Cidades em mudança: processos participativos em Portugal e no Brasil (2016-2018)

O projeto “Cidades em mudança: processos participativos em Portugal e no Brasil” visa a consolidação de rede internacional de colaboração entre ambas as equipes em torno de pesquisas etnográfica sobre modalidades de participação social coletiva em cidades portuguesas e brasileiras.

Esta iniciativa de intercâmbio luso-brasileiro vincula-se a dois programas de doutoramento: Estudos Urbanos (FCSH-UNL e ISCTE-IUL) e Programa Pós-graduação Antropologia (PPGA/UFF). O objetivo é analisar a diversidade de formas e práticas de participação urbana e o modo como se renovam e mobilizam recursos políticos, culturais, organizativos, económicos, laborais. Esta pesquisa deseja, ainda, chamar a atenção para atividades que constituem cenários de exibição, visibilidade e disputa no espaço público urbano, desafiando para uma reflexão científica na formação avançada, mas também na divulgação do debate público sobre diferentes realidades com um potencial de comparabilidade e aprendizagem de boas práticas muito promissor.

Coordenação: Renata de Sá GonçalvesPrograma de Pós-graduação em Antropologia / Universidade Federal Fluminense e Graça CordeiroCentro de Investigação e Estudos de SociologiaInstituto Universitário de Lisboa

Projeto de cooperação aprovado no âmbito do Edital 039/2014 do Programa CAPES-FCT. Processo 8368-14-7.

Links: No Website do CIESNo Website Na Rua

City. Analysis of urban trends, culture, theory, policy, action. Novo número

A revista City publicou recentemente um novo número, com vários artigos que mobilizam a etnografia urbana.

Editorial: From margins to centres …
Andrea Gibbons

LIFE in a ZOO. Henri Lefebvre and the (social) production of (abstract) space in Liverpool
Matthew Thompson

Special Feature: The city and its margins: Ethnographic challenges across makeshift urbanism
Introduction
Tatiana Thieme, Michele Lancione & Elisabetta Rosa

Going in, out, through. A dialogue around long skirts, fried chips, frozen shacks and the makeshifts of ethnography
Michele Lancione & Elisabetta Rosa

The margins ‘in-between’. A case of multimodal ethnography
Silvia Aru, Maurizio Memoli & Matteo Puttilli

Urban ethnography and the margins at the centre. An account from Shenzhen, South China
Tung-Yi Kho

Showing ‘heart’ through ethnography. Ethical entanglements in a Ugandan marketplace
William Monteith

Space as method. Field sites and encounters in Beijing’s green belts
Yimin Zhao

‘Journeys of the I and we’. Theorizing the ethnographic encounter over time
Kavita Ramakrishnan

Navigating and negotiating ethnographies of urban hustle in Nairobi slums
Tatiana Thieme

Discussion. Start-ups and the entrepreneurial city
Donald McNeill

Book review. The spaces that anti-blackness makes
Ted Rutland

Book review. It matters who is walking. Exploring quotidian mobilities in cities
Andrea Gibbons

CFP Número Temático: Juventud, participación y experiencias en la ciudad

Kultur (Vol. 5. Núm. 9, 2018): Juventud, participación y experiencias en la ciudad

Sección Monográfica: Juventud, participación y experiencias en la ciudad
Coords: David Poveda, Universidad Autónoma de Madrid / Lígia Ferro, Universidade do Porto

Presentación
Este número especial centra su atención en investigaciones que ponen la mirada en cómo los jóvenes experimentan y actúan sobre los espacios urbanos en los que viven, recreándolos y construyendo las ciudades contemporáneas. Nos interesan especialmente trabajos que exploren el uso de metodologías participativas y nuevas formas de documentar y realizar investigación con/sobre jóvenes y adolescentes en la ciudad. Entre estas formas de trabajo se incluyen proyectos de investigación acción-participativa, metodologías visuales, multimodales y sensoriales y/o el uso de recursos digitales. También tienen lugar en el monográfico trabajos de corte cualitativo y/o etnográfico que pongan en el centro del análisis las experiencias y voces de adolescentes y jóvenes en contextos urbanos.

Buscamos trabajos que capturen una diversidad de condicionantes sociales, económicos, culturales e institucionales de la juventud y adolescencia contemporánea. Por ello, en la selección se prestará especial atención a la diversidad geográfica y cultural representada en el conjunto de trabajos. Igualmente, proponemos una mirada teórico-metodológica al cruce juventud-ciudad eminentemente interdisciplinar y estamos abiertos a contribuciones desde la Psicología, Sociología, Antropología, Pedagogía, Geografía, Historia, Lingüística, Artes y Humanidades, entre otras disciplinas, así como (y especialmente) al diálogo entre varias de éstas.

Posibles líneas temáticas
Juventud y espacio público urbano
Jóvenes construyendo culturas urbanas
Espacios institucionales y extra-escolares para/de la juventud
Migraciones, juventud e inclusión/exclusión urbanas
Exclusión y políticas sociales sobre juventud y ciudad
Género, clase social, etnia como dimensiones de las experiencias de la juventud urbana
Metodología colaborativa-participativa
Metodologías audio-visual, multimodal y sensorial
Metodología etnográfica

Fechas e instrucciones
Fecha límite de presentación de originales para todas las secciones: 1 de diciembre de 2017
Fecha de publicación: segundo trimestre 2018
Los autores interesados pueden presentar propuestas de participación para las diferentes secciones de Kult-ur, Revista interdisciplinària sobre la cultura de la ciutat siguiendo las pautas especificadas en: http://www.e-revistes.uji.es/index.php/kult-ur/about/submissions
Procedimiento de presentación de originales a través de la plataforma ojs de publicación de la revista (previo registro de usuario): http://www.e-revistes.uji.es/index.php/kult-ur/login
+Información: David Poveda (david.poveda@uam.es) / Ligia Ferro (ferro@letras.up.pt)

Beyond Martim Moniz. Portuguese Hindu Gujarati merchants in Lisbon

Cachado, Rita, “Beyond Martim Moniz. Portuguese Hindu Gujarati merchants in Lisbon” (2017), Special Issue India’s other sites: cultural representations at home and abroad, Etnográfica, 21 (1): 203-220

Os hindus portugueses que vivem na Grande Lisboa são geralmente vistos como comerciantes esmerados e raramente escapam a este estereótipo, que também recai sobre outras populações sul-asiáticas residentes em Lisboa. Além disso, o senso comum sobre estas populações diz que o seu comércio está centrado no Martim Moniz. No entanto, as lojas de comerciantes hindus portugueses, assim como as de outros comerciantes sul-asiáticos em Lisboa, estão por toda a cidade. Neste artigo retrato os comerciantes hindus em Lisboa de três maneiras: uma que dá conta das suas diferentes localizações; outra que aborda a diversidade da oferta; e, finalmente, uma que dá conta da sua visão sobre a crise económica em Portugal e as implicações desta na sua vida e negócios. Até recentemente, as trajetórias profissionais dos hindus portugueses estavam associadas a uma mobilidade social ascendente. Atualmente, quais são as suas perspetivas? Como a crise económica afeta os seus negócios? Preferem emigrar de novo como as suas famílias fizeram já duas ou três vezes?

The Humanity of Cities

GULICK, Jonh, 1989, The Humanity of Cities. An introduction to urban societies, Massachussets, Bergin & Garvey Publishers, Inc.

Neste livro, Gulick escreve a favor da ideia de uma cidade humanizada, de forma construtiva, e procurando afastar-se do, como lhe chama, preconceito anti-urbano (1989:5). O autor sublinha que mesmo as análises que privilegiam uma ideia de cidade heterogénea não nos ajudam muito a compreender determinados fenómenos urbanos. Não deixando de contextualizar os autores na sua época, em The Humanity of Cities  Gulick começa por fazer uma breve antologia dos autores e obras que analisaram as cidades de vários pontos de vista. Segundo o autor, muitas das análises acabam por sublinhar os problemas das cidades, em vez de dar relevo aos aspectos mais positivos da vida nas cidades. Não basta dar conta das dinâmicas urbanas que sobressaem dos contextos sociais, políticos, económicos e culturais. Gulick refere a importância das pequenas escalas e das redes de relações pessoais para melhor estudar as diversas temáticas urbanas. Nessa acepção, as estratégias de apoio e de sobrevivência têm um papel central na análise de Gulick, uma vez que, ao prestar atenção a estes fenómenos estaremos mais próximos daquilo que chama a cidade humanizada.

The Informal City

LAGUERRE, Michel S., 1994, The Informal City, Houdmills, Basinstoke, Hampshire and London: MacMillan Press Ltd.

 

Muitas vezes ignorado entre as prateleiras das bibliotecas, The Informal City procura conceptualizar as práticas informais, mais do que dar conta delas, uma vez que essa tarefa já estaria, segundo o autor, bastante desenvolvida (1994:xi). Laguerre sustenta que o próprio sistema formal será melhor entendido se percebermos o funcionamento das regras das práticas informais. O autor vê estas práticas como todo um sistema de acção, desenvolvido para atingir objectivos específicos. Laguerre sublinha que as normas do sistema formal nem sempre coincidem com as normas sociais e essa não coincidência, bem como a rigidez dos processos burocráticos, favorecem as práticas informais. Estas práticas adaptam-se ou resistem ao sistema formal, dependendo da situação. Por vezes, a formalização parcial da estrutura informal acontece para que esta seja mais eficaz ou para ser levada mais a sério (1994:86). Esta forma de análise surge como um importante contributo de desconstrução das práticas culturais, alternativo ou complementar à análise dos modos de vida.

A Cidade e a Rua: Uma Aproximação Etnográfica à Vida Urbana (2005-2008)

Poster do Colóquio “O Lugar da Rua: Cidade, Tempo, Sociabilidade”

Mais do que tema, a rua é o problema a identificar e problematizar. A rua pode ser entendida como unidade mínima de vida urbana, lugar de sociabilidade que se desdobra em vários níveis e dimensões de acção, interacção, diferenciação e socialização; transgressão e controlo social; circulação e inter-conhecimento; encontro e confronto; espaço de integração de funções (residenciais, laborais, de lazer), território impregnado de memórias, cenário e palco de cruzamentos sociais, de quotidianos diferenciados, de trajectórias e destinos individuais que interagem. A rua, nas suas extensões (lojas, associações, templos, praças, esquinas, até casas) é perspectivada como uma síntese possível de «vida citadina», recorte etnográfico único para a exploração e o conhecimento da vida urbana contemporânea a partir de baixo e de dentro. Neste sentido, a rua não surge como unidade definida à priori, mas sim como objecto a identificar e a construir ao longo do próprio processo de investigação, unidade de observação com uma significativa coerência social e cultural, com possibilidades de comparação que acrescentem conhecimento original a uma reflexão teórica sobre a cidade e suas dinâmicas sócio-culturais específicas. Metodologicamente, a investigação organiza-se em torno de um conjunto de estudos de caso, social e culturalmente diferenciados, tanto do ponto de vista dos temas como dos contextos etnográficos de referência.

Coordenção: Graça CordeiroCentro de Investigação e Estudos de SociologiaInstituto Universitário de Lisboa