Call for Entries – Urban Audiovisual Festival 2020

 

A Call for Entries do Urban Audiovisual Festival está aberta até 16 de dezembro e o evento é organizado por Manuel Garcia-Ruiz, Henrique Chaves, Bruna França de Pontes e Maria Runkel Cardoso. Na comissão científica estão também as membros Inês Pereira, a Lígia Ferro, a Patrícia Pereira e a Rita Cachado.

Texto da Chamada

O que acontece quando o sol cai?

A noite tem sido uma daquelas fronteiras invisíveis ao longo da história. Para muitos, representa o oposto do dia, para outros, a sua continuidade, para outros, a origem do todo. É, sem dúvida, um momento cheio de controvérsias, de imaginário, de desconhecido, mas também de oportunidades, trabalho e necessidades.

Quando pensamos em noite e cidade, é quase impossível não imaginar os neons e painéis exteriores de Las Vegas ou de Hong Kong ou de qualquer outro centro urbano. A luz elétrica revolucionou o espaço nocturno, expelindo a escuridão das ruas e, com ela, muitos personagens da noite. A cidade iluminada melhorou a circulação “depois de horas” de pessoas, carros e mercadorias, reduzindo riscos e acidentes, mas ao mesmo tempo criando novas sombras, e lugares para aqueles que não deveriam ser vistos durante o dia.

A cidade de 24 horas não dorme, é uma atividade constante, um fluxo contínuo de serviços e pessoas. Os profissionais de saúde, como médicos e enfermeiros, ficam em vigília para cuidar de um mundo exposto a constantes acidentes, doenças e emergências; bombeiros e policiais estão sempre em guarda para ajudar em caso de imprevistos … há muitos heróis que vivem na noite, heróis reais que não usam máscara nem capa.

Há muitas profissões que são desenvolvidas durante as horas de sono, como coletores de lixo, recepcionistas de hotel, transportistas, padeiros … há muitos que vivem de cabeça para baixo para que possamos ter as nossas ruas limpas, as nossas contas prontas, a nossa correspondência na caixa de correio ou o nosso pão ao pequeno almoço. Porém, como essas profissões, existem outras que trabalham nas sombras criadas entre postes de iluminação, algumas bem-vistas, como o pessoal de entrega de comida para os sem teto; outras, estigmatizadas, como os profissionais do sexo. A noite ainda é o outro lado de uma sociedade de contrastes.

A noite é, igualmente, o reino dos gatos pardos, aqueles que buscam o anonimato para viver suas fantasias, ou para cometer crimes atrozes. A noite é um momento desconectado que aproveita o sonho de muitos para criar cenários de ação, entretenimento ou fuga, ao som do karaokê, de sapato de plataforma e maquilhagem, ou com o vazio de um disparo.

 Não devemos esquecermos todos aqueles que mexem com o sofrimento, próprio ou de outrem, com as adições, com o desamparo, e a dor. A noite parece cobrir e desmascarar ao mesmo tempo a aqueles que moram nas margens de nossa sociedade. Os monstros dos irmãos Grimm continuam nos nossos dias, mas com outras caras. 

Por outro lado, a noite é também um momento festivo, de encontro e de socialização. Seja num bar, boate, festival ou festival de arte, as pessoas saem às ruas para se encontrar num ambiente diferente, construir memórias, encontrar novas pessoas ou até mesmo amar.

A noite é um espaço de possibilidades, de silêncio e esquecimento. O que acontece durante a noite, não tem que continuar depois do amanhecer. Falamos de momentos de continuidade e descontinuidade na cidade contemporânea, e seus retratos são especialmente bem vindos.

Convidamos a submissão de trabalhos que de alguma forma abordem a noite, num múltiplos rostos, que retrate o que acontece quando dormimos, que dá voz àqueles que não vemos quando moramos numa outra hora, … trabalhos que coloque a noite, no centro dos nossos olhares.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.