os discursos de que o bairro não tem cultura, talento, humanidade, ao mesmo tempo que aponta o dedo à exclusão, ao racismo, à violência policial, à pobreza. Gueto é cidade. Cultura se faz no gueto.

Este seriado de 27 episódios dá a conhecer os habitantes, os artistas e a história da Quinta do Mocho. São micro-documentários etnográficos realizados pelo antropólogo e sociólogo Otávio Raposo, editados pelo antropólogo Filipe Ferraz, e com conceção gráfica e comunicação da antropóloga Gabriela Leal.

Esta série está integrada no projeto de investigação ArtCitizenship, que pesquisa “territórios não-institucionais de construção da cidadania e de participação na esfera pública”, procurando compreender os elos entre arte, criatividade e agência política.

“Cenas do Gueto, Mocho Tá na Casa” é um projeto financiado pela FCT, uma parceria CICS.NOVA, NOVA FCSH, CIES-Iscte e CRIA. A produção é da Associação Wamãe I Antropologia Pública.

Follow!

Lançamento do livro “Pensar o território: Jean-Claude Chamboredon, uma abordagem sociológica pioneira”

Apresentado por João Teixeira Lopes (IS-UP) e Manuel Carlos Silva (CICS. Nova/UM).  

Editado por Luís Baptista Sylvie Mazzella, Patrícia Pereira e João Pedro Silva Nunes, o livro apresenta, pela primeira vez, traduções para Português de 6 textos do sociólogo Jean-Claude Chamboredon, complementados com notas de leitura e outros textos originais. Os temas abordados vão das novas formas de oposição campo‐cidade aos complexos processos de povoamento e de divisão social e simbólica do espaço urbano, passando pelas questões do turismo e das apropriações e usos do espaço e do território.


O link para a sessão de apresentação:
https://videoconf-colibri.zoom.us/j/87680792009

Link do livro em aberto

WebSeries: Em Movimento.

Em fevereiro de 2020 (antes da pandemia de corona vírus), fomos dar um rolê com o antropólogo e professor da Unifesp, Alexandre Barbosa Pereira. A proposta foi partir de sua casa, localizada na região de Cidade Ademar, na zona sul de São Paulo e passar por diferentes espaços, nos quais o pesquisador concentrou suas etnografias sobre juventude, sociabilidade e formas de conflito urbano. Durante a caminhada usamos casos como a piXação*, os rolezinhos e a ocupação criativa de praças públicas, para refletir sobres a seguinte pergunta: o que as ações transgressivas das juventudes periféricas são capazes de revelar sobre a lógica e os mecanismos de gestão dos grandes centros urbanos brasileiros? Essa prosa foi o piloto de uma série de conversas com pesquisadores de temas relevantes para a memória social do país, hoje lançamos o Ep 1 nomeado de “Cidade de Riscos: Juventudes e Urbanização Necropolítica” com o convidado Alexandre Barbosa Pereira.

Ficha técnica:

Roteiro e direção: Guilhermo Aderaldo e Daniel Fagundes

Fotografia: Daniel Neves Edição: Daniel Fagundes

Som direto: Guilhermo Aderaldo

Fiunalização e motion grafic: Lucas Henrique Ramos Marques da Silva

Produção: Caramuja

CfP “Fronteiras, ativismos e (i)mobilidades: perspectivas estético-políticas” / “Borders, activisms and (i)mmobilities: aesthetic and political perspectives, Cadernos de Arte e Antropologia

Guest Editors: Bianca Freire-Medeiros (USP/Brazil), Fernanda da Costa Portugal Duarte (NCSU/USA), Guilhermo Aderaldo (UFPEL/Brazil)

Deadline: 30/06/2021

Accepted languages: Portuguese, English, Spanish and French.

Desde a primeira metade dos anos 2000, a “virada das mobilidades” tem interpelado a teoria social contemporânea a se voltar para o enredo da globalização como causa e efeito, tanto do incremento das várias formas de deslocamento humano (do refúgio ao turismo), quanto da aceleração vigiada dos fluxos de materialidades e signos. Neste sentido, uma miríade recente de estudos socio-antropológicos tem apontado que a promessa de um mundo sem fricção territorial produzida por entusiastas da mundialização, deu lugar à multiplicação de tecnologias “preventivas”, amparadas em discursos de (in)segurança. Em conjunto, transformaram as fronteiras em estruturas mais complexas e capilarizadas, as quais permitem a alguns circular por rotas protegidas, enquanto inviabilizam – ou tornam mais arriscada – a mobilidade de outros. 

Tais fronteiras são zonas liminares, geográficas e simbólicas, que implicam transformações subjetivas e políticas ao evidenciarem, por exemplo, o contraste que distingue “trabalhadores indocumentados” e “cidadãos”, ou “turistas” e “vagabundos”. Não se trata, portanto, de muros ou check points, necessariamente, mas de espaços, protocolos, códigos e práticas de normalização e diferenciação que se formam a partir das fricções que marcam os sistemas de desigualdades.

Nesse mundo de mobilidades e imobilidades, uma série de manifestações no campo do ativismo artístico/cultural ou da criação estética, tem se dedicado a atribuir visibilidade às estruturas ocultas, responsáveis pela manutenção das desigualdades subjacentes ao sistema hegemônico e que se expressam na multiplicação de fronteiras em diversas escalas. Experimentações envolvendo práticas como midiativismo, contracartografias, performances, engenharia reversa, entre outras, têm nos auxiliado a alterar o eixo cognitivo que organiza nossa percepção sobre os territórios que atravessam nossas vidas cotidianas, problematizando referenciais epistêmicos que tendemos, muitas vezes, a naturalizar.

Convidamos pesquisadores de distintas áreas disciplinares que, partindo destas questões e em diálogo com os estudos de mobilidade, venham colaborar com artigos e ensaios (áudio)visuais capazes de promover reflexões originais sobre a combinação entre espaços fronteiriços, ativismos artísticos/epistêmicos e (i)mobilidades. As submissões poderão colaborar com discussões relacionadas (mas não limitadas) aos tópicos que seguem:

•    Migrações e apropriações simbólicas das fronteiras nacionais
•    Experiências artístico-culturais em contextos de mobilidades turísticas, sobretudo em territórios sensíveis (favelas, periferias, zonas de conflito)
•    Contracartografias e deslocamentos cognitivos 
•    Financeirização da moradia, disputas fundiárias e litígios imagéticos sobre a cidade
•    Fluxos visuais em situações de vulnerabilidade extrema: (i)mobilidades durante a pandemia de covid-19
•    Métodos “móveis” e novas perspectivas epistêmicas sobre as formas estéticas e políticas subjacentes aos conflitos sociais contemporâneos;
•    Práticas culturais juvenis e insurgências nos espaços urbanos

Todas as contribuições devem ser submetidas pelo portal da revista Cadernos de Arte e Antropologia e estar em acordo com as regras para submissão de artigos definidas no portal (http://cadernosaa.revues.org/). Questões sobre a adequação potencial de tópicos, expectativas editoriais ou quaisquer outras perguntas relacionadas a este número especial podem ser dirigidas diretamente aos editores convidados, através do endereço de e-mail guiade@ymail.com.

Na Quinta com Kally

O premiado documentario Na Quinta com Kally do Otavio Raposo está agora disponível para consulta.

Password: mocho

Sinopse

Todas as semanas, Kally e Ema percorrem as ruas da Quinta do Mocho para mostrar aos visitantes as obras de uma das maiores galerias de street-art ao ar livre da Europa. O bairro, considerado “problemático” e “violento”, soube dar a volta aos estereótipos e tornou-se um exemplo da riqueza cultural das periferias de Lisboa. Aproveitando-se da boleia da arte urbana, os seus moradores são os principais responsáveis por esse processo de requalificação discursiva. São eles que impulsionam as visitas guiadas, compõem canções de intervenção e criam coletivos culturais que valorizam o bairro. As expressões artísticas nascidas no Mocho são “gritos de resistência” ao racismo, à precariedade laboral e às imagens mediáticas que o representam negativamente. O filme mostra como a vida de Kally, Ema e o filho está interligada com a reinvenção da Quinta do Mocho. Acompanhamos o quotidiano dessa família que, ao insistir em lutar por uma vida melhor, também afirma o bairro como um ativo celeiro de produção cultural.

Realização: Otávio Raposo

Montagem: Filipe Ferraz e Otávio Raposo

Pesquisa, filmagem e som: Otávio Raposo

Duração: 27 min.

Ano: 2019

NU BAI – O rap negro de Lisboa

Otavio Raposo, membro da rede e integrante da VISUAL.Etnourb, disponibiliza este documentário em aberto para toda a comunidade. Não hesitem em consultá-lo.

SINOPSE

Cova da Moura, Arrentela e Porto Salvo. O rap negro da periferia forma um cordão à volta de Lisboa. Para apontar o dedo ao racismo, à exclusão, à violência policial, à pobreza. Vida de preto. “Hip hop é intervenção. Não quero ninguém a dançar, mas a pensar”, diz Jorginho, um dos oito rappers entrevistados.

Este documentário ouve o canto, solta a voz, não reprime os sonhos, os desabafos, o desejo de vingança, o diálogo-monólogo quase surreal. “Eu sonhei que estava a voar na Pedreira dos Húngaros.” O som do beat box e poesia em crioulo a reinventar a vida, para que um dia tenham o seu Malcom X, os seus Panteras Negras. É o futuro. O hip hop é a arma.

Ficha tecnica

Realização: Otávio Raposo

Montagem: João Rosas

Filmagem: Otávio Raposo, João Pires, Rasputini, Hazard Gibson e Biru

Som: Otávio Raposo, João Pires e Nuno Barbosa

Pesquisa e argumento: Otávio Raposo

Duração: 60 min.

Ano: 2007

Prémios: Melhor filme documentário no ViMus – Festival Internacional de Vídeo Musical da Póvoa de Varzim em 2007

III Urban Audiovisual Festival: Noite e Cidade

A terceira edição do Urban Audiovisual Festival terá lugar na Biblioteca De Marvila entre o 12 e o 14 de Novembro, e contará con varios membros da rede como comentadores dos filmes propostos nesta edição.

O tema deste ano é a Noite e as diferentes abordagens do urbano após a queda do sol. Como é tradição na UAF, o primeiro dia contará com um seminario temático, liderado nesta ocasião pelo Manuel Garcia-Ruiz.

O acesso às sessões é gratuito, mas para poder assistir será necessário reservar a sua entrada. O aforo é muito limitado em cumprimento com as diretivas sanitárias propostas pela DGS.

Para mais informação recomendamos contactar com os Organizadores do Evento.

Estéticas Afro-Diaspóricas em Portugal: O caso da Quinta do Mocho

16 de novembro, entre as 20h30 e 22h30

A exibição do documentário “Na Quinta com Kally” será o pretexto para uma discussão sobre a presença negra em Portugal, nomeadamente a influência artístico-cultural dos descendentes de imigrantes africanos. O encontro “Estéticas afro-diaspóricas em Portugal: o caso da Quinta do Mocho” será uma aula aberta da Unidade Curricular “Diásporas Africanas, Migrações e Direitos”, lecionada por Otávio Raposo no âmbito do Mestrado em Estudos Africanos do Centro de Estudos Internacionais do Iscte – Instituto Universitário de Lisboa, e contará com a participação de Kally Meru, Guia de Arte Urbana na Quinta do Mocho. Organização de Encontros sobre Experiências Migratórias.

Transmissão via zoom: https://videoconf-colibri.zoom.us/j/82791203377

É também possível assistir presencialmente [Iscte, Edif.II, Aud.B204] mediante inscrição para: observatorioemigracao@iscte-iul.pt (estão disponíveis 50 lugares, de acordo com orientações da DGS)

Sinopse do documentário “Na Quinta com Kally”

Todas as semanas, Kally e Ema percorrem as ruas da Quinta do Mocho para mostrar aos visitantes as obras da maior galeria de arte ao ar livre da Europa. O bairro, considerado “problemático” e “violento”, soube dar a volta aos estereótipos e tornou-se um exemplo da riqueza cultural das periferias de Lisboa. Aproveitando-se da boleia da arte urbana, os seus moradores são os principais responsáveis por esse processo de requalificação discursiva. São eles que impulsionam as visitas guiadas, compõem canções de intervenção e criam coletivos culturais que valorizam o bairro. As expressões artísticas nascidas no Mocho são “gritos de resistência” ao racismo, à precariedade laboral e às imagens mediáticas que o representam negativamente. O filme mostra como a vida de Kally, Ema e o filho está interligada com a reinvenção da Quinta do Mocho. Acompanhamos o quotidiano dessa família que, ao insistir em lutar por uma vida melhor, também afirma o bairro como um ativo celeiro de produção cultural.

Realização: Otávio Raposo
Montagem: Filipe Ferraz e Otávio Raposo
Pesquisa, filmagem e som: Otávio Raposo
Duração: 27 min.
Ano: 2019 

https://www.facebook.com/events/1164217110682422

Research workshop with Sonja Lakić

Buildings as Living Archives:
B(ordering), othering and self-appropriation. The case of mass housing in Banja Luka, Bosnia and Herzegovina 

“If walls could talk, what could we hear? This workshop is a retrospective journey through the residential landscapes of Banja Luka, Bosnia and Herzegovina, and an exploration of different stages of a lifecycle of local mass housing. Here, we discuss the walls that surround us as an embodiment of practices of (b)ordering, othering, and, finally, appropriation of space, shedding a light on how dwelling experience and life itself unfolded under the flag of the Yugoslav ideology of Brotherhood and Unity and mostly uniform built environment, as well as what nowadays, in the contemporary cultural era that preaches individualism, remains.

Through intimate portrayals of individual dwelling and residing histories, the workshop depicts then and now and, for the first time ever, brings to light one of the darkest periods of the local history – e.g. the 1993 amendments to the Law on Housing Relations and the newly introduced policy of rationalization – that malformed the mass housing through violent evictions and marked quite a perplexing ethno nationalist regime-initiated era of the rewriting of the local urban and cultural identity, by eliminating the different and the other by replacing them with those of a better fit and as ethnically clean as possible. Walls talk and we are here to listen.”

Date: Oct. 28th, 2020 at 13h30 – 14h30, Lisbon Time

It will be available on-line thru Zoom (ID: 873 2061 6101)

And in copresence: Iscte, Ala Autónoma, Sala AA3.24

In case you need further information please check here.

Contrato Doutoral: Co-Produção Urbana França/Brasil

Como parte do projeto ANR Co-Polis – “Co-produção social da cidade e da pesquisa cidadã. Perspectivas cruzadas sobre bairros operários e precários na França e no Brasil”, o UMR LAVUE 7218 está recrutando um doutorando em sociologia urbana .

O projeto Co-Polis está localizado na junção entre ciências sociais e estudos urbanos em torno do estudo das modalidades de coprodução urbana entre associações locais, universidades / pesquisa e facilitadores. A tese proposta visa contribuir para o programa científico da ANR sob uma perspectiva tripla: (a) analisar as condições de emergência e desenvolvimento de espaços co-produzidos ou programas co-desenvolvidos; (b) refletir a diversidade de práticas de coprodução; (c) entender as questões epistemológicas ligadas ao compartilhamento de conhecimentos.

O candidato ou o candidato desenvolverá um projeto de pesquisa pessoal dentro da estrutura conceitual e metodológica do projeto ANR e deve considerar a dimensão colaborativa como objeto de sua investigação, bem como o modus operandi de sua pesquisa. Ele trabalhará em vários estudos de caso empíricos em Ile de France e será convidado a desenvolver um campo comparativo na região de São Paulo. Este campo será realizado utilizando uma abordagem etnográfica, incluindo a contribuição para a pesquisa-ação participativa. Os campos de investigação serão escolhidos em colaboração com os pesquisadores e atores associativos envolvidos no projeto Co-Polis.
Após concluir o curso de ciências sociais, o doutorado terá um bom conhecimento prévio de sociologia e / ou antropologia urbana. Ele / ela terá o objetivo geral de desenvolver uma pesquisa de campo em Ile de France em um dos distritos identificados pelo projeto como um local emblemático de colaboração e deve ter um campo comparativo no Brasil

Mais informação na web do CNRS