ADIADO (ainda sem data nova) Leitura de “Exercícios etnográficos como atividades em espaço público: Terapia Ocupacional Social no fazer da arte, da cultura e da política”

Data e local: 28 de junho 2024, 16h (GMT), Iscte Ed. 4 Sala A202 e zoom : https://videoconf-colibri.zoom.us/j/91999292505

GALVANI, Debora; BARROS, Denise Dias; PASTORE, Marina Di Napoli; SATO, Miki Takao. (2016). Exercícios etnográficos como atividades em espaço público: Terapia Ocupacional Social no fazer da arte, da cultura e da política. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, São Carlos, v. 24, n. 4, p. 859-868. 

DOI: http://dx.doi.org/10.4322/0104-4931.ctoARF1004

A Leitura será dinamizada por Gabriela Vasters, Professora adjunta na Universidade Federal de São Paulo, investigadora visitante CIES ISCTE-IUL

Gabriela P. Vasters

gvasters@unifesp.br

Gabriela Vasters é Terapeuta Ocupacional (UFSCar), Mestre e Doutora em Ciências (EERP/ USP), Pós-doutorado em andamento (Programa de Pós-graduação em Sociologia Unifesp e investigadora visitante CIES-ISCTE-IUL). Professora Adjunta no curso de Terapia Ocupacional, área Terapia Ocupacional no Campo Social, na Unifesp Baixada Santista. Áreas de interesse: terapia ocupacional social com ênfase em ação territorial e comunitária, uso do espaço público, direito à cidade e juventudes populares urbanas na interface com antropologia urbana; pessoas em situação de rua, política de assistência social, educação popular.

Publicações selecionadas:

SILVA, Luiza Ribeiro da; SOARES, Carla Regina Silva; VASTERS, Gabriela Pereira; ALMEIDA, Marta Carvalho De. Os SoundSystems e os jovens das periferias de São Paulo: afirmando identidades e ampliando circuitos. Revista De Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, v. 32, p. e204941, 2022.

NOZZABIELI, Sonia Regina; RODRIGUES, Terezinha Fátima;GALVANI, Débora; VASTERS, Gabriela Pereira;BAIERL, Luzia Fátima. População em situação de rua e o direito à cidade A contagem como instrumento de luta política em tempos de distopia. In: DINIZ,T.M.; BRANDÃO, M.V.M.; CARRIÇO, J.M. (Org.). Baixada Santista (Coleção Reforma Urbana e Direito à Cidade). 1ed.Rio de Janeiro: Letra Capital, 2022, v. 5, p.217-234.

GONCALVES, Monica Villaça; VASTERS, Gabriela Pereira; PEREIRA, Beatriz Prado; SILVA, Marina Jorge; BIANCHI, Pâmela Cristina. Ações territoriais e comunitárias no Brasil:vivências e reflexões a partir da Terapia Ocupacional Social. In: Vagner dos Santos; Irene Muñoz Espinosa; Magno Nunes Faria. (Org.). Questões e práticas contemporâneas da Terapia Ocupacional na América do Sul. 2ed.Curitiba: CRV, 2022, v. 1, p. 183-192.

Lançamento do livro VENIR DE BARRIO : ESTRATEGIAS FAMILIARES, ESPACIO Y CLASE EN LOS PAU DE MADRID

No dia 23 de Março de 2024, Inés Gutiérrez Cueli apresentou o seu livro, resultado da tese de doutoramento (com arguição de Rita Cachado) no espaço madrileno La Maliciosa, organizado pela Traficantes de Sueños. Podem ver aqui o vídeo

Fotografia de Angeles Ramirez

¿Cómo es la vida cotidiana en los nuevos vecindarios de urbanizaciones?, ¿cómo se tejen las relaciones vecinales y familiares tras los muros de la urba de un PAU?, ¿por qué estos barrios eran y siguen siendo atractivos?, ¿qué experincias de clase social se urden en ellos? En definitiva, ¿cómo experimentan sus habitantes el espacio, la clase y la cotidianeidad más allá del estereotipo?

Los PAU han suscitado cada vez un mayor interés. Saltaron al debate público en 2019 a raíz de varios procesos electorales y desde entonces hemos visto cómo se multiplicaban los análisis y ganaban protagonismo en el discurso político. Sin embargo, la imagen de sus habitantes ha terminado por volverse una caricatura: aparecen representados como víctimas del consumismo, de un estilo de vida individualista y de unos valores liberales o conservadores.

El libro pretende ir más allá del estereotipo para desentrañar la maraña de procesos económicos, políticos y sociales que se anudan y, sobre todo, para tratar de comprender el punto de vista de algunos de sus protagonistas: esa generación nacida en los barrios de la periferia obrera que se mudó a las zonas residenciales durante el boom inmobiliario. Al contrario del retrato difundido, experimentan unas relaciones muy paradójicas con su lugar de origen y con su percepción de la clase social. Lejos de adoptar una posición simple de huida de su barrio obrero para abrazar una identidad de “clase media” sin fisuras, se mueven en un universo de contradicciones que es importante no desechar, pues en ellas reside justamente lo que es urgente comprender.

(Fotografia do livro e resumo disponíveis no link do lançamento)

Mundos em mediação: Gilberto Velho e a antropologia urbana em Portugal

Queremos convidá-los para a conferência “Mundos em mediação: Gilberto Velho e a antropologia urbana em Portugal”, de  Celso Castro (Escola de Ciências Sociais da Fundação Getúlio Vargas FGV CPDOC ), com comentários de Cristiana Bastos (Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa).

A apresentação tratará das relações entre a obra do antropólogo brasileiro Gilberto Velho e o campo da antropologia urbana em Portugal, que envolveram tanto a recepção de sua obra quanto seu papel como mediador entre antropólogos portugueses e brasileiros.

A conferência será no dia 23 de Janeiro, às 18h GMT, no ISCTE, Auditório Caiano Pereira (Edifício 1, Piso 0).

Este evento é realizado pelo CAU (Coletivo de Antropologia Urbana) que será apresentado no início da sessão. O CAU é um grupo de discussão informal nesta área de interesses, aberto e orientado para os que desenvolvem pesquisas de doutoramento, mestrado ou pós-doutoramento relacionadas com a antropologia urbana e a etnografia urbana.

Esperamos contar com vossa presença!

CAU

Leitura Etno.Urb Primeiros capítulos d’A Miséria do Mundo, Pierre Bourdieu (org).

Na próxima quinta-feira dia 27 de Abril teremos a Leitura de alguns capítulos do livro A Miséria do Mundo, P. Bourdieu (org.) 1993:

  • Ao leitor / To the Reader (Pierre Bourdieu)
  • O espaço dos pontos de vista / The space of points of view (Pierre Bourdieu)
  • A rua dos Junquilhos / Jonquil Street (Pierre Bourdieu)
  • A última diferença / The last Difference (Patrick Champagne). 

Inés Gutierrez Cueli entitulou a sessão de “Espaço urbano, classe e diferença 30 anos depois da Miséria do Mundo”

Chamada para apresentações até 20 de março 2023

Divulgamos a chamada da XIV Reunião de Antropologia do Mercosul, que ocorrerá entre os dias 1 e 4 de agosto na Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, RJ. E também para convidá-los a enviar seus resumos para o GT3: Água e Energia na Antropologia: sobre usos, arranjos sociotécnicos e intersecções entre saber e poder. O Gt está sendo organizado por Júlia O’Donnell (UFRJ), Ana Spivak L’Hoste (CONICET-IDES) e por Camila Pierobon (SDSU e ResiduaLab/UERJ) e os resumos podem ser enviados até 20 de março em português e espanhol. As cidades são particularmente afetadas por essa questão, desde o acesso, às cheias, os efeitos das secas, entre outros.

Resumo:

A água e a energia são bens vitais e essenciais para o desenvolvimento da vida social. Porém, o acesso, os usos e suas imbricações em atividades produtivas marcam importantes diferenças em termos históricos e geográficos, mas também culturais, de classe social, de gênero e raça. Nesse sentido, os estudos da água e da energia, independentemente ou em relação, vêm ganhando cada vez mais espaço na Antropologia. Diferentes autores chamam atenção para a multiplicidade das águas, desnaturalizando uma visão universalizante sobre os seus sentidos. Outros têm se comprometido com questões sobre a produção de energia, sobre as políticas energéticas, sobre resistências e sobre as intersecções entre energia e poder. Em diálogo com essa produção, o GT se propõe a discutir diferentes formas de manejo da água e do uso da energia em contextos latino-americanos. A intenção é avançar a reflexão sobre, por um lado, a água e a energia como partes essenciais da produção da vida e, por outro, como inseridas em relações de saber-poder por meio padronizações, cálculos e métricas que entram em conflito com outras ontologias e cosmologias, engendrando disputas que envolvem as commodities, o estado e as comunidades. Serão bem vindos trabalhos que reflitam sobre problemas gerados pelo acesso desigual à água e à energia, sobre os usos, sobre arranjos sociotécnicos que envolvem esses recursos e sobre as infraestruturas, dentre outras abordagens que dialoguem com esse campo analítico em expansão.

A Geração da cidade: trajetórias musicais de jovens em várias escalas (Lisboa, 2010/2020)

Ricardo Bento defende a sua tese de doutoramento no dia 10 de dezembro pelas 14h (horas de Lisboa) com o título A Geração da cidade: trajetórias musicais de jovens em várias escalas (Lisboa, 2010/2020), orientado por Graça Cordeiro, no âmbito do programa doutoral em Estudos Urbanos Iscte/FCSH-NOVA. O evento será online, com a participação dos arguentes Renata de Sá Gonçalves, Patrícia Pereira, Lígia Ferro e Otávio Raposo

Licia do Prado Valladares | nota de pesar

A Rede ETNO.URB lamenta o falecimento de Licia do Prado Valladares. Podem encontrar aqui uma boa síntese feita por Bianca Freire-Medeiros (USP) da sua vida plural, rica e com influência em tantas e tantos de nós.

Entre tantos contributos, o livro A Invenção da Favela é uma das suas escritas incontornáveis para pensar e repensar a pobreza urbana e o agenciamento, a produção das narrativas académicas, e muito mais.

Mesa Redonda 14 – Cidades, políticas de reconhecimento e gestão de populações

45º Encontro Anual da ANPOCS

20 de outubro, quarta-feira, das 9h15 às 11h https://www.anpocs2021.sinteseeventos.com.br/conteudo/view?ID_CONTEUDO=977

Coordenadora: Vanessa Marx (UFRGS)
Debatedora: Iracema Guimarães (UFBA)
Expositores: Roberto Marques (UECE/URCA), Ana Elisa Freitas (UFPR) e Roberta Guimarães
(IFCS/UFRJ).

Imagem incorporada

Resumo: Esta mesa redonda é fruto do diálogo estabelecido desde 2019 pelo Grupo de Pesquisa em Sociologia Urbana e Internacionalização das Cidades (GPSUIC/UFRGS) e pelo Núcleo de Estudos e Pesquisas em Espaço, Simbolismo e Poder (NESP/UFRJ). O foco de análise são os conflitos, dissensos e consensos produzidos no intercruzamento da ocupação dos espaços urbanos, dos pleitos de reconhecimento social e das políticas de identificação e gestão de segmentos subalternizados e minoritários. A partir de investigações realizadas em cidades brasileiras discutiremos as formas de identificar, produzir e gerir populações, territórios e identidades operadas por meio de (ou em contraste a) categorizações estatais e elaborações de políticas públicas voltadas para “mulheres”, “indígenas”, “negros” etc. Estarão em debate as negociações entre coletividades e agentes de diferentes escopos de poder político e econômico, os embates em torno das corporalidades consideradas legítimas para ocupar o espaço público e as disputas pelo controle das narrativas, dizibilidades e memórias sobre diferentes formas de violência.

Mini-ciclo de documentários 12, 13 e 14 Outubro 18h Iscte | Aulas abertas Pesquisa de Terreno

feito por Sofia Rocha

A Unidade Curricular Pesquisa de Terreno, coordenada por Graça Cordeiro e lecionada por Graça Cordeiro e por Rita Cachado, tem o prazer de apresentar, em conjunto com a Etno.Urb, o mini-ciclo de documentários no âmbito da sessão 3. O ciclo é aberto à comunidade. Depois do visionamento, haverá um espaço de debate com alunos e outras pessoas presentes.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search